Por mais que eu queira, eu não posso querer por você!

Iandê Albuquerque

Não vou fingir que ainda não penso em você, seria estranho dizer que está tudo bem e que a sua falta não me causa nenhum desconforto. Mas eu preciso dizer que, apesar de você ter escolhido ir embora, e isso de alguma maneira ter me confundido, não pude fazer absolutamente nada.

E não foi porque eu não queria. Pra ser sincero eu queria demais, mas não basta um só querer.

Por mais que eu quisesse lhe pedir pra ficar e tentar convencê-la de que ficar talvez fosse melhor pra nós, por mais que eu quisesse por dois, sei que não seria o suficiente, porque eu não posso querer por você.

E tudo bem te deixar ir. É o mínimo que podemos fazer, deixar que o outro siga o seu caminho.

Compreender que, por mais intenso e verdadeiro que seja, às vezes acaba.


Coisas boas também tem os seus finais e as pessoas nem sempre ficam com a gente.

Você não foi a única, nem o primeira e provavelmente não será a última pessoa que conhece o meu interior e vai embora. Eu sei que você não será a última pessoa a elogiar o meu sorriso, conhecer os meus gostos musicais e se encantar pelas bandas estranhas que costumo ouvir, e pouco depois vai embora. Eu sei que você não será a última pessoa a ouvir os meus medos e os sonhos que tenho, rir das situações engraçadas que passei e encontrar em minhas vivências vontades em comum, e ainda assim, ir embora. Eu sei que você não vai ser a última pessoa que vai olhar em meus olhos e, sem dizer uma palavra sequer, contar o quanto pretende ficar, mas mesmo assim, vai pular fora.

Eu sei que você não vai ser a última pessoa a conhecer o meu interior, enxergar o pouco da minha bagunça particular, me tirar do tédio e me fazer acreditar que vai dar certo, até que de repente, vai embora. Eu sei bem que você não vai ser a última pessoa que vai ter coragem de me contar sobre os seus receios, sobre a sua família complicada e os seus sonhos que parecem tão distantes. Eu sei que você não vai ser a última pessoa a me fazer dormir pensando nos pequenos detalhes que por instantes me fizeram esquecer a minha rotina cansativa e depois que tudo parecer tão bom, depois que tudo parecer tão intenso e único, essa pessoa vai embora.


É assim que é, e a gente não tem controle sobre isso.

Confesso que por muitas vezes eu me culpei por não conseguir entender o motivo pelo qual as pessoas saiam da minha vida, mas depois de tantas partidas a gente começa a entender que as pessoas vão embora e a gente não precisa perder tempo tentando decifrar as razões que fizeram o outro partir.

Deixei de me culpar e comecei a agradecer por ter acontecido até o momento que durou.

Só tenho agradecido por ter lhe conhecido e tido a oportunidade de levar um pouco da sua leveza comigo.

Espero que tenha um pouco de mim em você também, e que esse pouco seja bom. Por vezes acontece de eu lhe querer, mas insisto em lembrar que você já foi.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Iandê Albuquerque
Sou recifense, 24 anos, apaixonado por cafés, seriados e filmes, mas amo cervejas e novelas se houver um bom motivo pra isso. Além de escrever em meu blog pessoal e por aqui, escrevo também no blog da Isabela Freitas, sou colunista do Superela e lancei o meu primeiro livro em Novembro de 2014 pela Editora Penalux. .

COMENTÁRIOS