Pessoas que sofrem de hiperindependência nunca pedem ajuda quando precisam

Você é uma daquelas pessoas extremamente independentes que prefere não se associar com ninguém? Você se concentra apenas em si mesmo porque deixou de confiar no ser humano? Nós explicamos a você o que pode ser devido.

A hiperindependência surge como resultado de profundos danos emocionais causados ​​por abandono, quebra de confiança ou traição.

Esse traço está presente naquelas pessoas que sempre rejeitam qualquer tipo de ajuda, que caminham livremente pela vida evitando compromissos relacionais e que dizem preferir a solidão a qualquer tipo de companhia.

Sem dúvida, é impressionante como, às vezes, algo que é percebido como uma força – a independência – pode revelar um problema mais profundo; como no caso de trauma psicológico. Porque, embora seja verdade que é saudável desenvolver esse senso de liberdade com o qual decidir e agir por nós mesmos, há aqueles que levam a um comportamento um tanto patológico.

Referimo-nos àqueles perfis ressentidos que acabam perdendo toda a oportunidade de alcançar relacionamentos enriquecedores. E não se engane.

Aqueles homens e mulheres que gostam de andar “livres” pelo mundo e que desprezam o amor e a amizade em todas as suas formas, nem sempre são felizes. Porque no fundo do seu ser arrastam a ferrugem da tristeza e até o desespero da mais profunda solidão…

Pessoas marcadas pela hiperindependência nunca pedem ajuda quando precisam.

A hiperindependência é um comportamento em que uma pessoa é exageradamente independente e auto-suficiente.

Agora, o que queremos dizer com “extremamente”?

O medo é sempre aquele componente que molda os comportamentos mais disfuncionais. Nesse caso, teríamos alguém que evita se relacionar, ter amigos ou parceiros por “medo” de ser traído, abandonado, magoado, etc.

O medo de tais situações é o que orquestra a esquiva comportamental clássica. Aqueles em que, depois de conhecer alguém, por exemplo, optam por desaparecer sem dizer nada.

Aqueles em que, depois de perceber que começam a sentir algo por uma pessoa, surge neles o instinto de fugir diante da angústia de experimentar novamente a mesma dor que sofreram uma vez no passado.

Da mesma forma, é interessante saber que a hiperindependência é o polo oposto da dependência afetiva e que ambas quase sempre têm um elemento comum: os traumas da infância.

De fato, uma pesquisa da Universidade George Mason destaca como o transtorno de estresse pós-traumático medeia, em bons casos, a maneira como nos relacionamos com outras pessoas.

Vamos ver quais características definem esse tipo de perfil com hiperindependência.

Ser independente é bom.

Significa que você é forte e auto-suficiente, que pode fazer as coisas por si mesmo, atender às suas próprias necessidades.

Agora, quando você diz que não precisa de ninguém, não sabe conviver com os outros e evita todo tipo de relacionamento por medo de se machucar, as coisas mudam.

Eles são viciados em trabalho

Esse é um traço recorrente: a obsessão em se manter ocupado a maior parte do tempo é um comportamento habitual no hiperindependente. São pessoas que orientam suas vidas para um objetivo e estão obsessivamente focadas nele.

Ter metas de trabalho tão altas também serve como desculpa para evitar todos os tipos de compromissos: amizade, família e parceiro.

Eles nunca delegam tarefas ou pedem ajuda

Pessoas com um caráter hiper-independente “podem lidar com tudo” (ou assim parece). São aquelas figuras que nunca pedem ajuda, mesmo que o mundo inteiro tenha caído em pedaços em suas costas.

Eles nunca delegam nenhuma tarefa porque isso tira sua autoridade e força. Porque se tem algo que eles anseiam é ser resoluto, eficiente, resolver tudo sem ajuda de ninguém.

Eles têm uma personalidade hermética e reservada

Eles são inexpugnáveis ​​e herméticos. Eles agem como fortalezas humanas frias onde nada parece acontecer. porque escondem tudo, tudo reprimem.

Não importa se estão passando por mil tormentos, nunca compartilharão com ninguém o que sentem ou o que os preocupa. Não apenas eles são inflexíveis sobre não compartilhar território físico com ninguém, o ambiente emocional também é notavelmente privado.

Eles tomam decisões unilaterais

Esses homens e mulheres têm grandes dificuldades em conviver com outras pessoas. No local de trabalho, são essas vozes que estão sempre em desacordo com as quais é difícil realizar projetos em grupo.

Eles ficam frustrados se as coisas não são do jeito que eles querem e desejam. Não compartilham ideias, não concordam, não sabem dialogar, não se unem…

Além disso, no que diz respeito às questões relacionais, raramente conseguem manter um parceiro ou uma amizade. Eles sempre tomam decisões unilaterais e ficam indescritivelmente ofendidos se o que eles sugerem não for feito.

Eles odeiam precisar de alguém

Outra evidência que define o hiperindependente é sentir-se sufocado quando percebe que começa a precisar de alguém. Afinal, amar significa experimentar o desejo de estar perto do outro, de compartilhar o tempo, a vida e as experiências.

Esse apego emocional é algo que eles querem evitar a todo custo. Eles não querem precisar de ninguém ou que alguém precise deles; Só assim evitam o risco de serem feridos ou traídos.

Muitas vezes, por trás da hiperindependência está uma resposta ao trauma.

Qual é a origem desse comportamento?

Dr. Michael B. Sperling é especialista em distúrbios de apego. Em um de seus trabalhos , ele enfatiza a importância de continuarmos investigando como os transtornos de apego na infância nos afetam na vida adulta.

Na verdade, a hiperindependência é uma consequência do apego evitativo.

Acontece quando uma criança percebe que não pode contar com o amor, apoio e proteção de seus cuidadores. Mais cedo ou mais tarde, eles param de pedir o que não podem receber.

São pequeninos que param de chorar, que reprimem suas emoções e que, em muitos casos, se tornam autossuficientes precocemente. Tudo como consequência de pais ausentes e emocionalmente frios.

Essa ferida de ontem, essa ruptura do vínculo afetivo com essas figuras primárias como os pais, faz com que (em muitos casos) deixem de confiar nos outros.

Eles se tornam distantes, secretos e temerosos nas profundezas de seu ser. Eles temem a intimidade, a proximidade, o amor em qualquer de suas formas. Eles assumem que quem te ama te trai, e que o que aconteceu uma vez no passado pode se repetir…

Se este é o nosso caso, se esta é a marca silenciosa que domina a nossa existência, não hesitemos em pedir ajuda especializada.

A mudança é sempre possível. Todos nós merecemos confiar uns nos outros novamente para construir relacionamentos saudáveis.

*DA REDAÇÃO RH. Foto de Amadeo Valar no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia