Perfeccionismo X Realidade: Quando nos tornamos escravas dos filtros de beleza.

Os filtros de beleza das redes sociais se tornaram uma força proeminente no reino da mídia social. Se tornou vital compreender o impacto de como os filtros moldam os padrões de beleza entre nós.

E por conta da eminente escravidão que se fez entorno da beleza, foi realizado um estudo comandado pela pesquisadora ANGELINA CRUZ da B.S. University of Central Florida, que formou seis
grupos para explorar as profundidades de por que estudantes do sexo feminino entre os
de 18 a 25 anos prefere postar selfies com os filtros de beleza do que postar fotos naturais.

O estudo intitulado “VAMOS FAZER UM AUTO-SELFIE! VIVENDO EM UM MUNDO FILTRADO: OIMPACTO QUE TEM NAS PERCEPÇÕES DE BELEZA DAS MULHERES” seguiu a teoria das tensões dialéticas como base para explorar tanto as lutas discursivas internas e externas que as jovens enfrentam ao decidir postar fotos naturais ou selfies com filtros em suas contas de mídia social.

O estudo analisou o gerenciamento de impressão, a auto-objetificação e a auto-estima como componentes da compreensão deste fenômeno e usou uma análise temática para descobrir temas prevalentes e recorrentes discutidos nos grupos.

O estudo de Angelina produziu resultados notáveis.

Temas de percepções de atratividade, apresentação de uma fachada e o poder da autoestima destacaram as possíveis razões pelas quais as mulheres foram levadas a utilizar a beleza dos filtros das redes sociais.

Usar filtros ou postar imagens naturais?

Os resultados também mostraram como as lutas internas entre perfeccionismo X realidade e lutas externas para se adequar ao modelo de beleza ideal imposto, e se projetar à posição de destaque na multidão tornaram-se frequentes e estão levando muitas mulheres a se tornarem escravas dos filtros.

As tensões das mulheres que participaram do estudo eram frequentemente afetadas na tomada de decisão de postar imagens naturais ou filtradas. Quando começavam a escolher qual filtro usar e se deparavam com a realidade sem filtro.

Este estudo serve como um alerta para os padrões de beleza impostos nas redes sociais, especialmente em sites de mídia social altamente visuais como Snapchat e Instagram.

Ainda existem pesquisas muito limitadas a respeito das implicações que os filtros podem causar na saúde mental dessas mulheres e como eles podem afetar as percepções gerais das mulheres sobre si mesmas.

A vontade que surge de implementar filtros em suas fotos está diretamente ligada ao julgamento que fazemos da nossa própria imagem.

As razões pelas quais as mulheres sentem que precisam usar filtros de beleza ou insistem em postar selfies naturais impacta diretamente a autoestima.

O estudo ainda alerta para o poder das mídias sociais diante da aceitação passiva da sociedade que passam a integrar novos conjuntos de padrões de beleza.

O fato é que depois que usamos os filtros das redes sociais algo em nós se modifica internamente, e não estou falando da aparência física, mas sim da nossa impressão a respeito de nós mesmas.

Após nos vermos com a aparência modificada, fica extremamente difícil aceitar as nossas imperfeições e isso, com ou sem estudo, certamente afeta a nossa saúde mental e principalmente, a nossa autoestima.

Algumas celebridades já se manifestaram contra os filtros, Samantha Schmütz, por exemplo, pediu para as suas seguidoras se amarem e pararem de usar filtros. Mariana Goldfarb, brincou com a própria imagem que ilustra esse artigo dizendo que a primeira imagem era “naturalzinha kkk”, e depois postou outra sem filtro dizendo: “Pronto, voltei. Ufa!”.

É preciso amar quem se é, com as marcas de expressão e manchas que a vida nos deu.

Se para melhor ou para pior, me digam vocês.

*DA REDAÇÃO RH.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia