O real motivo da ligação de amizade do homem com os caninos

Fabiano de Abreu

O real motivo da ligação de amizade do homem com os caninos!

Todos sabemos que os cães e os homens possuem uma amizade muito antiga, uma cooperação que vem de tempos remotos onde precisávamos deles tanto quanto eles precisavam de nós.

Foi descoberto o que poderia ser o cão mais antigo do mundo. O corpo foi encontrado no Verão de 2018 na terra congelada perto do rio Indigirka, no nordeste da cidade de Yakutsk, na Sibéria. Uma zona que se mantém congelada por milhares de anos.

Os testes ainda não confirmaram se é um cão ou um lobo mas, os indícios levam a crer que é sim um cão.

A história que resultou nesta grande amizade entre o homem e os caninos:

Na pré-história, os lobos e os homens começaram uma amizade de troca, onde o cão se beneficiava do resto dos alimentos do homem e o homem usava o cão para ajudar na caça.

Ao longo dos anos esta amizade estreitou-se a um ponto em que o cão tornou-se não só dependente, mas o admirador número um do homem, e nós depositamos no cão a cura da nossa carência como uma companhia fiel.

Ao observar meu cão e compará-lo ao meu gato, é nítida a dependência que o meu cão tem assim como o quanto o gato é interesseiro. Nós educamos os lobos para que hoje se tornassem cães totalmente dependentes de nós.

Este sentimento do cão foi formatado por milhares de anos, dentro de uma memória primitiva genética que fez com que o cão, em seu cognitivo, já nascesse esperando do homem o motivo de seu caminho, da sua trajetória de vida.

Diferente dos lobos que continuam com sua genética primitiva, mas que não são difíceis de serem domesticados, assim como na pré-história.

Eu sou pai do Floki, um Spitz alemão original da primeira raça que se parece com um mini lobo. Gosto tanto da história canina e o que eles representam, que escolhi um mini lobo há dois anos atrás.

Ele anda solto e vai aos vizinhos e depois volta. Tem todo o espaço necessário e o amor da família para ser feliz. Observo o seu comportamento e procuro meios que avaliem a condição de sua memória primitiva assim como a sua consciência.

Os relapsos primitivos são instintivos mas a consciência da preocupação com o ser humano sempre prevalece. A não ser que tenha uma cadela que o faça ficar inconsciente(risos).

*texto de Fabiano de Abreu – Doutor e Mestre em Psicologia da Saúde pela Université Libre des Sciences de l’Homme de Paris; Doutor e Mestre em Ciências da Saúde na área de Psicologia e Neurociência pela Emil Brunner World University;Mestre em psicanálise pelo Instituto e Faculdade Gaio,Unesco; Pós-Graduação em Neuropsicologia pela Cognos de Portugal;Três Pós-Graduações em neurociência,cognitiva, infantil, aprendizagem pela Faveni; Especialização em propriedade elétrica dos Neurônios em Harvard;Especialista em Nutrição Clínica pela TrainingHouse de Portugal.Neurocientista, Neuropsicólogo,Psicólogo,Psicanalista, Jornalista e Filósofo integrante da SPN – Sociedade Portuguesa de Neurociências – 814, da SBNEC – Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento – 6028488 e da FENS – Federation of European Neuroscience Societies-PT30079.
E-mail: deabreu.fabiano@gmail.com

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.