O segredo para alcançar a felicidade plena é ajudar os outros, diz pesquisa

Resiliência Humana

Você conhece o segredo para a felicidade que está ajudando milhares de pessoas?

Por Jenny Santi

Há um ditado chinês que diz: “Se você quer felicidade por uma hora, tire um cochilo. Se você quer felicidade por um dia, vá pescar. Se você quer felicidade por um ano, herde uma fortuna. Se você quer felicidade por toda a vida, ajude alguém ”.

Por séculos, os maiores pensadores sugeriram a mesma coisa: a felicidade é encontrada na caridade, em ajudar os outros.

Pois é, dando que recebemos – São Francisco de Assis

O único significado da vida é servir a humanidade – Leo Tolstoy

Nós ganhamos a vida com o que conseguimos; nós fazemos uma vida pelo que damos – Winston Churchill

Ganhar dinheiro é uma felicidade; fazer outras pessoas felizes é uma super felicidade – o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus

Dar de volta é tão bom para você quanto para aqueles que você está ajudando, porque dar lhe dá propósito. Quando você tem uma vida voltada para propósitos, você é uma pessoa mais feliz – Goldie Hawn

E assim aprendemos cedo: É melhor dar do que receber. O venerável aforismo é tamborilado em nossas cabeças a partir de nossa primeira fatia de um bolo de aniversário compartilhado. Mas há uma verdade mais profunda por trás do altruísmo?

A resposta retumbante é sim.

Pesquisas científicas fornecem dados convincentes para apoiar a evidência anedótica de que dar é um caminho poderoso para o crescimento pessoal e a felicidade duradoura.

Através da tecnologia de ressonância magnética funcional, sabemos agora que há doação ativa as mesmas partes do cérebro que são estimuladas pela comida e pelo sexo.

Experimentos mostram evidências de que o altruísmo é programado no cérebro – e é prazeroso.

Ajudar os outros pode ser o segredo para viver uma vida que não é apenas mais feliz, mas também mais saudável, mais rica, mais produtiva e significativa.

Mas é importante lembrar que dar nem sempre é ótimo. O oposto poderia muito bem ser verdade: dar pode nos fazer sentir esgotados e aproveitados.

Aqui estão algumas dicas para ajudar você a não dar até doer, mas até que fique ótimo:

1. Encontre sua paixão

Nossa paixão deve ser a base para nossa doação. Não é o quanto damos, mas quanto amor temos para dar. É natural que uns preocupemos com isso e outros não tanto, e tudo bem. Não deveria ser simplesmente uma questão de escolher a coisa certa, mas também uma questão de escolher o que é certo para nós.

2. Dê o seu tempo

O dom do tempo é muitas vezes mais valioso para o receptor e mais satisfatório para o doador do que o presente do dinheiro. Nem todos temos a mesma quantia de dinheiro, mas todos nós temos tempo em nossas mãos, e podemos dar um pouco desse tempo para ajudar os outros – se isso significa que dedicamos nossas vidas ao serviço, ou apenas damos algumas horas a cada dia, ou alguns dias por ano.

3. Dar às organizações metas e resultados transparentes

Segundo o cientista de Harvard Michael Norton, “Dar a uma causa que especifica o que eles vão fazer com o seu dinheiro leva a uma felicidade ainda maior do que dar a uma causa desconhecida onde você não tem certeza de onde seu dinheiro está indo.”

4. Encontre maneiras de integrar seus interesses e habilidades com as necessidades dos outros

“A doação sem egoísmo, na ausência de instintos de autopreservação, facilmente se torna esmagadora”, diz Adam Grant, autor de Give & Take . É importante ser “alheio”, que ele define como disposto a dar mais do que você recebe, mas ainda mantendo seus próprios interesses à vista.

5. Seja proativo, não reativo

Todos nós sentimos o medo que vem de sermos persuadidos a dar, como quando os amigos nos pedem para doar para seus captadores de recursos. Nesses casos, estamos mais propensos a evitar a humilhação do que por generosidade e preocupação. Esse tipo de doação não leva a um sentimento de brilho quente; mais provavelmente levará ao ressentimento. Em vez disso, devemos reservar um tempo, pensar nas nossas opções e encontrar a melhor caridade para os nossos valores.

6. Não se deixe enganar pela culpa

Não quero desencorajar as pessoas a encabeçarem boas causas só porque isso nem sempre nos anima. Se dermos apenas para obter algo de volta, que mundo terrível e oportunista seria!

No entanto, se estamos nos sentindo culpados em dar, há grandes chances de que não estamos muito comprometidos com a causa.

A chave é encontrar a abordagem que nos cabe. Quando fazemos isso, quanto mais damos, mais ficamos para obter propósito, significado e felicidade – todas as coisas que procuramos na vida, mas que são tão difíceis de encontrar estão ali.

Jenny Santi é consultora em filantropia e autora do livro The Giving Way to Happiness: Histórias e ciência por trás do poder transformador da vida de dar

**Texto originalmente publicado em Time, livremente traduzido e adaptado por Iara Fonseca

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia