Pesquisa revela que a maioria dos adultos possuem apenas dois melhores amigos

Resiliência Humana

Pesquisa revela que a maioria dos adultos possuem apenas dois melhores amigos, mesmo que as suas redes sociais estejam infestadas deles.

Em 1993, o antropólogo Robin Dunbar, da Universidade de Oxford, revelou para os humanos os resultados que obteve estudando os grupos sociais de primatas. Ele identificou que cada indivíduo só pode manter até 150 relacionamentos significativos ao mesmo tempo.

Dunbar não levou em consideração a explosão da rede social, nem usa nenhuma hoje em dia, mas admite que a tecnologia poderia aumentar nossa capacidade de memória enquanto aumenta o número de amigos que podemos ter ao mesmo tempo.

Mas a questão agora é – Será que estamos acumulando relacionamentos prejudiciais inventivos para que possamos criar laços de amizade mais próximos?

Will Reader, um doutor em psicologia na Universidade de Sheffield Hallam, no Reino Unido, explica que, embora a maioria das amizades comece fora da internet, a web pode nos ajudar a manter relacionamentos que anteriormente, por causa da longa distância e falta de tempo, estavam, aparentemente, perdidos.

Embora, tendo dito isso, ele acredita que a maioria dos adultos tenham apenas dois melhores amigos durante o decorrer de suas vidas.

De acordo com o Facebook, o usuário médio tem 130 amigos, mas muitos deles são conhecidos casuais ou pessoas que nunca conhecerão na vida real.

Mas, de acordo com Matthew Brashears, da Cornell University, embora essa rede de amigos virtuais esteja cada vez menor e “nos torne potencialmente mais vulneráveis, não estamos tão socialmente isolados quanto os estudiosos temiam”.

Para seu estudo, o Sr. Brashears usou dados de um experimento nacionalmente representativo.

Mais de 2.000 adultos com 18 anos ou mais foram pesquisados ​​no programa nacionalmente “Experiências de compartilhamento de tempo para as ciências sociais” (TESS).

O Sr. Brashears descobriu que “redes de discussão modernas diminuíram de tamanho, o que é consistente com as descobertas de outros pesquisadores, mas que o isolamento social não se tornou mais prevalente”.

Pesquisadores descobriram que o número de amigos próximos que as pessoas têm está diminuindo, apesar do Facebook e do que as sitcoms populares podem dizer.

Quando solicitados a listar os nomes das pessoas com quem discutiram ‘assuntos importantes’ nos últimos seis meses, cerca de 48% dos participantes listaram um nome, 18% listaram dois e cerca de 29% listaram mais de dois nomes.

Em média, os participantes contavam com 2,03 confidentes. E pouco mais de 4% dos participantes não listaram nenhum nome.

Os participantes do sexo feminino eram os menos propensos a não relatar nenhum nome em sua lista de confidentes.

O estudo também descobriu que o número de pessoas que não têm confidentes, ou as socialmente isoladas, não aumentou na mesma quantidade de tempo, apesar da lista de amigos ter diminuído.

Um estudo anterior – de 2006 – previu erroneamente que entre 1985 e 2004, o isolamento social dos americanos triplicaria.

Mas eles previram corretamente que o tamanho médio de nosso grupo de confidentes seria reduzido em cerca de um terço.

O Sr. Brashears disse ao LiveScience: ‘Em vez de nossas redes ficarem menores no geral, o que eu acho que pode estar acontecendo é que estamos simplesmente selecionando uma porção menor de nossas redes como adequada para discussões importantes.

“Isso é reconfortante, pois sugere que não estamos nos tornando menos sociais.”

O estudo foi publicado na revista Social Networks.

** Com informações de Daily Mail, livremente traduzido e adaptado por: Redação Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia