Por que há menos jovens religiosos e mais jovens com transtornos psicológicos?

Neurocientista faz análise:

“Há um aumento de jovens sem fé, assim como um aumento de jovens com transtornos mentais. Há uma diminuição no QI médio do jovem, assim como há mais jovens com menos conhecimento.”

A declaração é do professor e neurocientista, Fabiano de Abreu Agrela, que vem analisando o contexto social em que as chamadas gerações Y e Z estão inseridas.

As primeiras pesquisas Datafolha de 2022 mostram que, em nível nacional, 49% dos entrevistados se dizem católicos, 26% evangélicos e 14% sem religião — já acima dos 8% sem religião identificados no último Censo. Entre os jovens de 16 a 24, o percentual dos sem religião chega a 25% em âmbito nacional.

Segundo Fabiano, há uma relação com menor inteligência e transtornos mentais, comportamentos incoerentes e irracionais, mesmo que ainda não constatado um transtorno em definitivo, os indicadores das variáveis beiram comportamentos adjacentes aos défices cognitivos.

“Não estou dizendo que pessoas inteligentes são aquelas que têm uma religião. Estou falando sobre não ter conhecimento sobre religião e já definir não gostar dela e já afirmar ser ateu. estou dizendo que pessoas inteligentes enxergam a religião, se interessam em conhecê-la, decidem acreditar ou não e respeitam a opinião das demais pessoas sobre religião e fé”, explicou.

Conforme o neurocientista, é necessário levar em consideração que pessoas com problemas psicológicos, que desenvolvem transtornos, têm a região frontal do cérebro afetada, e essa região é a mesma região da empatia.

“Montando então esse quebra-cabeça, posso concluir que vivemos uma geração de jovens das redes sociais com problemas cognitivos derivados dessa cultura, com a região frontal do cérebro afetada, cuja empatia não é desenvolvida, é inventada, para suprir o narcisismo, porque é legal e está na moda, com falta de opinião própria e indisposição na busca pelo conhecimento”, afirmou.

Por fim, Fabiano pontuou que é comprovado que pessoas com ansiedade excessiva vive em dequilíbrio por falta de conhecimento sobre si, sobre a fé e sobre empatia.

“A falta desses conhecimentos podem desencadear problemas psicológicos que revelam a falta de empatia. Levando isso em consideração, posso afirmar que há menos jovens religiosos, não por conta da falta de crença na bíblia, mas sim, pela falta de conhecimento e entendimento dela. Porque é a falta de conhecimento que leva a perda da empatia. E sem empatia, o jovem não consegue chegar a um entendimento de si, dos outros, da vida e consequentemente, não vê sentido em nada. Os transtornos psicológicos se intensificam porque os jovens sem empatia não conseguem fazer boas escolhas e nem, tomar decisões que causem bem-estar para eles e para os outros. Muitos, não conseguem nem entender que, independente do que acreditam, devem respeitar o próximo”, finalizou.

Existe uma relação entre menor inteligência e transtornos psicológicos, e essa relação pode ser notada nesses jovens, na falta de empatia e na desconexão com a fé.

O neurocientista falou sobre isso em seu último vídeo no youtube.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Fabiano de Abreu Rodrigues, PhD, neurocientista, neuropsicólogo, biólogo, historiador, jornalista, psicanalista com pós em antropologia e formação avançada em nutrição clínica. PhD e Mestre em Ciências da Saúde nas áreas de Psicologia e Neurociências pela EBWU na Flórida e tem o título reconhecido pela Universidade Nova de Lisboa; Mestre em Psicanálise pelo Instituto e Faculdade Gaio/Unesco; Pós Graduação em Neuropsicologia pela Cognos em Portugal; Pós Graduação em Neurociência, Neurociência aplicada à aprendizagem, Neurociência em comportamento, neurolinguística e Antropologia pela Faveni do Brasil; Especializações avançadas em Nutrição Clínica pela TrainingHouse em Portugal, The electrical Properties of the Neuron, Neurons and Networks, neuroscience em Harvard nos Estados Unidos; bacharel em Neurociência e Psicologia na EBWU na Flórida e Licenciado em Biologia e também em História pela Faveni do Brasil; Especializações em Inteligência Artificial na IBM e programação em Python na USP; MBA em psicologia positiva na PUC. Membro da SPN – Sociedade Portuguesa de Neurociências – 814; Membro da SBNEC – Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento – 6028488; Membro da FENS – Federation of European Neuroscience Societies – PT 30079; Contato: [email protected]

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.