Para ser do bem é preciso muito mais do que louvar a Deus.

Luciano Cazz

Você vai ficar chocado com esse artigo! Muito contundente, mas muito verdadeiro.

Para ser do bem é preciso muito mais do que louvar a Deus.

Louvar o Senhor é mais importante para nós do que para Deus. Eu sei, é difícil de acreditar, mas é a realidade e você vai entender o porquê, agora.

A vaidade é uma característica humana. Nós, homens, atribuímos algum valor em estar por cima. Nosso ego infla com a admiração das pessoas até quando ela não é verdadeira e, sim, uma dissimulação por parte de quem pretende satisfazer seus interesses. Nós, humanos, gostamos de ser exaltados, nos orgulhamos de ouvir nossos nomes falados por muitos. Nos sentimos plenos com elogios. Queremos ser reconhecidos, famosos, adorados. Exatamente porque nos sentimos inferiores e quanto menores acreditamos que somos, mais superiores desejamos ser ou precisamos parecer.

Porém, superior mesmo é Deus. Ele tem o universo inteiro ao dispor de sua vontade, por isso, humildade é mais do que nosso corpo curvado em deferência aos céus. Ser humilde é, sim, tratar o outro de igual para igual. É perdoar, ser caridoso e gentil. Ajoelhar-se é fácil. Difícil é não ter raiva no coração ou fazer o bem sem ver a quem. Difícil é calar diante de uma ofensa e aceitar o próximo exatamente como ele nasceu.

Deus é muito grandioso para precisar de reconhecimento. Ele já nos deu as mãos que se juntam para orar, nos deu a voz que insiste em Lhe chamar, pernas para andar pelo caminho que construímos com nossos braços também dados por Ele. Temos um corpo perfeito. Deus nos deu tudo o que temos e Ele sabe disso. Nossa gratidão faz bem ao nosso coração e atrai mais dádivas as nossas vidas, mas Sua bondade é natural e desinteresseira. Ama seus filhos e sua criação sem ressalvas. Deseja que todos cresçam no amor, evoluam nas dificuldades e superem suas limitações. E, grande como o Senhor de todo o universo, Ele não espera nada em troca.

Deus não precisa de elogios, promessas nem rituais. Nós é que precisamos para manter nossa fé. Sua força é tão gigante que Ele pode acabar com todo o universo em um sopro. Por isso, Deus não tem cede de poder. Não quer dominar o mundo, do qual Ele próprio é o dono. E mesmo sendo o maior e único criador da existência, não tem dentro de si, qualquer necessidade de vangloriar-se ou envaidecer-se por sua criação. Porque isso é ser Deus.

Deus jamais, JAMAIS, ficaria satisfeito com o ódio entre as crenças ou pelas mortes que ocorrem em seu nome. Ele é o senhor da vida e das almas. Deu o livre arbítrio e criou a lei do retorno para que as pessoas fossem livres e tivessem a independência de moldar seu próprio destino, em vez de julgarem, crucificarem e interromperem a vida de seus semelhantes. Vida dada por Ele. Porque Deus também é o senhor do tempo e do espaço.

Para Deus, soberano em sua majestosa providência, não importa tanto a crença dos homens em Si, mas a atitude deles perante Sua criação. Nas leis do Nosso Criador, mais vale aquele que mesmo não acreditando em um criador deseja do fundo do seu coração ver o seu próximo feliz, enquanto um devoto do Senhor que deseja o mal a seu semelhante, usa-O com véu para ocultar sua verdadeira face, a da maldade. Porque não adianta falar lindas palavras para os céus e mal dizer o próximo. Não adianta devotar sua vida a Ele se não olhar para os necessitados ao seu redor. De nada adianta amar a Deus, sem ter amor por toda a sua criação.

Ele não enviou Jesus à Terra para que apenas escutássemos sua palavra. Deus mandou seu filho até nós, para que aprendêssemos suas atitudes e as levasse adiante, mesmo que mudos, porque a palavra até pode ser usada para envaidecer o homem e falar bonito sobre Deus, mas são só as boas atitudes que nos colocam, verdadeiramente, no amor Dele.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Luciano Cazz
"Luciano Cazz é publicitário, ator, roteirista e autor do livro A Tempestade depois do Arco-íris."

COMENTÁRIOS