Por que ainda existem tantos homens e mulheres machistas no mundo?

Homens e mulheres machistas perpetuam uma sociedade retrógrada e injusta.

Essas atitudes, muitas vezes, baseiam-se em um autoritarismo tão enferrujado quanto nocivo. Conscientizar essas pessoas que montam esse esquema das instituições e mentalidades é, sem dúvida, responsabilidade de todos.

Victor Hugo disse que a primeira igualdade é a equidade. Há quase dois séculos esse pensamento, e muitos outros desde Mary Wollstonecraft, Virginia Woolf, Simone de Beauvoir ou Emilia Pardo Bazán deram seus testemunhos para nos “acordar” e nos permitir avançar nesse mesmo tema. Em igualdade e liberdade.

No entanto, muitas vezes, parece que, com os ganhos obtidos, mal cruzamos a linha de partida.

Os Estados Unidos, por exemplo, são liderados por um homem (livremente escolhido) com uma opinião muito clara e enfática sobre o sexo feminino: “mulheres são essência, objetos esteticamente agradáveis”.

Vivemos em uma sociedade onde qualquer cenário é bom para sexualizar e colocar a mulher em situação de inferioridade.

Estamos também em um mundo onde as leis muitas vezes continuam a exalar aquela mesma essência machista, autoritária e patriarcal que persiste geração após geração. Legislatura após legislatura.

Nosso sistema tem grandes deficiências e vieses óbvios , nós sabemos disso. Renovar esse substrato psicológico, social e político não é algo que se faça da noite para o dia.

Para isso, é preciso mudar as mentalidades, e algo assim só pode ser alcançado de uma maneira: com a determinação e colaboração de todos, ou pelo menos com a de uma boa maioria.

“O primeiro que comparou a mulher a uma flor foi um poeta; o segundo, um imbecil”. Voltaire

Homens e mulheres machistas, problema de todos

Homens e mulheres machistas se movem todos os dias em nossos contextos diários. Eles estão em nossas famílias, em nossos empregos e entre nossos amigos.

Além disso, pode até ser que nós mesmos sejamos um deles. Uma daquelas pessoas que praticam e perpetuam o machismo sem nem perceber.

Nossas ações, comentários ou formas de resposta podem conter manifestações claramente micromachistas em seu “DNA”. São consequências da nossa educação.

Também refletem a influência de uma cultura que nos modela de forma silenciosa, persistente e estudada. Além disso, podemos denunciar abertamente a desigualdade e a violência contra as mulheres; no entanto, a maioria de nós pode cair nas armadilhas do machismo no momento menos esperado.

Portanto, devemos ser muito claros sobre um aspecto. Homens e mulheres machistas não vêm ao mundo com essas atitudes.

Não é algo inato ou resultado de uma conexão cerebral que em determinado momento nos leva a ser e agir dessa forma.

Assim como aprendemos a ler, andar de bicicleta ou memorizar verbos irregulares em inglês, as pessoas também “aprendem” a ser sexistas. Nós apenas seguimos um modelo e o internalizamos.

O machismo que não se vê, mas que se absorve

Homens e mulheres machistas são o resultado desse esquema de supremacia masculina que foram inalando, absorvendo e integrando dentro de si ao longo da infância e adolescência.

Sabe-se, por exemplo, que os estereótipos ligados ao gênero são assumidos precocemente.

A revista Science mostrou recentemente que as meninas começam a se sentir “menos brilhantes” do que os meninos aos 6 anos.

Ser percebido como menos inteligente se deve ao contexto em que criamos nossos pequenos. É o resultado do que eles veem no seu dia a dia e do que nós transmitimos a eles.

As crianças, por sua vez, são educadas (muitas vezes) na afirmação da individualidade. Estamos diante daquele traço envolvente do machismo onde prevalece o senso de força e superioridade.

É essa armadura que deve ser mantida a todo custo, onde as únicas emoções legítimas e permissíveis no clube da masculinidade são a autoridade e a libido sexual.

Livre-se do espartilho do machismo

Livrar-se do espartilho da masculinidade reinante e dominante não é fácil.

No entanto, com movimentos como o #MeToo ou o recente #Cuéntalo, dá-se visibilidade ao que vem acontecendo nas sombras há muitos anos.

Por um lado, esses fenômenos virais atendem a uma necessidade. Eles dão apoio social às mulheres, incentivam-nas a denunciar, a serem corajosas para falar, para se empoderarem, para saberem que não estão sozinhas.

O segundo aspecto que está sendo alcançado é igualmente interessante. Consciências estão sendo despertadas, injustiças são denunciadas para dar presença a uma realidade que sempre existiu.

A discriminação, a violência contra a mulher, a sexualização ou a falta de sensibilidade de nossos códigos legais são fatos que vão ficando evidentes.

Homens e mulheres machistas estão lá, não há dúvida, mas as vozes que expõem suas atitudes e comportamentos estão crescendo.

Se nos libertarmos do espartilho do machismo todos venceremos, respiraremos mais aliviados e teremos maior liberdade.

Assim, e embora haja quem pense que no nosso dia-a-dia já existe suficiente igualdade, basta olhar à nossa volta com maior empatia para perceber que não é assim.

Atitudes machistas estão por toda parte. Nas palavras que um homem diz a sua parceira ao tentart intimidá-la e inferiorizá-la. Está na maneira como uma mãe educa seu filho, diferente da sua filha, está na publicidade e, naquela música que dançamos, mas cujas letras, nestão carregadas de termos que objetivam a mulher…

Para terminar. Lembremos que a mudança só será possível se todos nos conscientizarmos desse substrato patriarcal rançoso.

Além disso, não basta apenas poder senti-lo, vê-lo ou cheirá-lo. A consciência é inútil se não for acompanhada de ação.

Se não formos capazes de criar uma sociedade baseada na equidade, no respeito, na liberdade e na justiça real.

O primeiro passo para trazer consciência para uma sociedade é eleger governantes que tenham o mínimo de comprometimento com a igualdade. Mas o ideal, é que ele tenha total consciência.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LLM. Foto meramente ilustrativa

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia