O que te adoece não é o que vem de fora, mas o que você sente dentro.

Você se sente fatigado, talvez um pouco deprimido, com menos fome do que o normal, mais facilmente enjoado e talvez mais sensível à dor e ao frio. O sintoma de mal-estar engloba alguns dos sentimentos que acompanham o estar doente.

Um desses sentimentos é o da vergonha de si mesmo: a auto-culpa pode literalmente deixá-lo doente.

Embora, em algum momento, todos se sintam culpados por alguma coisa, a culpa não é tão provável de nos deixar doentes quanto a vergonha. Especialistas dizem que isso ocorre porque os humanos desenvolveram maneiras internas de lidar com essa emoção e reduzir o estresse que vem com ela. Sem essa válvula de liberação, o estresse pode afetar os níveis hormonais controlados pelo cérebro e causar estragos no sistema imunológico.

Um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) demonstrou recentemente o ciclo vicioso da vergonha e da doença ao inscrever um grupo de estudantes de pós-graduação em um estudo para examinar como suas opiniões sobre si mesmos afetam seus sistemas imunológicos. Eles pediram a 31 alunos que escrevessem sobre experiências traumáticas ou emocionais pelas quais se culpavam; 18 outros foram convidados a escrever sobre experiências que não evocavam culpa ou vergonha.

Os resultados da investigação foram apresentados na semana passada em uma reunião da American Psychosomatic Society em Monterey, Califórnia.

Os pesquisadores, liderados pela estudante de doutorado em psicologia social da UCLA Sally Dickerson, dizem que os participantes que escreveram sobre experiências neutras e aqueles que se sentiram culpados por sua experiência não mostraram mudanças físicas mensuráveis ​​que pudessem deixá-los doentes. No entanto, os alunos que sentiram vergonha pelos incidentes sobre os quais escreveram mostraram um aumento na atividade das citocinas, conforme medido por exames de sangue.

As citocinas são sinais corporais de inflamação, indicando que um processo de doença pode estar em andamento.

“As pessoas que sentiram mais vergonha tiveram a maior elevação da atividade das citocinas”, diz Dickerson ao WebMD. “Mas não sabemos, neste momento, que efeito a longo prazo a vergonha pode ter nas mudanças fisiológicas. Não está claro se isso tem um papel no processo da doença.”

Essas descobertas não são surpreendentes, diz a psicóloga clínica Mary Turner, PhD, que aconselha pessoas com doenças crônicas e terminais, vítimas de crimes violentos e criminosos.

Por causa de pesquisas anteriores, sabemos que a vergonha está ligada ao estresse – principalmente quando você sente que não tem poder, habilidade, conhecimento ou capacidade para lidar com um evento – esse estresse pode afetar o sistema imunológico humano.

A vergonha, diz Turner, ocorre quando as pessoas recebem mensagens negativas – seja internamente ou de outras pessoas, levando-as a acreditar que são uma pessoa ruim ou defeituosa, incapaz de mudar esse déficit. E quando você leva em consideração os sentimentos de desamparo e impotência que geralmente acompanham a vergonha, não é surpresa que ela produza altos níveis de hormônios relacionados ao estresse, diz Turner, que também ensina meio período no Centro Médico Sudoeste da Universidade do Texas, em Dallas.

“Então, por razões de saúde física e mental, é importante entender a natureza da vergonha e da culpa e desenvolver habilidades de enfrentamento boas, fortes e eficazes”, diz ela. E para as pessoas que abrigam esses pensamentos autodepreciativos, a terapia é fundamental para ajudar a reverter crenças negativas e desenvolver estratégias de enfrentamento.

Não são os outros ou algo de fora que te deixa doente, mas como você se sente diante de tudo que te acontece. Se você está constantemente sendo afetado por doenças, você precisa buscar ajuda para aprender a lidar com as suas emoções. Me chame no direct @rhamuche, eu posso te ajudar.

DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar. Fonte: Webmd

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.