Por que as crianças japonesas obedecem e não fazem birra?

por-que-as-criancas-japonesas-obedecem-e-nao-fazem-birra

Por que as crianças japonesas obedecem e não fazem birra?

O caráter dos japoneses é admirado em diferentes partes do mundo. Nós os vimos enfrentar enormes tragédias com grande estoicismo. Eles não perdem o controle e retêm seu senso coletivo em nenhuma circunstância. Também se destacam pelo enorme respeito ao próximo e pela grande capacidade de trabalho.

Não apenas os japoneses adultos são assim. As crianças também são muito diferentes daquelas que estamos acostumados a ver no Ocidente. Desde tenra idade, suas maneiras suaves e afabilidade são notórias.

Crianças japonesas não são do tipo que têm acessos de raiva e perdem o controle sobre tudo. Por isso, buscamos entender o que os japoneses fazem para que isso não aconteça.

“Tentar controlar nossas próprias reações sem sucesso é o roteiro que leva à escravidão do medo.” — Giorgio Nardone.

Como os japoneses conseguiram ter uma sociedade na qual prevalecem os valores de autocontrole, respeito e temperança?

Eles são tão severos que conseguiram ter uma sociedade disciplinada? Ou talvez suas estratégias parentais envolvam padrões eficazes? Vamos examinar o tópico com mais detalhes.

Os japoneses valorizam muito a família

Algo que torna o japonês muito especial é a relação entre as diferentes gerações. Mais do que em outras partes do mundo, o vínculo entre os velhos e os jovens é empático e atencioso. Para eles, um ancião é alguém cheio de sabedoria, que merece a mais alta consideração.

Por sua vez, os idosos veem as crianças e os jovens como pessoas em formação. É por isso que são tolerantes e afetuosos com eles.

Eles adotam um papel de orientação, não como juízes ou inquisidores em suas vidas. Por isso, os vínculos entre jovens e idosos costumam ser muito harmoniosos.

E é que os japoneses mantêm um grande apreço pela família extensa. Mas, ao mesmo tempo, seus limites são bem definidos.

Por exemplo, para eles é inconcebível que os avós cuidem de uma criança porque os pais não têm tempo. Os laços não se baseiam em uma troca de favores, mas em uma visão de mundo em que cada um tem seu lugar.

A paternidade é baseada na sensibilidade

A maioria das famílias japonesas entende a paternidade como uma prática afetiva . Gritos ou recriminações ruidosas são muito desaprovados. O que os pais esperam dos filhos é que aprendam a se relacionar com o mundo, respeitando a sensibilidade do outro.

Normalmente, quando uma criança faz algo errado, seus pais a repreendem com um olhar ou um gesto de antipatia. Assim, eles os fazem entender que sua ação não é aceitável.

É comum que usem frases como “você o magoa” ou “você se magoa” para enfatizar que o comportamento dele é negativo porque causa dano, não porque é.

Esses tipos de fórmulas se aplicam até mesmo a objetos. Se uma criança, por exemplo, quebra um brinquedo, seus pais provavelmente dirão “você a machucou”.

Eles não dizem “você quebrou”. Os japoneses enfatizam o valor envolvido e não o funcionamento das coisas. Pois essas crianças aprendem desde muito cedo a ter consciência de tudo, algo que as torna mais respeitosas.

O grande segredo: tempo de qualidade

Todos os itens acima são muito importantes. Mas nenhum deles é tão importante quanto o fato de os japoneses estarem em condições de proporcionar um tempo de qualidade para seus filhos.

Eles não concebem a paternidade como algo distante, muito pelo contrário. Construir laços estreitos com seus filhos é muito importante para eles.

É incomum uma mãe levar seu filho à escola antes dos três anos de idade . O comum é ver mães com seus filhos carregados para todos os lados.

Esse contato físico, que também é muito visto nas comunidades ancestrais, gera laços mais profundos. Essa proximidade da pele também está próxima da alma. Para a mãe japonesa é muito importante conversar com os pequeninos.

O mesmo vale para pais e avós. É comum as famílias se reunirem para conversar . Comer em família e contar histórias é uma das atividades mais frequentes.

As histórias da família são contadas indefinidamente. Com isso, um sentimento de identidade e pertencimento é gerado nos mais pequenos. Também um profundo apreço pela palavra e pela empresa.

É por isso que as crianças japonesas raramente têm acessos de raiva. Estão rodeados por um ambiente que não gera grandes choques.

Eles não se sentem abandonados emocionalmente. Eles percebem que o mundo tem uma ordem e que todos têm um lugar.

Isso dá-lhes serenidade, sensibiliza-os e ajuda-os a compreender que as explosões de espírito são desnecessárias.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LMM Foto de kazuend no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia