Personalidade limítrofe: Sintomas de um doloroso transtorno

Personalidade limítrofe é um termo usado para descrever incoerência, ou inconsistência, no sentido de perceber a si mesmo. Isso pode significar que os objetivos, crenças e ações de uma pessoa estão em constante mudança.

Também pode ser que a pessoa adquira traços de personalidade das pessoas ao seu redor, enquanto lutam para ter e manter sua própria.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) descreve o distúrbio de personalidade como uma “autoimagem acentuada e persistentemente instável ou senso de identidade” e observa que é um dos principais sintomas do transtorno de personalidade limítrofe.

Claro, essas pessoas também lutam com distúrbios de identidade. Mas geralmente têm uma profunda falta de personalidade. Se você luta contra a sensação de não ter ideia de quem é ou no que acredita, esse pode ser um sintoma com o qual você pode se identificar.

Entendendo

A personalidade é freqüentemente considerada como seu senso e visão abrangente de si mesmo. Uma personalidade estável significa ser capaz de se ver como a mesma pessoa no passado, presente e futuro. Além disso, um senso de personalidade estável requer a capacidade de ver a si mesmo da mesma maneira, apesar do fato de que às vezes você pode se comportar de maneiras contraditórias.

A personalidade é bastante ampla e inclui muitos aspectos do self. Acredita-se que seu senso de personalidade ou identidade inclua os seguintes elementos:

1- Suas crenças e atitudes;

2- Sua percepção de suas habilidades;

3- Suas maneiras de se comportar (mesmo quando estas mudam);

4- Sua personalidade e temperamento;

5- Suas opiniões;

6- Os papéis sociais que você desempenha;

A personalidade pode ser considerada como sua autodefinição; é a cola que une todos esses diversos aspectos de você.

Por que a personalidade é importante

Ter um senso de persolidade serve a muitas funções diferentes. Uma personalidade forte pode ajudá-lo a se adaptar às mudanças. Embora o mundo ao seu redor esteja mudando constantemente, se você tiver um forte senso de identidade, terá essencialmente uma âncora para sustentá-lo enquanto se adapta. Sem essa âncora, as mudanças podem parecer caóticas e até assustadoras.

Além disso, ter uma identidade forte permite desenvolver a autoestima. Sem saber quem você é, como você pode desenvolver a sensação de que vale a pena e merece respeito?

Sinais

O distúrbio de personalidade às vezes é chamado de difusão de identidade. Isso se refere a dificuldades para determinar quem você é em relação às outras pessoas.

Algumas pessoas com esse transtorno podem descrever isso como: dificuldade em entender onde eles terminam e onde a outra pessoa começa.

Essas pessoas freqüentemente relatam que não têm ideia de quem são ou no que acreditam.

Às vezes, relatam que simplesmente se sentem inexistentes. Outros chegam a dizer que são quase como um “camaleão” em termos de identidade; eles mudam quem são, dependendo de suas circunstâncias e do que pensam que os outros querem deles.

Por exemplo, você pode se descobrir sendo a pessoa da festa em eventos sociais, mas tendo uma atitude sombria e séria nas funções de trabalho. Claro, todos mudam seu comportamento em algum grau em contextos diferentes, mas no caso de quem tem esse transtorno essa mudança é muito mais profunda.

Aqueles que experimentam distúrbios de identidade provavelmente experimentam crenças e comportamentos inconsistentes; eles também podem tender a superidentificar-se com grupos ou funções em detrimento de sua identidade individual.

Muitas pessoas com esse transtorno dizem que, além de mudar o comportamento, seus pensamentos e sentimentos mudam para corresponder à situação atual. Por exemplo, eles podem mudar frequentemente de ideia sobre o seguinte:

1 – A carreira deles;

2 – Amizades;

3 – Aspirações;

4 – Suas opiniões e crenças;

5 – Outras decisões importantes da vida;

Como resultado, muitas pessoas lutam para estabelecer e manter limites pessoais saudáveis e têm dificuldades em seus relacionamentos interpessoais e íntimos. Eles também podem ter problemas para se comprometer com valores, objetivos e empregos.

Além disso, aqueles com distúrbios de identidade descobrem que seu humor muda com frequência e de maneira imprevisível.

Problemas de relacionamento

Aqueles que estão lutando com distúrbios de personalidade geralmente têm problemas para formar relacionamentos íntimos com outras pessoas.

Provavelmente experimenta os efeitos negativos da baixa auto-estima, incluindo a falta de respeito próprio e de limites pessoais. Isso pode tornar especialmente difícil formar laços com outras pessoas.

Outro desafio de relacionamento é sentir falta de apoio ou falta de sentido em seus relacionamentos. Sentir um “vazio” por dentro é comum para quem tem distúrbio de identidade.

Como é difícil para eles encontrar significado dentro de si mesmos, eles podem enfrentar desafios para encontrar significado nos relacionamentos com sua família, amigos e parceiros românticos.

Causas

Tem havido muito pouca pesquisa sobre transtorno de personalidade, mas existem muitas teorias sobre.

Por exemplo, Marsha Linehan, PhD, pesquisadora líder em BPD e fundadora da terapia comportamental dialética (DBT), acredita que você desenvolve uma identidade observando suas próprias emoções, pensamentos e sentimentos, além das reações dos outros a você.

O transtorno de personalidade limítrofe está associado a instabilidade emocional, comportamento impulsivo e pensamento dicotômico.

Todos esses fatores podem dificultar a formação de um senso coerente de identidade, porque as experiências internas e as ações externas não são consistentes.

Além disso, muitas pessoas vêm de ambientes caóticos ou abusivos, o que pode contribuir para um senso de identidade instável. Se você determinar quem você é com base nas reações dos outros a você, e essas reações foram imprevisíveis e / ou assustadoras, você não terá uma estrutura para desenvolver um forte senso de identidade.

A capacidade de compreender os seus estados mentais e os dos outros é conhecida como mentalização.

Isso é especialmente difícil para aqueles com distúrbio de identidade e DBP. 8 Isso significa que eles lutam para compreender os comportamentos e intenções humanas, tornando-se ainda mais desafiador para eles conhecerem a si mesmos e aos outros intimamente.

Um estudo publicado em 2017 mostrou que esse problema com a mentalização pode desempenhar um papel fundamental no motivo pelo qual as pessoas lutam tanto com a difusão de identidade e relacionamentos interpessoais.

Como se encontrar

Então, como você responderá à pergunta Quem sou eu?

Claro, não há solução mágica para problemas de identidade. No entanto, a maioria dos tratamentos inclui componentes que podem ajudá-lo a começar a descobrir quem você é e o que você representa.

Frequentemente, o primeiro passo é encontrar um bom terapeuta que possa ajudá-lo a trabalhar nos problemas de identidade. Os tratamentos que podem ajudar com distúrbios de identidade incluem:

Terapia cognitivo-comportamental (TCC): esse tipo de terapia pode ajudar a identificar quaisquer crenças limitantes que uma pessoa tem sobre si mesma ou sobre os outros, tornando mais fácil formar relacionamentos com o tempo. Ele também aborda os sintomas subjacentes de ansiedade e humor.

Terapia comportamental dialética (TCD): ajuda a lidar com emoções intensas e controlar comportamentos destrutivos. Mindfulness é frequentemente uma técnica usada em DBT.

Tratamento baseado em mentalização (MBT): No MBT, um terapeuta ajuda uma pessoa com DBP a melhorar suas habilidades interpessoais. Este tipo de terapia visa fortalecer sua compreensão do que eles e outras pessoas estão pensando ou sentindo.

Psicoterapia focada na transferência (TFP): Na TFP, quando um cliente se envolve com seu terapeuta, aspectos de sua perturbação de identidade se manifestam no relacionamento de tratamento de muitas maneiras que fariam com alguém em suas vidas pessoais.

Isso fornece uma maneira para o terapeuta apoiar uma integração de diferentes aspectos do self do paciente.

Terapia focada em esquema (SFT): SFT integra uma variedade de técnicas psicoterapêuticas para tentar ajudar os pacientes a mudar padrões ou esquemas arraigados e autodestrutivos, que podem estar contribuindo para desafios de identidade.

Além disso, existem maneiras de trabalhar sozinho com a perturbação de identidade.

Você pode começar a descobrir o que considera significativo em sua vida. Esse tipo de autodescoberta pode ser mais eficaz em conjunto com a terapia, especialmente porque as pessoas com distúrbio de identidade tendem a lutar para encontrar um significado.

Saber o que é mais importante para você pode conectá-lo a um maior senso de identidade.

Muitas pessoas acham que as saídas criativas são maneiras úteis de se expressar e aprender sobre si mesmas.

E você? Sente que conhece a si mesmo? Ou se deixa levar pelos julgamentos dos outros?

*DA REDAÇÃO RH. Com informações VeryWell

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia