O sangue nos faz parentes, mas a lealdade nos torna uma família

Resiliência Humana

Por: La mente es maravillosa

Nós viemos a este mundo como se tivéssemos caído de uma chaminé. Neste instante, vivemos unidos e ligados a um número de pessoas com quem compartimos o mesmo sangue, mesmos genes. Uma família que nos fará encaixar em seus mundos particulares, em seus modelos educacionais, que tentarão incutir seus valores, mais ou menos bem sucedidos …

Todo mundo tem uma família. Ter uma é algo fácil: todos nós temos uma origem e raízes. No entanto, manter uma família e saber como construí-la, alimentando o vinculo todos os dias para que seja unida é mais complicado.

Todos nós temos mães, pais, irmãos, tios… Às vezes grandes núcleos parentais com membros que, possivelmente, deixamos de ver e tratar. Devemos nos sentir culpados por isso?

A verdade é que às vezes sentia quase uma obrigação “moral” para se dar bem com este primo com quem compartilhamos tão poucos interesses, e tantos deslizes nos fez toda a nossa vida. Talvez sangremos, mas a vida não se encaixa todas as partes, de modo que se afastar ou manter um tratamento justo e oportuno não deve trazer traumas.

Agora, o que acontece quando falamos sobre a família mais próxima? De nossos pais ou irmãos?

O vinculo vai além do sangue

Às vezes, você pensa que ser uma família significa compartilhar mais do que sangue ou uma árvore genealógica. Algumas pessoas quase inconscientemente acreditam que uma criança deve ter os mesmos valores que os pais, compartilhar a mesma ideologia e ter um padrão similar de comportamento.

Há pais e mães que se surpreendem com o quanto os irmãos são diferentes um do outro … Como pode ser se todos são filhos do mesmo ventre? É como se dentro do núcleo familiar houvesse uma harmonia explícita , onde não houvesse diferenças excessivas, em que ninguém deveria deixar o “padrão” e tudo é controlado e em ordem.

Agora, algo que devemos ter claro é que nossa personalidade não é transmitida geneticamente em 100%, algumas características podem ser herdadas e, sem dúvidas, viver em um ambiente compartilhado nos fará compartilhar uma série de dimensões. Mas as crianças não são moldes dos pais, nem vão conseguir que os filhos sejam como suas expectativas.

A personalidade é dinâmica, construída dia a dia e não aborda as barreiras que às vezes pais e mães tentam criar. A partir daí, são as ocasiões que aparecem as decepções habituais, os confrontos, os desentendimentos …

Para criar um vínculo forte e seguro no nível da família, as diferenças devem ser respeitadas, promovendo a independência e a segurança. Devemos respeitar a essência de cada pessoa em sua maravilhosa individualidade, sem colocar fio, sem punir toda palavra e todo comportamento…

Chaves para as famílias que vivem em harmonia

Às vezes, muitos pais vêem seus filhos se afastarem de casa e da família sem mais ter contato. Há irmãos que param de conversar um com o outro e famílias que observam quantas cadeiras vazias estão quietas na sala de estar da casa.

A que se deve? É claro que cada família é um mundo, um micro mundo com suas diretrizes, suas crenças e, por sua vez, com aquelas que são rebaixadas, onde apenas elas mesmas sabem o que aconteceu no passado e como o presente é vivido. No entanto, podemos falar sobre alguns eixos básicos que devem nos fazer refletir.

  • A educação visa dar ao mundo pessoas autoconfiantes, capazes e independentes, para que possam alcançar sua felicidade e, por sua vez, saber como oferecê-la aos outros. Como isso é conseguido? Oferecendo um amor sincero que não imponha e que não controle. Um amor que não sanciona como alguém é, pensa ou age.
  • Não devemos sempre culpar os outros pelo que acontece conosco. Não culpe a mãe ou o pai que hoje ainda se sente insegura e incapaz de fazer certas coisas. Ou aquele irmão que talvez fosse sempre atendido ou cuidado melhor do que nós.

É claro que na hora da educação sempre cometemos erros. Mas também temos de assumir o controle de nossas vidas, e saber como reagir, de ter uma voz ,de dizer não, e acho que podemos assumir com segurança e amadurecer novos projetos, novos sonhos sem ser escravos de memórias familiares de ontem.

Ser uma família não significa sempre compartilhar as mesmas opiniões e pontos de vista. E não por essa razão que temos que julgar, sancionar e até menos desprezar. Comportamentos como esses criam distâncias e facilitam a localização de amigos no dia a dia do que a família.

Às vezes temos a “obrigação moral” de manter contato com os parentes que nos ferem, que nos fazem sentir desconfortáveis, que nos punem.

Eles são familiares, sem dúvida, mas devemos ter em mente que o que realmente importa nesta vida é ser feliz e ter um equilíbrio interno. Uma paz interior. Se isso ou aqueles parentes violam nossos direitos, devemos colocar distância.

A maior virtude de uma família é aceitar uns aos outros como eles são, em harmonia, com afeição e com respeito.

Texto originalmente publicado no La mente es maravillosa , livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia