Os 3 tipos de arrogância, de acordo com a ciência

Resiliência Humana
Businessman with crown sitting at desk

Ao longo da história, a arrogância assumiu muitas formas. A batalha das Termópilas é um dos exemplos mais recorrentes, já que o poderoso rei Xerxes, eu tive que pagar o preço por supervalorizar sua força e menosprezar o valor estratégico da coragem e astúcia dos gregos.

O naufrágio do Titanic se tornou outro exemplo mítico, não apenas de falha tecnológica, mas também de quão falacioso era o espírito de invulnerabilidade característico da época, um espírito que afirmava que esse luxuoso navio era absolutamente inafundável. A vida mostrou-lhes da pior maneira que todos e tudo são vulneráveis.

No entanto, às vezes você não precisa procurar muito na história, basta olhar em volta para entender que ainda existe arrogância.

O que é arrogância?

Arrogância é uma crença de superioridade acompanhada de uma autoestima exagerada – geralmente inflada artificialmente – que se manifesta através de reivindicações excessivas e presunçosas.

A pessoa arrogante geralmente age como se fosse melhor que os outros e anseia por ser admirada e respeitada por suas qualidades especiais e / ou grandes realizações. No fundo, a arrogância implica um desejo de dominar os outros e uma confiança excessiva nas próprias habilidades, considerando-se digno de ser mais bem-sucedido que os outros.

Tipos de arrogância

Psicólogos da Universidade do Missouri analisaram os estudos realizados até agora sobre arrogância e afirmam que somos todos arrogantes – até certo ponto – embora não gostemos de reconhecê-lo. De fato, um estudo realizado na Universidade de Yale descobriu que atitudes arrogantes começam a se desenvolver muito cedo na vida.

Esses pesquisadores confirmaram que crianças entre 5 e 7 anos de idade começam a mostrar sinais de pensamento arrogante porque acreditam que sabem mais sobre adultos. O habitual é que, em algum momento do desenvolvimento, essa postura egocêntrica seja atenuada, pois formamos uma imagem mais objetiva e realista de nós mesmos e do mundo.

No entanto, em geral, poderíamos nos referir a um continuum de arrogância, representado da seguinte maneira:

Segundo os psicólogos da Universidade do Missouri, existem três tipos de arrogância:

  1. Arrogância individual: É uma opinião inflada sobre as próprias habilidades, características ou realizações que não se encaixa na realidade. Implica ampliar nossos resultados e exagerar nossas competências, o que leva a uma imagem distorcida de nós mesmos.
  2. Arrogância comparativa: É uma classificação inflada das próprias habilidades, características ou realizações em comparação com as de outras pessoas. Esse tipo de arrogância não se limita ao exagero da autoimagem, mas também implica uma visão distorcida dos outros.
  3. Arrogância antagônica: É o ponto culminante da arrogância, pois implica a difamação de outros com base em uma suposição de superioridade. A pessoa arrogante não apenas se considera superior, mas também pensa que os outros são inferiores e age como tal, frequentemente os humilhando ou ignorando.

Quando a arrogância não é mitigada, mas cresce, geralmente é um mecanismo compensatório que esconde grande insegurança. Também pode atuar como uma espécie de mecanismo de defesa para proteger uma autoestima frágil. Na prática, essas pessoas temem a rejeição e assumem uma atitude arrogante e arrogante. Eles rejeitam e distanciam os outros para impedir que outros os rejeitem.

Em outros casos, a arrogância pode advir de verdadeiras conquistas. Geralmente, são pessoas que tiveram sucesso onde outras falharam, então elas começam a supervalorizar suas habilidades e logo começam a sofrer uma espécie de complexo do Super-Homem.

Qualquer que seja a fonte da arrogância, devemos ter em mente que uma imagem inflada de nós mesmos, que não se encaixa na realidade, pode criar mais problemas do que resolve. Um estudo realizado na Michigan State University revelou que pessoas arrogantes geralmente atacam outras pessoas, têm maior probabilidade de responder com raiva, são cruéis e difíceis de lidar. E essas características não facilitam a vida.

Fontes:

Cowan, N. et. Al. (2019) Fundamentos da arrogância: uma ampla pesquisa e estrutura para a pesquisa. Revisão de Psicologia Geral ; 108926801987713.

Lockhart, KL et. Al. (2017) Super otimismo sobre o conhecimento futuro: arrogância precoce? O Jornal de Psicologia Positiva; 12 (1): 36-46.

Johnson, RE (2010) Atuando superior, mas na verdade inferior? Correlatos e consequências da arrogância no local de trabalho. Desempenho humano; 23: 403-427.

 

Texto originalmente publicado no Ricón de la Psicología, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia