Pessoas controladoras: um risco para a sua saúde mental (e física)

Resiliência Humana

Você já lidou com pessoas controladoras, que tentaram (ou até conseguiram) te manipular emocionalmente?

Frases do tipo “eu vou me matar” ou “eu vou me divorciar de você” ou ainda “eu estou tendo um ataque do coração” e atitudes como choro, silêncio, abandono e isolamento, são algumas das características desse tipo de pessoa.

Na maioria dos casos a origem do problema está na insegurança e na imaturidade. O controlador se sente desconfortável por não saber lidar com o poder do outro, e busca uma forma de diminuir a outra pessoa para poder se sobressair.


Muitas pessoas controladoras não se reconhecem como tal, e passam a vida toda se sentindo culpadas, tentando harmonizar ambientes e se tornam prisioneiras delas mesmas ou se vêem fugindo da situação.

Situações e dicas sobre como lidar com pessoas controladoras

Existem abusadores em todos os lugares, e um lugar muito comum é nas empresas. Chefes que maltratam, gritam e humilham os funcionários fazendo-os sentirem-se culpados, sufocados e acuados.

O que fazer nesse caso? Quando um superior arrogante, autoritário e abusador chegar perto de você para mais uma vez te fragilizar, você deve enfrentá-lo. Se estiver sentado, levante-se. Se estiver atrás de uma mesa, ponha-se em pé junto a essa pessoa com os pés não tão juntos um do outro. Ponha as mãos na cintura, abra os ombros, levante a cabeça, olhe nos olhos dessa outra pessoa e faça perguntas inteligentes, como por exemplo:

“Porque você me trata dessa forma?”
“O que é mesmo que o senhor deseja?”

Dessa forma você estará sutilmente enfrentando a situação ou a pessoa que te abusa. Você o deixará surpreso, pois ele não está pronto para este tipo de reação. É muito provável que dali pra frente você se sentirá uma pessoa diferente, vitoriosa e será respeitado(a) por esse abusador.

Leitura recomendada: Aprenda a controlar os seus pensamentos, pois eles dirigem sua vida

Namorados que manipulam

Há namorados que manipulam e controlam os seus parceiros, afastando-os dos pais, amigos e isolando-os de todos.

Fique de olho no relacionamento que te aprisiona, que te “poda” de outros relacionamentos, que te impede de ter escolhas pessoais e que vai mudando sua personalidade (até o ponto de você não se reconhecer mais).

O que geralmente acontece é que a pessoa dominada não se dá conta do que está acontecendo. Este tipo de relacionamento não é saudável e deve ser interrompido antes que problemas mais graves apareçam. Este namorado controlador ainda não possui maturidade suficiente para buscar uma pessoa para dividir a vida com ele.


Obs.: Aqui fica uma dica para vocês que são pais de uma filha controlada pelo namorado: tente a reaproximação a partir do que você conhece de sua filha. Tente ganhar a confiança dela. Traga-a para perto de você. Ao invés de reprimi-la, acolha-a (melhor perto do que longe). Proporcione a realização de alguns sonhos que você sabe que sua filha possui, como por exemplo, aprender a dirigir, fazer hipismo, falar outra língua, fazer uma viagem inesquecível, etc. Enfim, faça as coisas de maneiras diferentes daquelas que você fazia.

Pais dominados por crianças

As crianças também desenvolvem comportamentos manipuladores. Quando uma criança chega na família, o casal normalmente deixa de lado o casamento e faz do filho o centro das atenções. Essa criança vai crescendo e se tornando dominadora, pois tem a percepção de que facilmente conseguirá o mesmo com todos.

Normalmente essa criança deixa de ser criança, pois fora de sua casa ela é muito fragilizada, por não ter aprendido limites e por ter sido “mimada”. Ela torna-se rigorosa, cheia de regras, gosta de impor que as coisas sejam do seu jeito, é crítica e só reclama.

Essa criança tem que ser olhada como um símbolo do que acontece em seu lar. Se ainda houver tempo, os pais precisam tomar de volta as rédeas da segurança e autoridade do lar para que essa criança não seja a maior afetada no futuro, pois fora dos limites do lar, o mundo funciona diferente e costuma ser “duro” com todos.

Livro recomendado: Saúde Nua e Crua – transforme sua vida com a reeducação alimentar

Esposas autoritárias

É comum esse tipo de comportamento quando o cônjuge não preenche os requisitos esperados. Maridos que são preguiçosos, lentos, passivos, submissos, deixam as esposas estressadas e controladoras, porque não desempenham o seu papel.

Porém essa não deve ser uma desculpa para o controle opressor. O outro não é igual a você, ele não deseja a mesma coisa que você e não pensa como você.

Uma sugestão para lidar com essas diferenças é você fazer uma lista dos desejos que tem a respeito do seu marido (coisas que você gostaria que ele fizesse). Abra mão desses desejos e traga à realidade aquilo que ele faz do jeito dele.

Ame-o da mesma forma que quando o conheceu, afinal, foi pelo fato dele ser diferente que você se apaixonou! Quando há respeito, as diferenças se somam no relacionamento. Pense antes de falar, pois como disse o salmista, “como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo“.

Marido controlador

O marido controlador sempre quer ter razão. Faz papel de vitima e gosta de culpar o outro para se inocentar.

Uma armadilha comum entre casais é quando numa discussão o controlador sempre devolve ao cônjuge a responsabilidade pelo ocorrido. Se você percebe que ele está jogando contrário, lhe faça as seguintes perguntas:

“O que você está fazendo nesse momento?”

“Eu estava falando de você e você começa a falar de mim?”

“Por causa disso, nossa conversa vai se encerrar agora.”

E você, mulher controlada, foque mais em você mesma, na sua vida. Com isso você ficará mais segura de si, mais estimulada a viver por si própria e crescerá.

Pare de ser a “coitadinha” deste relacionamento. Mantenha o foco em você! Com essa atitude você mudará para melhor e fará seu marido refletir e sentir necessidade de mudar também.

6 itens complementares para te ajudar

Quando você mostra fragilidade diante de pessoas controladoras, você está permitindo que elas entrem ainda mais para dentro dos limites que não foram estabelecidos.

Defina limites firmes sobre aquilo que é ou não aceitável para você quando se trata de relacionamentos com pessoas controladoras. Elas vão empurrar esses limites para testá-lo. Fique firme e não ceda.

Pessoas controladoras muitas vezes fingem bondade para obter as coisas que elas querem. Nunca deixe um comportamento “bom” enganá-lo. Simplesmente ignore e siga em frente.

Se você está mudando seus interesses em detrimento dos interesses da outra pessoa, ou desistindo de antigos passatempos ou amigos, você provavelmente está em uma relação de domínio. Cuidado!

Lembre-se: nós ensinamos as pessoas como elas devem nos tratar. Se você encontrar-se constantemente “cedendo” para a outra pessoa em coisas que são importantes para você, então você não está sendo você mesma, mas está sendo controlado.

Quanto mais tempo você permitir que outras pessoas controlem você, mais fraco pode tornar-se. Com o tempo, esse seu “eu” enfraquecido pode tornar-se sua nova personalidade, e pode ser apenas um sonho você se lembrar do seu antigo e forte “eu”.

Conclusão

Não ignore esse comportamento em você nem no outro, pois desse comportamento doente pode surgir outros, e a partir daí surgem os psicopatas. Não deixe de procurar ajuda, pois problemas maiores podem acontecer.

Cuidar dos relacionamentos também é uma maneira de plantar Sementes da Saúde na sua vida. Mente e corpo estão intimamente ligados, e a saúde total depende de ambos.

Um super beijo e até a próxima! 😉

Auridéia Vasconcelos (Fundadora do portal Sementes da Saúde)

FONTESemente da Saúde
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS