Os principais sintomas da Depressão

Recomenda-se buscar sempre a ajuda de um especialista.

Resiliência Humana

Uma das melhores maneiras de começar a entender se você está com depressão é procurar a reconhecer os seus sintomas. E, claro, a qualquer dúvida ou suspeita mais apurada, recomenda-se buscar sempre a ajuda de um especialista.

Mas talvez o primeiro – e mais importante – passo seja a fase de identificação destes sintomas. Leia as próximas linhas com muita atenção e veja se estas características ajudarão você a descobrir se pode estar sofrendo de depressão.

Acredite, às vezes pode ser que o que você tenha não seja nem uma depressão (o que é muito bom!). Pode ser apenas um episódio de tristeza ou de angústia, pontual e que logo se resolverá.

De qualquer maneira, este livro te ajudará a tratar da tristeza e da angústia de um modo geral e você verá como a FÉ é capaz de produzir um verdadeiro estado de alegria, de motivação e de entusiasmo.

Talvez com receio de estar com depressão, talvez por ter algum amigo ou parente sofrendo deste mal, talvez por apenas suspeitar que algum conhecido seu esteja passando por isso.

Preste bem atenção agora. Analise cada sintoma com cuidado e veja se realmente eles se enquadram no que você – ou alguém que você conhece – sente (esperamos que não):

Vamos falar primeiro dos sintomas naturais

De acordo com a Revista Brasileira de Psiquiatria, alguns dos principais sintomas
psíquicos são:

Humor depressivo: sensação de tristeza, autodesvalorização e sentimentos de
culpa.
Redução da capacidade de experimentar prazer na maior parte das atividades,
antes consideradas como agradáveis.
Fadiga ou sensação de perda de energia.
● Diminuição da capacidade de pensar, de se concentrar ou de tomar decisões. Dos naturais, são sintomas fisiológicos:
Alterações do sono (mais frequentemente insônia, podendo ocorrer também hiper sonolência).
Alterações do apetite (mais comumente perda do apetite, podendo ocorrer também
aumento do apetite) – (fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-
44461999000500003&script=sci_arttext )
PORÉM: ainda há muitos outros sintomas possíveis, em casos mais ou menos peculiares, dependendo da pessoa ou de outras condições.

Os sintomas mais cruéis são os espirituais. Quando uma tristeza sem fim parece cavar
um abismo dentro do peito. Quando os sentimentos de SOLIDÃO, ANGÚSTIA,
DESESPERO, RANCOR, parecem enterrar os de amor, esperança e de fé. É aí que mora
o perigo.

Os males da alma são bem mais destruidores do que qualquer outro tipo de mal. Foi isso
que Nosso Senhor Jesus Cristo afirmou: Que servirá a um homem ganhar o mundo inteiro, se vem a prejudicar a sua alma? Ou que dará um homem em troca de sua alma? (Mateus 16, 26).

Por isso que para um católico a coisa mais importante da vida é a Salvação da Alma, seguindo os Mandamentos Deus e da Igreja. E o que isso significa? Trata-se de um alerta.

Um alerta para o fato de que se não curarmos a depressão, não sanarmos aquela tristeza incessante, podemos beirar o desespero e nos afastar lentamente da misericórdia de
Deus.

Por isso, São Francisco de Assis (conhecido também como Pai dos Pobres) chamava a tristeza de “doença babilônica”. “Francisco fugia da tristeza com horror: ela quebra o fervor da alma; torna-a indolente e lança-a no desânimo.

Considerava a tristeza maldita, como uma das tentações sutis onde se esconde a perfídia do demônio…”.

São Francisco queria dizer que a tristeza tira o seu fervor para a oração, afinal, por causa
dela, acaba-se rezando menos vezes e com menos piedade.

A tristeza ABALA a sua vontade de rezar. E isso vai se dando por meio de mudanças simples, que vão se tornando imperceptíveis na sua vida. Aquela vontade de fazer tal coisa
simplesmente vai fi cando para trás.

Por exemplo: você diminui a frequência com que vai às Missas e aos Sacramentos, esmorece suas orações e vai perdendo suas forças até o momento de sentir uma revolta particular para com Deus (mesmo que sutilmente ou esporadicamente).

E são essas pequenas coisas, que vão se perdendo lentamente, que poderiam lhe ajudar a CURAR uma depressão.

A tristeza é inimiga de uma alma devota, essa que é a verdade. Ela pode fazer não só a pessoa perder uma alegria na vida, mas também a sua Fé e a sua alma… Não se pode deixar a tristeza vencer!

“Está triste algum de vós? Faça oração”. (São Tiago 5, 13)

Este é o remédio BÁSICO para a cura de qualquer doença da alma, inclusive a tristeza, dando com isso um duro golpe na depressão.

Persista!

A persistência na Oração e em todos os atos de piedade (como ir à Missa, frequentar a Sagrada Eucaristia, confessar-se, etc.) São armas eficientíssimas para combater todas as inquietações da alma – a tristeza, a depressão.

“Todos os pensamentos que nos trazem inquietação não são de Deus, príncipe da paz, mas nascem sempre ou do demônio ou do amor próprio ou da estima de nós mesmos.” (São Francisco de Sales).

Veja bem, quem afirma isso não sou eu, outra pessoa qualquer ou algum amigo seu. Quem
atesta isso são os Santos e Doutores da Igreja, como São Francisco de Sales.

Por exemplo, preste atenção no que disse Santa Teresa de Ávila, conhecida como Mestra da Espiritualidade e que foi proclamada “Doutora da Igreja” em 1970 pelo papa Paulo VI: “Em tempos de tristeza e de inquietação, não abandones nem as boas obras de oração, nem a
penitência a que estás habituada. Antes, intensifi ca-as. E verás com que prontidão o Senhor te sustentará” (Santa Teresa de Ávila).

É um pensamento firme e ao mesmo tempo lindo, não é?

Pois aqui chegamos a uma parada importante desta jornada de combate à depressão.

O que muita gente não se dá conta é que existe uma ARMA poderosa, disponível 24 horas por dia, pronta para proteger e curar.

E esta é sem sombra de dúvidas a principal arma do cristão: A ORAÇÃO.

A oração é um canal direto com Nosso Senhor Jesus Cristo. É um fi o condutor até Ele. Sem falhas. E mais, a oração defenderá você das investidas daquele que só lucra com a
depressão e que, muitas vezes, está produzindo boa parte desses sintomas: o demônio.

Mas, calma, não é preciso temer! Recorramos novamente ao que nos alerta Santo Agostinho, importante Doutor da Igreja: “Nada estará perdido enquanto estivermos em busca” (Santo Agostinho).

Vamos então, juntos, continuar nesta busca da cura da depressão? Os resultados podem ser surpreendentes.

Está pronto para continuar a jornada? Vamos ver no próximo capítulo como são curadas as causas espirituais da depressão. Que bom seria se tivessem comprimidos que as resolvessem… Mas não têm. Os remédios que veremos não se guardam em pílulas.

Texto retirado do livro: Basta de Depressão, por Knowload

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia