O que acontece após o primeiro ataque de pânico

A experiência do primeiro ataque de pânico é aterrorizante. É comum pensar que estamos sofrendo um infarto do miocárdio. Nessa primeira experiência há o medo do desconhecido, e o que surge depois é um medo assustador de que isso aconteça novamente.

Resiliência Humana

Por: A Mente é Maravilhosa

O que acontece após o primeiro ataque de pânico marca um antes e um depois na vida de qualquer pessoa. Essas experiências assustadoras que parecem surgir do nada são vivenciadas com uma ampla gama de sintomas físicos.

É comum que a pessoa que o sofre tenha a clara sensação de que está prestes a morrer, de que seu coração vai colapsar a qualquer momento.

Quem nunca viveu na pele um ataque de pânico pode abrigar ideias tendenciosas sobre essas condições. Assim, é comum pensar que essas realidades afetam apenas pessoas inseguras e até medrosas.

Além disso, também é comum supor que os ataques surgem em situações muito específicas em que se sente um medo incontrolável, como falar em público, entrar em um elevador ou avião, etc.

Agora, algo que deve ser entendido sobre ataques de pânico é que eles podem surgir a qualquer momento e sem um gatilho específico.

Algumas pessoas acordam no meio da noite envoltas em uma sensação de pânico alarmante, acreditando firmemente que estão prestes a sofrer um infarto do miocárdio. Há também aqueles que sofrem pela primeira vez enquanto conversam ao telefone, jantam com amigos ou estão no supermercado.

Há também outro aspecto importante que devemos entender. Qualquer um de nós pode sofrer um ataque de pânico. Essas experiências não são dependentes da personalidade, idade ou das circunstâncias.

A ansiedade é algo que boa parte da população sofre e, portanto, é aconselhável saber o que acontece e o que devemos fazer quando sofrermos esses episódios pela primeira vez.

“O peso da ansiedade é maior do que o mal que a provoca”.
-Daniel Defoe-

O que acontece após o primeiro ataque de pânico?

Todos nós temos ao nosso alcance muitas técnicas e recursos para gerenciar a ansiedade. No entanto, há um fato que costuma falhar: a informação.

Erramos ao reconhecer os sintomas e as evidências que a ansiedade deixa em nosso corpo e em nossa mente; não sabemos as consequências e a maneira como ela se manifesta quando se chega ao limite.

Isso faz, por exemplo, com que muitas pessoas não saibam o que é um ataque de pânico. De alguma forma, em nossa ideologia, é algo que só acontece com os outros ou uma experiência que já vimos na TV, e que as pessoas resolvem respirando em um saco de papel.

Portanto, é necessário ter mais dados, informações confiáveis ​​e uma certa cultura de distúrbios psicológicos para poder intervir o mais rápido possível.

Vejamos o que acontece após o primeiro ataque de pânico.

A pessoa vai ao pronto-socorro e se surpreende com o diagnóstico

Quando uma pessoa sofre um ataque de pânico pela primeira vez, o medo cresce exponencialmente porque ela não entende o que está acontecendo. Assim, a ansiedade é desencadeada pela ignorância e a incerteza.

Taquicardia, falta de ar, tontura, tensão muscular… É comum ir ao pronto-socorro acreditando que se trata de um ataque cardíaco. Quando os médicos dão o diagnóstico, há aqueles que ficam ainda mais confusos.

Ouvir que o que você acabou de sofrer tem uma origem mental e não física às vezes causa algum transtorno/negação. A experiência é tão física que muitas pessoas não hesitam em pedir uma segunda opinião, fazer testes e exames.

Em média, é comum que a pessoa receba ansiolíticos por um tempo limitado e que a retirada seja processada.

Começa o círculo do medo

Os ataques de pânico são o produto de um desenvolvimento, embora comecem a se manifestar abruptamente. Eles são o gatilho físico de um estado emocional adverso mantido ao longo do tempo.

Assim, e em média, aqueles que acabam sofrendo com essas experiências acumularam um grande fardo de ansiedade por muitos meses e até anos.

O que acontece depois do primeiro ataque de pânico é que a ansiedade secundária aparece. É nesse estado que acabamos desenvolvendo um medo intenso de experimentar um novo ataque novamente; essa sintomatologia intensa e a perda de controle nos aterrorizam.

Tudo isso faz com que acabemos alimentando o medo, levando a um círculo vicioso que intensifica ainda mais essa situação.

Desamparo e jornada de ajuda após o primeiro ataque de pânico

Outro aspecto relevante após o primeiro ataque de pânico é a busca por ajuda. Chega um momento em que a pessoa é consciente do seu desamparo.

Mais cedo ou mais tarde, percebe que está perdendo o controle da sua vida. A angústia de sofrer um novo ataque no local e nas circunstâncias mais inesperadas os leva a dar o primeiro passo para lidar com a situação.

No entanto, isso nem sempre ocorre da forma adequada. Algumas pessoas fazem aulas de ioga, e há quem pense que as técnicas de relaxamento e meditação irão ajudá-las a reduzir essas situações. No entanto, elas nem sempre funcionam.

Isso não acontece porque a ansiedade é um inimigo complexo e ilusório que há muito se apega à vida do paciente. Portanto, são necessárias estratégias mais especializadas, concretas e que apenas os especialistas possam oferecer.

A terapia psicológica é o único meio que ajudará a reduzir os ataques de pânico e a realidade emocional por trás dessas manifestações. Gradualmente, com nosso compromisso, recuperaremos o controle para moldar uma vida mais plena e satisfatória.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia