Por que após a chegada do primeiro filho muitos casais se separam?

O nascimento de uma criança é um evento transformador. Não importa se a notícia da gravidez foi uma surpresa ou depois de meses de planejamento e saudade.

Seja como for, a partir deste momento a vida dos pais mudará de forma drástica e irreversível. Além disso, se eles não administrarem com sucesso suas emoções, sua vida juntos pode ser prejudicada. É por isso que os casais muitas vezes passam por crises após a chegada do primeiro filho.

Devemos enfatizar que essas crises não são inevitáveis. No entanto, há poucas dúvidas de que a paternidade coloca os relacionamentos à prova.

Além disso, é comum que o esgotamento, a falta de comunicação e todas as mudanças repentinas afetem negativamente o relacionamento.

No entanto, uma boa gestão da situação ajudará a restaurar a ordem e o bem-estar.

Crise de relacionamento após a chegada do primeiro filho

A crise nem sempre é muito séria. Às vezes, é caracterizado por constantes desacordos, argumentos, reprimendas e uma dinâmica negativa que tende a aumentar cada vez mais. Em outras ocasiões, pode haver um distanciamento progressivo e frieza emocional entre o casal.

No entanto, em ambas as situações, a deterioração da relação é evidente. Muitas vezes, isso pode se traduzir em tristeza, raiva, insatisfação e dificuldades no exercício de seus papéis de pais.

Com efeito, não devemos esquecer que o bem-estar dos filhos está sempre intimamente relacionado com o dos pais. Por isso, se os próprios pais estão passando por dificuldades emocionais, não estão na melhor posição para estabelecer um bom vínculo de apego com o bebê.

Infelizmente, essas crises de relacionamento podem levar ao rompimento ou se arrastar por anos , prejudicando a qualidade de vida de toda a família. Portanto, conhecer suas causas e abordá-las desde o início é sempre o melhor curso de ação.

Causas

Esses são os principais fatores que contribuem para o desencadeamento de uma crise no casal após o nascimento de um bebê. Como você verá, todos eles se relacionam com as demandas da nova situação.

Processos pessoais

O primeiro motivo varia para cada indivíduo. Isso porque tornar-se pai ou mãe desencadeia uma série de processos internos altamente pessoais.

Por exemplo, a nova mãe experimenta flutuações hormonais significativas que muitas vezes podem afetar seu humor. Além disso, seu corpo mudou e a recuperação do parto pode ser difícil de suportar.

Uma nova mãe deve assumir grandes responsabilidades de uma hora para outra. Isso transforma sua identidade à medida que se integram em sua nova função. Também pode levar a sentimentos de incerteza, medo, confusão e culpa.

No caso do pai, ocorrem processos psicológicos semelhantes. Soma-se a isso a necessidade de estabelecer vínculo com o bebê em menor tempo. Isso porque a mulher já desenvolveu um relacionamento com o bebê durante a gravidez. Porém, para o homem, pode ser um processo mais complicado e lento.

Além disso, o pai pode se sentir deslocado pelo vínculo estreito entre mãe e filho. Na verdade, ele pode não estar ciente de seu lugar na nova dinâmica.

Mudança de rotinas

O cotidiano muda completamente com a chegada de um filho, que passa a ser a principal prioridade do casal. Os horários são alterados e as atividades são focadas em atender às necessidades da criança. Além disso, o ritmo que antes era mantido em casa e funcionava perfeitamente não é mais adequado.

Essa mudança na vida pode ser difícil de suportar. Isso porque, em certa medida, envolve os novos pais deixando de lado suas preferências pessoais e o tempo que têm para si mesmos para se concentrar no bem-estar do bebê e no funcionamento da família.

Estresse e divisão de tarefas

A divisão de tarefas é uma das principais causas de brigas entre casais. Após a chegada de um filho, torna-se ainda mais relevante.

Pois bem pode ser que, anteriormente, o casal tenha estabelecido um acordo que satisfizesse a ambos, e agora isso tem que ser modificado.

Agora, o cuidado do bebê e o da casa têm que ser combinados. No entanto, isso nem sempre é alcançado de forma natural e eqüitativa . Como resultado, podem surgir frustrações e ressentimentos.

Esgotamento e falta de tempo com o parceiro

Finalmente, o tempo gasto com o parceiro é drasticamente reduzido em quantidade e qualidade. Na verdade, os pais têm pouco tempo livre e quase sempre estão exaustos. Isso reduz o tempo que eles têm para intimidade e diversão como casal e pode levar a um aumento da sensação de estranhamento.

Como prevenir uma crise após a chegada do primeiro bebê

Lembrando que uma crise é bastante provável após a chegada do primeiro filho, se possível, deve ser evitada. Ou, nos casos em que já apareceu, deve ser revertida. Porém, a maioria dos casais possuem dificuldade em fazer isso.

Para fazer isso, aqui estão algumas recomendações:

Os futuros pais devem fazer alguns preparativos antes do nascimento.

Por exemplo, informe-se sobre as mudanças que vão acontecer, os desafios que podem enfrentar e a melhor maneira de lidar com eles.

Conversar com especialistas ou aprender sobre as experiências de outros pais pode ser de grande ajuda.

Eles devem esperar que certas dificuldades ocorram.

Conseqüentemente, eles provavelmente acharão útil conversar sobre como organizarão suas rotinas e tarefas depois que o bebê chegar.

Por exemplo, para decidir quem será responsável por cada tarefa e como eles irão distribuí-la. Isso, é claro, tem que ser flexível e pode ser modificado de acordo com as necessidades do momento.

No entanto, eles podem estabelecer algum tipo de guia com antecedência para evitar quaisquer discussões futuras.

Eles devem se dar algum espaço e tempo pessoal. Isso não é fácil para os novos pais. No entanto, é essencial para seu bem-estar psicológico.

Por isso, devem procurar organizar- se para que, todas as semanas, cada um possa usufruir de algum tempo para si. Isso os refrescará, recarregará suas baterias e permitirá que retomem suas tarefas com energia renovada.

Eles deveriam pedir ajuda.

Na verdade, mesmo com dois deles, eles nem sempre conseguem fazer tudo o que precisam fazer. Além disso, não há nada de errado em pedir ajuda, seja de familiares e amigos ou profissionais.

Eles devem ter tempo para si mesmos como um casal. Por exemplo, eles poderiam reservar uma hora todas as noites para conversar ou assistir a um filme, ter um encontro mensal ou uma escapadela romântica. Esse tipo de tempo juntos pode fazer toda a diferença na proteção do relacionamento deles.

A crise pode ser superada

É importante lembrar que uma crise no casal após a chegada do primeiro filho marca um momento de transição. No entanto, por mais intenso e incerto que possa ser, vai passar.

Nesse momento, a comunicação é a melhor aliada do casal. Eles precisam ser capazes de compartilhar seus sentimentos íntimos e dizer um ao outro o que procuram, bem como compreender as necessidades do outro ao mesmo tempo.

Os novos pais precisam entender os sentimentos do parceiro e trabalhar juntos como uma equipe, caso contrário, tudo desanda.

Na verdade, essas ações são processos essenciais se o casal deseja sair mais forte desde o primeiro ano de paternidade.

Casais que superam essa primeira crise, costumam sair muito fortalecidos. Casais que terminam, acabam, por muito tempo, ainda sentindo o gosto da frustração. Porém, nem todos os casais conseguirão passar por tudo isso unidos.

Portanto, devem renunciar ao silêncio, ao orgulho e às reprimendas e, ao invés, optar pela comunicação franca e assertiva a partir do amor que os une.

Afinal, no final do dia, eles estão nisso juntos.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LLM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia