O trauma não é sua culpa, mas a cura é sua responsabilidade

Resiliência Humana

O trauma não é sua culpa, mas a cura é sua responsabilidade!

Por Brianna Wiest

O que aconteceu com você não foi sua culpa.Não foi algo que você pediu, não foi algo que você mereceu.

O que aconteceu com você não foi justo. Você foi apenas um dano colateral no caminho de guerra de outra pessoa, um espectador inocente que foi destruído por proximidade.

Todos nós estamos traumatizados pela vida, alguns de nós por más ações, outros por dores não processadas e emoções marginalizadas. Independentemente da fonte, todos nós recebemos um jogo de cartas e, às vezes, elas não são uma mão vencedora.

No entanto, o que não podemos esquecer é que, mesmo quando não temos culpa, a cura resultante sempre cairá sobre nós – e, em vez de sermos sobrecarregados por isso, podemos realmente aprender a vê-la como um presente raro.

A cura é nossa responsabilidade, porque, se não for, uma circunstância injusta se torna uma vida não vivida.

A cura é nossa responsabilidade, porque a dor não processada é transferida para todos ao nosso redor, e não vamos permitir que o que alguém nos fez se torne o que fazemos com aqueles que amamos.

A cura é nossa responsabilidade, porque temos só essa vida, esse único tiro para fazer algo importante.

A cura é nossa responsabilidade, porque se queremos que nossa vida seja diferente, ficar sentado e esperar que alguém os faça assim não os mudará. Isso apenas nos tornará dependentes e amargos.

A cura é nossa responsabilidade, porque temos o poder de curar a nós mesmos, mesmo que tenhamos sido levados a acreditar que não.

A cura é nossa responsabilidade, porque estamos desconfortáveis, e o desconforto quase sempre indica um lugar na vida em que estamos programados para nos elevarmos e transformarmos.

A cura é nossa responsabilidade, porque todas as grandes pessoas que você admira profundamente começam com todas as coisas estranhas contra elas, e aprendem que seu poder interior não é páreo para o pior do que a vida poderia oferecer.

A cura é nossa responsabilidade, porque “curar” na verdade não é retornar a como e quem éramos antes, está se tornando alguém que nunca fomos – alguém mais forte, alguém mais sábio, alguém mais gentil.

Quando nos curamos, entramos nas pessoas que sempre quisemos ser.

Não somos apenas capazes de metabolizar a dor, somos capazes de afetar mudanças reais em nossas vidas, em nossas famílias e em nossas comunidades.

Somos capazes de perseguir nossos sonhos mais livremente.

Somos capazes de lidar com o que a vida nos joga, porque somos auto-eficientes e seguros.

Estamos mais dispostos a ousar, arriscar e sonhar com horizontes mais amplos, que nunca imaginamos alcançar.

O fato é que, quando alguém faz algo errado e isso nos afeta, geralmente ficamos esperando que eles aliviem a dor, como se pudessem aparecer e desfazer o que foi feito.

Não percebemos que nessa mágoa estão as lições mais importantes de nossas vidas, o terreno fértil para o qual podemos começar a construir tudo o que realmente queremos.

Não devemos passar ilesos pela vida.

Não estamos destinados a chegar à linha de chegada sem danos, limpos e entediados.

A vida machuca a todos nós de maneiras diferentes, mas é como reagimos – e quem nos tornamos – que determina se um trauma se torna uma tragédia ou o início de uma história surpreendente de como a vítima se tornou o herói.

*Via Thought Catalog. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia