A poderosa mensagem desta história budista: “Quando você não sabe o que fazer, não faça nada, a resposta está na quietude mental”

Resiliência Humana

Buda e seus discípulos empreenderam uma longa jornada durante a qual atravessariam diferentes cidades. Um dia muito quente, eles avistaram um lago e pararam, sitiados pela sede. Buda perguntou a seu discípulo mais jovem, famoso por sua natureza impaciente.

– Tenho sede. Você pode me trazer um pouco de água daquele lago?

O discípulo foi até o lago, mas quando chegou, viu que, naquele momento, um carro de boi passava por ele. Como resultado, a água ficou muito turva. O discípulo pensou: “Não posso dar ao professor essa água barrenta para beber”.

Então ele voltou e disse a Buda:

– A água no lago é muito lamacenta. Eu não acho que podemos beber.

Depois de meia hora, Buda pediu ao próprio discípulo para voltar ao lago e trazer água para beber. O discípulo retornou ao lago.

No entanto, para seu espanto, ele descobriu que a água ainda estava suja. Ele retornou e disse a Buda, desta vez com um tom conclusivo:

– A água daquele lago não pode ser bebida, é melhor caminharmos até a vila para que os aldeões possam nos dar uma bebida.

Buda não respondeu, mas ele também não se mexeu. Depois de um tempo, ele pediu ao próprio discípulo que retornasse ao lago e lhe trouxesse água.

O discípulo foi para o lago porque não queria desafiar seu mestre, mas ficou furioso por tê-lo enviado para o lago, quando ele já sabia que a água barrenta não podia ser bebida.

No entanto, quando chegou, a água era cristalina. Então ele pegou um pouco e levou para Buda.

Buda olhou para a água e então disse ao seu discípulo:

– O que você fez para limpar a água?

O discípulo não entendeu a pergunta, ficou evidente que ele não havia feito nada. Buda explicou a ele:

– Espere e deixe ela ir. Então a lama se instala sozinha e você tem água limpa. Sua mente é assim também! Quando isso é perturbado, você apenas tem que deixar isso acontecer. Dê-lhe algum tempo. Não seja impaciente Você encontrará o equilíbrio por si só. Você não precisa fazer nenhum esforço para acalmá-la. Tudo vai acontecer se você não se apegar.

Mente de macaco: a mente impaciente cercada por preocupações

Os budistas referem-se à nossa mente com a palavra xinyuan, um termo que pode ser traduzido literalmente como ” mente de macaco ” e que significa “não resolvido, inquieto, caprichoso, inconstante, confuso, indeciso ou incontrolável”.

Para o budismo, nossa mente é como um macaco pulando de galho em galho, sempre inquieto e confuso. Nós saltamos continuamente de um pensamento para outro pensamento, da preocupação para a preocupação, até que estamos em um estado de turbulência, confusão e exaustão.

Quando adicionamos emoções a essa mente imbuída de uma atividade frenética, temos todos os ingredientes para formar uma “tempestade perfeita” que nos levará a tomar decisões erradas. Nesses casos, é melhor esperar.

Quando você não sabe o que fazer, quando está confuso demais para tomar uma decisão, o ideal é que você não faça nada, espere e dê tempo ao tempo. Se você se deixar levar pela impaciência, frustração, opressão ou preocupações, é provável que acabe tomando uma decisão ruim da qual se arrependerá mais tarde.

Aquilo que acalma a mente do budismo é equivalente, no campo da psicologia, a uma distância emocional do problema que atormenta sua mente. O objetivo é encontrar a serenidade mental essencial para analisar as múltiplas arestas do problema. Na prática, em vez de pressa para a ação, inação preocupado com o pensamento de que “precisamos fazer algo urgentemente,” ele está fazendo exatamente o oposto: águas tranquilas de nossa mente e esperar o tempo que for necessário.

Nem os pensamentos são tão lógicos nem as emoções tão irracionais

Esta parábola budista não só nos encoraja a ser paciente como a encontrar a serenidade, mas também contém uma outra grande lição que nos esquecemos muitas vezes atolado de uma forma de pensar posição cartesiana direito sobre um altar e denigre as emoções no nível mais baixo.

No entanto, para tomar boas decisões, devemos estar cientes de que nem as emoções são tão irracionais, nem pensamentos lógicos. Nossos pensamentos podem se tornar extremamente irracionais e catastróficos, ou mesmo levar a um otimismo tóxico . Não podemos esquecer que muitas das tempestades mentais são formadas precisamente por esses pensamentos fora de controle. Nesses casos, prestar atenção a eles pode ser muito prejudicial.

Emoções também podem nos levar a um estado de confusão mental, mas são sinais de nossos gostos e rejeições mais intensas, então, em alguns casos, é conveniente incluí-los na equação, e não apenas como uma variável secundária. Na verdade, não é por acaso que nos últimos tempos estamos redescobrindo a inteligência intuitiva e investigações revelam que, em algumas situações, isso é melhor para decidir levar pelos “palpites”.

O “milagre” é que quando conseguimos acalmar a mente, quando alcançamos esse estado de paz interior , pensamentos e emoções se fundem, permitindo-nos ver o problema de forma mais clara e global.

É claro que isso não garante que sua decisão seja a melhor, não há fórmulas mágicas, mas sem dúvida será a melhor para você naquele momento. E isso é o que conta.

Fonte: Rincon psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia