O que é ansiedade?

Resiliência Humana

Por: Psychology Today

Ansiedade, ou extrema apreensão e preocupação, é uma reação normal a situações estressantes . Em alguns casos, no entanto, a preocupação se torna excessiva ou crônica e pode levar os pacientes a temer situações cotidianas.

A condição de ansiedade constante e generalizada e chamada de Transtorno de Ansiedade Generalizada. No entanto, existem numerosos transtornos relacionados à ansiedade. Uma delas é o transtorno do pânico – episódios graves de ansiedade que ocorrem em resposta a gatilhos específicos. Outro é o transtorno obsessivo-compulsivo , marcado por pensamentos intrusivos persistentes ou compulsões para realizar comportamentos específicos, como lavar as mãos.

O transtorno de estresse pós-traumático pode se desenvolver após a exposição a um evento aterrorizante em que um dano físico grave ocorreu ou foi ameaçado. Ansiedade ocorre tão frequentemente com depressão que os dois são pensados ​​para ser faces gêmeas de um transtorno. Como a depressão, a ansiedade atinge duas vezes mais mulheres adultas do que os homens.

Geralmente, a ansiedade surge primeiro, muitas vezes durante a infância. Evidências sugerem que a biologia e o ambiente podem contribuir para o distúrbio. Algumas pessoas podem ter uma predisposição genética para a ansiedade; no entanto, mesmo assim, o desenvolvimento da condição não é inevitável. Experiências traumáticas precoces também podem redefinir o sistema de processamento de medo normal do corpo, de modo que ele seja hiper-reativo.

A ansiedade é tipificada por preocupações exageradas e expectativas de resultados negativos em situações desconhecidas, e tais preocupações são frequentemente acompanhadas por sintomas físicos. Estes incluem tensão muscular, dores de cabeça, cólicas estomacais e micção frequente. Terapias comportamentais, com ou sem medicação para controlar os sintomas, mostraram-se altamente eficazes contra a ansiedade, especialmente em crianças.

O que a ansiedade sente?

Normalmente, aqueles que sofrem de ansiedade prolongada experimentam uma variedade de sintomas, incluindo preocupação excessiva com saúde, dinheiro, família, trabalho ou desempenho escolar.

Os sintomas somáticos ou físicos da ansiedade também podem incluir insônia , fadiga, dores de cabeça e tensão muscular, dificuldade para engolir, tremores ou espasmos e micção frequente.

Ansiedade é um sistema de alarme hiperativo

Em pessoas com transtornos de ansiedade, o circuito cerebral que controla a resposta à ameaça dá errado. No coração do circuito está a amígdala, uma estrutura que sinaliza sinais de entrada como preocupantes e se comunica com outras partes do cérebro para colocar o corpo em alerta para o perigo. Os primeiros eventos da vida, especialmente os traumáticos, podem programar o circuito de modo que ele seja supersensível e envie alarmes com muita frequência e apenas com pequenas provocações. Aqueles com ansiedade vêem ameaças onde não há, talvez porque as memórias emocionais coloram suas percepções.

Os primeiros passos para lidar com a ansiedade

Pesquisas demonstram que os tratamentos mais eficazes para a ansiedade são comportamentais. Esses tratamentos geralmente envolvem a exposição gradual dos pacientes às situações que eles temem. A terapia de ansiedade também pode se concentrar na mudança de padrões de pensamento distorcidos subjacentes à condição. As drogas podem ajudar os pacientes a controlar sua ansiedade, mas são tipicamente eficazes apenas durante o tratamento e geralmente não curam a doença. Cada vez mais, os pesquisadores estão descobrindo que a meditação da atenção plena pode ser uma técnica de sucesso que ajuda a diminuir a ansiedade.

Uma gama de opções de tratamento

Os transtornos de ansiedade podem ser tratados com sucesso com uma combinação de terapia e medicação. Para terapia, os pacientes podem ser submetidos a psicoterapia ou terapia comportamental cognitiva , na qual eles aprendem a mudar a forma como respondem a situações que induzem a ansiedade. Para medicamentos, os médicos podem, por períodos limitados de tempo, prescrever antidepressivos, como inibidores seletivos da receptação da serotonina ou tricíclicos, tranquilizantes como benzodiazepínicos; eles também podem prescrever bloqueadores para eventos específicos. Diferentes estratégias também podem ajudar pessoas que sentem sentimentos de ansiedade, mas cuja gravidade cai abaixo do limiar clínico para o diagnóstico. Hábitos como exercitar, dormir bem e limitar a quantidade de cafeína e o álcool consumido pode ser útil. Estratégias como respirar fundo, reconhecer limites para controlar totalmente situações, empurrar para trás pensamentos ansiosos ou irracionais, e observar as circunstâncias que tendem a produzir ansiedade.

Texto originalmente publicado no Psychology Today, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia