Por que absorvemos as emoções dos outros? Ciência ensina como lidar!

Resiliência Humana
por-que-absorvemos-as-emocoes-dos-outros-ciencia-ensina-como-lidar-com-isso

Por que absorvemos as emoções dos outros? A ciência ensina como lidar com isso!

Por Elizabeth Shuler

Sou conselheira e, infelizmente, vejo muitos clientes que cuidam dos outros antes de cuidar de si mesmos. A grande maioria deles são introvertidos ou pessoas altamente sensíveis.

Essa maneira de pensar muito pró-social vem da vasta empatia inerente a muitos introvertidos e HSPs.

Cuidar profundamente dos outros é algo que vem naturalmente para nós. No entanto, é essa intensa necessidade de ajudar que pode nos levar ao caminho da exaustão e esgotamento emocional.

Vamos dar uma olhada na ciência por trás de por que algumas pessoas assumem as emoções (e os encargos) de outras pessoas, e como nós introvertidos e HSPs podemos evitar os perigos do enredamento.

O poder surpreendente dos neurônios-espelho

A empatia, em termos de neurociência, é uma função do que é chamado de “neurônios-espelho”. Simplificando, esses são neurônios que nos ajudam a imitar os outros. Eles são encontrados em nosso córtex pré-frontal, a parte do cérebro logo atrás dos olhos, responsável pela moralidade, planejamento, tomada de decisão e comportamento social.

Por exemplo, se alguém toma uma bebida, você fica com água na boca? Você fica com sede? Essa reação é que seus neurônios-espelho disparam, criando as mesmas condições no seu cérebro que no cérebro da pessoa que bebe.

Isso nos ajuda a aprender quando crianças e explica por que as crianças são tão boas em imitar todos os nossos movimentos.

Esses neurônios-espelho também são responsáveis ​​por imitar estados emocionais. É por isso que, quando assistimos a um filme em que o líder perde alguém que ama, nós, como o público, podemos sentir tristeza. Ou por que, quando alguém é extremamente feliz, também sentimos e compreendemos essa felicidade. Os neurônios-espelho em nosso cérebro estão imitando os sentimentos que estamos observando nos outros em nosso próprio cérebro e corpo.

Assim, experimentamos empatia. E muitos introvertidos e HSPs são altamente empáticos.

O perigo do emaranhado

Se você é um introvertido ou HSP, provavelmente já sabe que isso pode ter uma desvantagem.

A empatia pode se transformar em uma situação que chamamos de enredamento. Essa é uma condição em que, em vez de ser capaz de entender e sentir as emoções dos outros, assumimos efetivamente os encargos emocionais dos outros, como se fossem nossos.

O enredamento é uma confusão de limites e, quando as coisas ficam embaçadas, pode ter consequências catastróficas para as duas pessoas em um relacionamento.

Por exemplo, uma das minhas clientes recentemente discutiu que ela “precisa” cuidar da mãe porque está muito triste. A mãe dessa cliente é mais do que capaz de cuidar de seus próprios sentimentos, mas, como minha cliente é muito empática, ela assume os sentimentos de sua mãe como seus.

Este é um relacionamento emaranhado entre mãe e filha. A mãe não percebe ativamente quanto de seu estado emocional sua filha está assumindo, e a filha não percebe que, ao “cuidar de” sua mãe, ela está segurando tristeza e estresse que não é dela.

Soa familiar?

As conseqüências do enredamento ou dos limites borrados podem ser depressão, ansiedade, estresse e outros problemas de saúde mental.

Quando carregamos nossas próprias emoções – mais as dos outros -, pode ser simplesmente demais.

Muitos introvertidos, em particular, lutam para carregar todas essas emoções porque têm uma tendência a analisar demais as emoções. Quando os introvertidos não conseguem entender por que estão tristes ou ansiosos, eles podem espiralar para baixo em pensamentos negativos.

A pior parte do enredamento para introvertidos é que, uma vez iniciados, é difícil parar.

Se olharmos para o caso de minha cliente, ela começou a assumir os sentimentos de seus amigos, de seus conhecidos e de qualquer pessoa que tivesse fortes emoções ao seu redor. Tornou-se tão ruim para ela que ela começou a ter doenças relacionadas ao estresse, incluindo problemas gastrointestinais e dores de cabeça. Quando os médicos não puderam lhe dizer nada além de “reduzir o estresse”, ela procurou minha ajuda.

Juntos, descobrimos seus limites emocionais borrados com todos ao seu redor. Foi um momento de lâmpada quando finalmente descobrimos que era o relacionamento dela com a mãe, juntamente com sua extrema empatia, que era a raiz de suas preocupações. Pudemos começar a trabalhar juntos sobre quais emoções eram dela e quais eram de sua mãe.

Como definir limites melhores

Nem todos os introvertidos e HSPs lutam com o enredamento. No entanto, se sentir que é o seu caso, pode ajudar começar fazendo um inventário de suas emoções.

O que você está sentindo?

Você pode identificar a causa ou o início desses sentimentos?

Por exemplo, se você está com raiva ou chateado, esses sentimentos podem ser rastreados até uma briga com um amigo?

Um dia frustrante no trabalho?

Ser capaz de identificar o início de seus sentimentos pode ajudá-lo a entendê-los e aprender com eles.

Se você não conseguir encontrar um catalisador para seus sentimentos, ou eles parecerem distantes ou irreais, talvez seja hora de analisar quais relacionamentos estão drenando você.

Você está assumindo o estresse de seus colegas de trabalho?

Seu amigo está bravo com alguém, e ele acabou de desabafar com você sobre isso? Essas podem ser pistas de que as emoções que você carrega não são suas.

Identificar emoções e suas raízes é a parte mais fácil dessa equação. O próximo passo, embora difícil, é o mais importante: estabelecer limites.

Isso significa saber quando dizer “não”, quando fazer uma pausa em um relacionamento e como deixar que os outros cuidem de seus próprios sentimentos.

Se você é altamente empático, essa pode ser a parte mais difícil.

É bom lembrar que a coisa mais gentil que podemos fazer pelos outros não é tentar afastar seus sentimentos, mas deixá-los aprender e crescer com eles.

Isso não significa cortar a empatia ou nunca ajudar os outros. Significa fazer o trabalho duro de estar lá para eles e cuidar de nós mesmos também.

Uma das melhores maneiras que encontrei para ajudar a recriar limites é a auto-compaixão.

Como o enredamento e os limites borrados podem corroer a auto-estima, a auto-compaixão pode nos levar de volta a quão valiosos realmente somos.

Lembre-se de que suas necessidades são tão importantes quanto as de outras pessoas.

Faça uma pausa de autocompaixão

Kristin Neff é uma pesquisadora de auto-compaixão e tem muitos exercícios e recursos para auto-compaixão em seu site, self-compassion.com.

Um dos meus exercícios favoritos de auto-compaixão é o intervalo da auto-compaixão. Este é um exercício curto, mas poderoso, para ajudá-lo a praticar a autocompaixão em sua vida diária.

Para fazer uma pausa de autocompaixão, pense primeiro em uma situação difícil em sua vida agora e conecte-se aos seus sentimentos a respeito.

Reconheça a dificuldade da situação com uma frase curta:

“Isso é doloroso” ou “Estou estressado”.

Lembre-se de que o sofrimento acontece com todos:

“Eu não sou o único que se sente assim” ou “Eu não estou sozinho”.

Dê a si mesmo alguma gentileza (é bom aqui pensar no que você precisa ouvir ou no que diria a um amigo na mesma situação):

“Não há problema em ficar estressado e dar um tempo para si mesmo” ou “Eu posso me aceitar como sou, com os fracassos e tudo.”

Evitar o enredamento pode ser uma tarefa difícil, mas com os recursos certos e as pessoas certas em sua vida, você pode ter limites saudáveis ​​que lhe permitem ter empatia e carinho enquanto ainda se mantém no centro.

A empatia de um introvertido ou HSP é um presente precioso que deve ser nutrido e valorizado. Mas, para que a empatia seja eficaz, você precisa primeiro se cuidar.

Isso é uma receita – vá e faça!

*Com informações de Introvert

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia