Permita que as dificuldades abram os seus olhos, mas não deixe que elas fechem o seu coração!

Se há uma coisa que você pode dar como certa na vida, é que em algum momento você ficará desapontado. Alexander Pope disse “bem-aventurado quem não espera nada porque nunca ficará desapontado”. No entanto, como é extremamente difícil não criar expectativas, mais cedo ou mais tarde as dificuldades baterão à sua porta.

A dificuldade é uma forma de tristeza, que geralmente é vivenciada com uma sensação de perda, nos sentimos decepcionados quando nos deparamos com uma dificuldade ou com muitas.

É uma lacuna dolorosa entre nossas expectativas e a realidade.

As decepções são tantas quantas as esperanças e as expectativas. Embora as decepções e dificuldades que mais machucam, geralmente, venham de pessoas próximas e importantes.

Como usar a decepção e as dificuldades para abrir os nossos olhos?

Frequentemente, vemos o desapontamento de uma perspectiva negativa, o que é compreensível, pois, quando estamos desapontados, vemos a vida através de um prisma cinza. No entanto, a decepção também pode se tornar uma professora de vida.

Embora possa ser desagradável, a decepção nos fornece informações valiosas sobre as crenças que cultivamos sobre nós mesmos, outras pessoas e o que nos faria verdadeiramente felizes.

A decepção e as dificuldades podem nos ajudar a abrir os olhos.

Portanto, da próxima vez que ficar desapontado, em vez de ficar preso nesse estado, pense no que pode aprender com essa situação.

Faça a si mesmo estas perguntas – O quê – Quem – Quando – Como:

Você acha que só uma coisa pode te fazer feliz ou te satisfazer?

Às vezes ficamos obcecados por uma coisa, acreditamos que só se tivermos isso poderemos ser felizes ou satisfeitos, e se não o conseguirmos, ficamos decepcionados e caímos na mais profunda tristeza.

No entanto, se subordinarmos nossa felicidade ou satisfação a apenas uma coisa, teremos um problema sério. Se não estamos felizes com o que temos, é provável que não estejamos felizes com o que conquistamos, simplesmente porque a felicidade é um estado interior.

Você acha que apenas uma pessoa pode realizar seus desejos?

Às vezes pensamos que quando encontrarmos nossa cara- metade , as estrelas se alinharão e viveremos felizes para sempre.

Procuramos nessa pessoa uma série de características e criamos expectativas muito elevadas, por isso, quando nos chocamos com a realidade, acabamos desiludidos.

Talvez você esteja esperando muito da outra pessoa? Talvez você tenha expectativas que a pessoa não pode atender?

Lembre-se de que a verdadeira satisfação deve vir de você, não depender de outra pessoa. Não pense que outras pessoas devem se preocupar com você, ajudá-lo ou se comprometer com você.

Em vez disso, pergunte a si mesmo o que você pode fazer por essas pessoas.

Você define um limite de tempo para conseguir o que deseja?

Nossas expectativas são influenciadas por normas sociais. Sem perceber, seguimos regras implícitas que indicam quando devemos cumprir certos objetivos.

Como resultado, colocamos nossos objetivos em um cronograma e, se não os alcançamos, sentimos que falhamos. Encontrar a outra metade, terminar a licenciatura, ter sucesso profissional…

Em vez disso, devemos compreender que somos todos únicos e que seguimos um ritmo diferente. Comparar e correr só vai levar à decepção, pois interpretamos mal os sinais da vida, que às vezes não nos diz “não”, mas apenas “espere”.

Você acha que só existe uma maneira correta de fazer as coisas?

Embora tenhamos projetado até o menor detalhe, a vida é sempre responsável por injetar uma dose de caos.

Pensar que só existe uma maneira de atingir seus objetivos ou que só existe uma maneira correta e apropriada de fazer as coisas inevitavelmente levará à decepção.

É bom ter um guião, mas não podemos esquecer que sempre há espaço para a improvisação. Se a vida não funciona de acordo com nossos planos, isso significa que devemos mudar, nos adaptar a novas circunstâncias e propor um novo plano.

Chorar pelo leite derramado não adianta nada. Na verdade, Abraham Maslow descobriu que as pessoas autorrealizadas têm a incrível capacidade de distinguir entre meios e fins;

Em outras palavras, eles têm os olhos fixos em seus objetivos e permanecem abertos às várias oportunidades que possam surgir.

Não use as dificuldades como tijolos para construir paredes emocionais

Devemos ser especialmente cuidadosos com o desapontamento, porque ele pode se tornar os blocos de construção com os quais construímos paredes emocionais.

Quando uma decepção foi muito grande ou quando acumulamos pequenas decepções, podemos nos sentir tão decepcionados e traídos que construímos um muro à nossa volta.

É verdade que esta parede nos protege de futuras decepções, especialmente no nível das relações amorosas, mas também nos impede de ficarmos excitados, amar e vibrar novamente.

Portanto, devemos ter certeza de curar a ferida emocional e não ficar atolados em decepções.

Devemos usar as decepções como oportunidades de aprender e crescer, não como desculpas para nos isolar do mundo.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações RT.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia