Pais emocionalmente ausentes causam danos silenciosos.

Os efeitos de pais emocionalmente ausentes: Em geral, eles privam seus filhos da possibilidade de construir relacionamentos íntimos e valiosos com os outros. Além disso, semeiam nos pequenos a tristeza e o medo do contato social.

Pais emocionalmente ausentes causam danos silenciosos, mas não são menos graves do que outras formas de abuso e negligência.

Essas circunstâncias deixam vestígios que geralmente permanecem ao longo da vida. As pessoas afetadas podem superar amplamente essa situação, mas nunca completamente.

Quando falamos de pais emocionalmente ausentes, nos referimos àqueles pais que não estabelecem uma ligação emocional e afetiva com seus filhos. Eles estão fisicamente presentes, mas emocionalmente muito distantes.

Isso se expressa em comportamentos como autoritarismo, indolência, falta de disponibilidade, irresponsabilidade, controle excessivo ou comportamento vingativo. Tudo isso causa várias formas de sofrimento e carência em seus filhos, e molda negativamente seu futuro.

Os principais efeitos de pais emocionalmente ausentes são os seguintes.

“O que é uma criança negligenciada? Ele é uma criança não planejada e indesejada. O abandono começa, portanto, antes de nascer”.-Pérola Buck-

Pais emocionalmente ausentes criam uma sensação de desesperança e desconexão.

1. Atitude defensiva

Um dos mecanismos de enfrentamento para pais emocionalmente ausentes é desenvolver atitudes defensivas. Isso geralmente se manifesta como desconfiança e ceticismo. Não querem acreditar em nada nem em ninguém, porque também não querem se decepcionar.

Essa dificuldade em confiar nos outros também pode se traduzir em grande insegurança que facilmente produz, por exemplo, ciúme e inveja. Eles também são muito vulneráveis ​​a se sentirem ignorados, e é por isso que têm dificuldade em construir relacionamentos valiosos e genuínos.

2. Medo do amor e do apego

As pessoas que cresceram com pais emocionalmente ausentes aprendem a identificar o amor com a ameaça. Eles partem da premissa de que o amor dói. Eles sabem que o amor também traz alegria, mas isso os faz sentir que este é um terreno perigoso.

É muito comum que esse traço de ausência os leve a se tornarem pessoas distantes, quando não herméticas. Eles não permitem que ninguém os conheça e veem a proximidade dos outros como um risco do qual devem ficar longe se não quiserem sofrer.

3. Narcisismo

Muitas vezes a falta de auto-estima é compensada com narcisismo. O primeiro é um sentimento de apreço e apreço por quem somos. A segunda é uma ideia artificial em que se constrói a fantasia de que um é superior ou melhor que os outros.

É um mecanismo compensatório: onde há um vazio de amor verdadeiro, ele é preenchido com aquela forma de falso amor-próprio (narcisismo). Essa característica pode tornar uma pessoa indolente com os outros e até cruel.

4. Egoísmo

O egoísmo se manifesta como uma dificuldade em aceitar que os outros estão bem quando um não está. Nem sempre é expresso de maneira óbvia, mas muitas vezes assume formas sutis. Este é um traço muito comum em pessoas que cresceram com pais emocionalmente ausentes.

No cerne do egoísmo está um sentimento de carência ou pobreza . A pessoa sente que se der de si mesma, ficará sem nada. Não se refere apenas a objetos materiais, mas também a objetos subjetivos. Essas pessoas têm dificuldade em dar e dar, pois vivenciam isso como uma perda e não como uma forma de construir o bem-estar comum.

5. Vícios

Não é incomum que filhos de pais emocionalmente ausentes se envolvam em comportamentos de evitação. As substâncias psicoativas muitas vezes lhes proporcionam o aparente bem-estar que eles sabem que não têm.

Para eles é muito fácil cair em vícios, pois estes lhes “fornecem” uma experiência de fuga, o que é gratificante quando não podem experimentar a alegria de viver. Como se sabe, esta é uma situação que só leva à autodestruição gradual.

O uso de substâncias funciona como um mecanismo de fuga de uma realidade que dói.

6. Problemas de identidade

Os pais são a base para a construção de uma escala de valores. Por sua vez, uma escala de valores é um dos fatores decisivos para orientar as ações. Se uma conexão emocional e afetiva com os pais nunca foi estabelecida, muitas vezes também há confusão sobre o que é certo ou errado.

A desconfiança dos outros, o egoísmo e o medo impedem o desenvolvimento moral genuíno. Sem isso, as pessoas não têm um objetivo definido e não têm parâmetros claros para orientar seu comportamento.

7. Falta de esperança

Pais emocionalmente ausentes também deixam uma marca de desesperança em seus filhos. Muitas vezes eles dão origem a crianças tristes que muitas vezes sentem que a vida não tem valor. Eles não confiam em suas próprias habilidades e, portanto, veem o futuro como algo assustador.

Como você pode ver, pais emocionalmente ausentes deixam marcas profundas em seus filhos.

O normal é que esse tipo de situação só pode ser compreendida e superada por meio da psicoterapia. É possível deixar essa marca para trás, derrotando os possíveis fantasmas que o passado parecia impor buscando ajuda terapeutica e expandindo a consciência.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LLM. Foto de Nathan Dumlao no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia