O que acontece com as pessoas depois de experimentar um primeiro ataque de pânico?

Resiliência Humana

Experimentar um primeiro ataque de pânico é aterrorizante. Quando você o tem, é comum pensar que está tendo um infarto do miocárdio. Então, se sente o medo do desconhecido, mas principalmente o medo aterrorizante de reviver essa situação atroz.

Depois de experimentar um primeiro ataque de pânico, os indivíduos identificam um antes e um depois em suas vidas.

Essas experiências terríveis que parecem vir do nada estão associadas a muitos sintomas físicos. Quando eles aparecem, é comum pensar que vamos morrer e que, a qualquer momento, nosso coração sucumbirá.

Aqueles que não sofreram um ataque de pânico podem ter preconceitos equivocados dessa condição.

De fato, é comum pensar que essas crises afetam apenas pessoas preocupadas ou com medo.

Também é comum pensar que os ataques de pânico aparecem em situações muito concretas quando alguém experimenta um medo incontrolável, como ter que falar em público, entrar em um elevador ou avião e assim por diante.

No entanto, é essencial entender que os ataques de pânico podem ocorrer a qualquer momento em nossas vidas sem poder identificar um gatilho concreto.

Por exemplo, algumas pessoas acordam no meio da noite sentindo um pânico alarmante e pensando que estão tendo infarto. Outros experimentam essas crises falando ao telefone, jantando com amigos ou fazendo compras no supermercado.

Outro aspecto deve ser percebido em nossa mente: cada um de nós pode sofrer um ataque de pânico. Quer acreditemos ou não, essas experiências não têm nada a ver com nossa personalidade, nossa idade ou as circunstâncias. Ansiedade é algo que a maioria da população está experimentando.

Portanto, é recomendável saber o que está acontecendo e saber como agir quando estamos enfrentando esse tipo de crise pela primeira vez.

O que acontece depois de experimentar um primeiro ataque de pânico?

Todos temos muitas técnicas e recursos à nossa disposição para gerenciar nossa ansiedade. No entanto, muitas vezes nos faltam informações.

Quando queremos conhecer os sintomas desse tipo de crise, geralmente erramos. Não somos capazes de entender que a ansiedade assume o controle de nosso corpo e mente.

Não conhecemos as conseqüências dessa situação e nem os sinais das manifestações do limite antes de seu aparecimento.

Por esse motivo, muitos são incapazes de identificar um ataque de pânico.

Em nosso ideal, outros podem experimentar esse tipo de crise, mas não nós.

Isso é algo que podemos ver na televisão e para o qual a resposta é respirar em um saco de papel. Mas essa informação não é suficiente. É essencial ter informações confiáveis ​​e algum conhecimento de distúrbios psicológicos, a fim de intervir o mais rápido possível.

Vamos descobrir o que acontece após o primeiro ataque de pânico.

Após um primeiro ataque de pânico, vamos a emergências e o diagnóstico nos surpreende!

Quando um indivíduo sofre um ataque de pânico pela primeira vez, o medo se expande exponencialmente porque ele não entende o que está acontecendo com ele.

A ansiedade se espalha e a ignorância e a incerteza tomam conta.

Taquicardia, falta de ar, tontura, tensão muscular … É comum ir ao pronto-socorro pensando que você tem um ataque cardíaco.

Quando o diagnóstico sai, geralmente ficamos muito surpresos.

Quando alguém anuncia a uma pessoa que acabou de passar por essa situação que a origem do seu problema é mental e não física, geralmente passa por uma fase de vergonha ou negação.

A experimentação dessa situação é tão física que muitas pessoas exigem uma segunda opinião (novos exames e novo diagnóstico).

Geralmente, o indivíduo recebe ansiolíticos por um período limitado de tempo e recebe uma interrupção do trabalho.

O ciclo infernal do medo começa

Embora sua manifestação comece de maneira brutal, os ataques de pânico são o produto de um desenvolvimento.

Eles são o gatilho físico de um estado emocional desfavorável e duradouro.

Muitas vezes, aqueles que experimentam essas crises acumularam um pesado fardo de ansiedade durante os meses ou anos anteriores.

Depois de experimentar o primeiro ataque de pânico, a ansiedade secundária aparece.

É um estado em que acabamos desenvolvendo um medo intenso da repetição dessa crise.

É um medo constante de ter que passar novamente por essa sintomatologia intensa e essa perda de controle.

Tudo isso nos leva a alimentar o medo de cairmos em um círculo vicioso que intensifica os riscos de reviver a situação.

Depois vem a impotência e a complexa busca por ajuda

Após a experimentação de um primeiro ataque de pânico, a busca de ajuda é particular.

Em um dado momento, o indivíduo toma consciência de sua impotência.

Mais cedo ou mais tarde, ele percebe que está perdendo o controle de sua vida.

A ansiedade de sofrer uma nova crise e a razão desconhecida de seu desencadeamento o levam a tentar encontrar uma solução para lidar com a situação.

No entanto, essa busca por ajuda nem sempre é feita da maneira correta.

Alguns fazem aulas de ioga, outros aplicam técnicas de relaxamento e meditação para reduzir o risco de experimentar essas situações.

No entanto, o resultado nem sempre é ideal.

A ansiedade persiste porque ela é uma inimiga complexa e cruel que se estabeleceu há muito tempo na vida do paciente. Isso exigirá estratégias mais especializadas e a inevitável busca à ação de especialistas.

A terapia psicológica é a única maneira de reduzir os ataques de pânico e a realidade emocional escondida por trás dessas manifestações. Gradualmente e com comprometimento, acabamos encontrando o equilíbrio para uma vida agradável e satisfatória.

*Via Nos Pensee. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia