O que está por trás da crise dos 30 anos?

Resiliência Humana

O que está por trás da crise dos 30 anos?

Por Daniela Alós

«O que está acontecendo com você», «Quando você vai se casar?», «Logo os filhos chegarão …», «Na sua idade, você deve parar de…» são expressões típicas que toda pessoa começa a ouvir a partir dos trinta anos.

Parece que as demandas de outras pessoas em relação ao que deve ser tido ou não nessa idade aumentam e, com isso, dúvidas, medos e preocupações, às vezes causando a famosa crise dos anos trinta.

Uma casa própria, um relacionamento estável, um emprego fixo e empolgante, além de ter filhos e fazer escapadas, é o retrato ideal que a sociedade define para uma pessoa com trinta anos.

Uma imagem criada a partir de preceitos sociais que atendem e marcam um caminho a seguir e que as pessoas ao nosso redor são responsáveis ​​por nos lembrar.

Como podemos ver, poderíamos dizer que a crise dos 30 tem muito mais a ver com a cultura de uma sociedade e seu sistema de pressão social do que com os trinta anos em si.

Ao não atender às expectativas sociais, a angústia e a frustração aparecem como resultado do “dever”, apesar de não ser necessariamente o que a pessoa deseja.

Eu já deveria ter …

Que frase pequena e pesada, você não acha?

Os “deveres” fazem parte da pressão social. Eles estabelecem quais são os passos a seguir no caminho da vida e quais são as paradas obrigatórias.

Se cumprirmos, seremos considerados uma pessoa bem-sucedida e admirável. Caso contrário, seremos classificados como perdedores ou perdidos.

A maioria das metas a serem cumpridas pela sociedade está relacionada à conquista e ao sucesso. Depende do reconhecimento e status.

À medida que crescemos, essas demandas aumentam e, com elas, nosso próprio nível de autocrítica e pressão.

Enquanto caminhamos pelo caminho da vida, estamos acumulando conquistas, embora também deixemos outros pendentes.

Neste último, há momentos em que não recebem muita atenção. No entanto, algo acontece quando pisamos nos trinta e parece que tudo o que resta na lista de pistas vem abruptamente.

Até pensamos que, se não alcançamos o que é estabelecido pela sociedade em nossa idade, não fizemos nada com nossas vidas.

E é assim que entramos na famosa crise dos 30 anos. Um estado de confusão, desorientação e incerteza causada pelo choque entre expectativas sociais e pessoais com a realidade.

Quão ruim pode ser desviar-se de tudo o que esperam da gente?

A vida é um acúmulo de eleições sobre as quais há grande pressão social.

Ao lado, também estão os ideais de referência que temos recebido de figuras importantes para nós, como pais, irmãos ou amigos.

Dessa forma, aspiramos nos tornar aqueles que a sociedade e as pessoas ao nosso redor esperam, muitas vezes sem refletir e analisar o que realmente queremos. Mas, isso não é sinônimo de felicidade.

Se nossa rota se desviou do caminho padrão, isso não significa que é uma falha. Pode ser um sinal de que decidimos criar nosso próprio caminho com base em nossas decisões.

No entanto, isso não implica que não alcancemos certos objetivos socialmente marcados, como ter um parceiro estável, um emprego permanente ou comprar um carro, mas que a ordem de prioridades mudou para nós.

Os parâmetros sociais e a crise dos trinta

Não é uma questão de se livrar de parâmetros sociais, isso é impossível.

Somos seres sociais e vivemos em comunidade. No entanto, quando estamos na chamada crise dos anos trinta, precisamos fazer algo para lidar com isso e sair dela.

Para isso, podemos nos perguntar o que nos pesa tanto, se temos medo de não atingir metas ou não atender às expectativas ou simplesmente refletir sobre como queremos que nosso projeto de vida seja.

Trata-se de assistir e ouvir para encontrar e agir de acordo.

Neste ponto, é importante saber diferenciar entre o que nos pertence e o que pertence aos outros.

Ambos pensamentos, expectativas, ideais, medos e dúvidas. Caso contrário, carregaremos um fardo pesado que nos desgastará com o tempo.

Agora, se há algo que precisamos esclarecer, é que sentir-se feliz e aproveitar a vida não depende de cumprir ou não atingir objetivos sociais, mas de assumir o comando de nosso projeto de vida e entender que o caminho não é linear e que os tempos também não são exatos.

Crie o seu caminho de vida

A autoridade da nossa vida não está nos outros, mas nas decisões que tomamos.

Sempre haverá pressão social para nos lembrar das realizações que devemos alcançar de acordo com a nossa idade.

No entanto, nossa atitude é a chave.

Podemos decidir se deve ou não seguir a rota padrão ou, em vez disso, descobrir uma rota alternativa.

Como dissemos, a felicidade não está no que os outros esperam de nós, mas no que realmente nos faz felizes. Para isso, apenas precisamos nos perguntar.

A crise dos trinta pode nos lembrar que já percorremos um caminho e até que nos assusta se olharmos para trás e descobrirmos que temos objetivos pendentes.

No entanto, esses objetivos não precisam necessariamente ser alcançados se nossa escala de prioridades mudar.

A vida é um caminho construído através de decisões pessoais e o mais importante é que elas sejam congruentes conosco.

«A vida é o que está acontecendo com você enquanto você insiste em fazer outros planos».-Jonh Lennon

*Via La mente es Maravillosa. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia