O poder do minimalismo:a história de uma mulher que encontrou a felicidade ao decidir viver com menos

Resiliência Humana

A história de uma mulher que encontrou a sua felicidade ao decidir viver com menos, o inspirará a afastar seus hábitos de consumo materiais excessivos.

Por MARY SOJOURNER

Não sei explicar por que, quanto menos tenho, mais conectado me sinto.

O link entre não possuir e se sentir pertencendo ao mundo é da nossa natureza humana. Lembro-me dos três dias a sós em Boyd’s Pond, como eu tinha feito as malas o suficiente para uma família de seis. E a primeira viagem solo a oeste, minhas malas cheias de livros, bordados e retalhos que nunca toquei. Na minha primeira viagem ao Rio, levei um Walkman e uma dúzia de fitas. Eles nunca saíram da bolsa.

Adoro comprar roupas na Goodwill e devolvê-las quando elas não se sentem mais bem no meu corpo. Compro livros em nossas livrarias locais e depois os reciclo em outra loja.

Minha cabine está cheia de arte, penas e pedras, mas a maioria dos móveis estava aqui quando eu aluguei a casa: duas cômodas surradas, armários de cozinha em pinho cru e uma dúzia de prateleiras feitas de caixas de leite e madeira velha. Os únicos itens que restam da minha vida no leste são minha mesa de trabalho e a cadeira de biblioteca de segunda mão que Nicholas, meu ex-amado, me deu no meu aniversário de 39 anos.

Minha caminhonete tem 12 anos. Tem quatro cilindros. Houve viagens ao cassino quando eu a levei a 140 quilômetros por hora. Há espaço suficiente sob a caravana para eu dormir. Eu dirigi por todo o país com uma caixa de comida, um fogão e uma mochila cheia de roupas. Nada disso é devido a crenças políticas; tudo isso porque me traz alegria, uma alegria misteriosa e incomum.

É estranho lembrar os anos em que catálogos de pedidos por correio encheram a mesa da cozinha, quando um amigo da Costa Leste me deu uma sacola de pano com o logotipo “Quando as coisas ficam difíceis, vá às compras”.

A maioria das camisetas de US $ 40, reproduções de museus e ferramentas de jardinagem de alta tecnologia que eu nunca usei se foram, dei como presente ou levei à Goodwill. Nenhum deles me deu nem metade do prazer que sua ausência me proporciona.

Eu tive sorte. Um pássaro selvagem me mostrou que posso viver com menos. Um pássaro laranja entrou na minha cabine uma noite de agosto, uma dúzia de anos atrás. Eu tentei pegá-lo. O pássaro fugiu atrás do fogão, além do meu alcance. Os gatos se reuniram na cozinha. Eu bati na lateral do fogão. O pássaro estava em silêncio. Eu não tinha escolha a não ser deixar.

Voltei para a cama e tentei dormir. Houve um silêncio na cozinha. Um por um, os gatos se enroscaram ao meu redor. Eu assisti a escuridão nas janelas começar a desaparecer e adormecer.

Quando acordei, os gatos se foram. Saí da cama, acendi minha vela da manhã e entrei na sala de estar. Os gatos sentaram-se em uma fila ao pé do velho sofá. A cintilação sentou-se no encosto e observou os gatos e eu com perfeita calma.

Abri a porta dos fundos. A manhã estava delicada em verde, luz e sombra brilhando sobre a mochila. Tirei minha camiseta velha e juntei a cintilação nas dobras. O pássaro não se mexeu.

Levei o pássaro para a varanda dos fundos e coloquei uma camisa par aquece-lo no chão. Por um longo momento, o pássaro descansou no pano. Eu pensei que poderia estar emaranhado e peguei em minhas mãos. Mais uma vez, ainda estava bem. Então, com um golpe de asa que poderia ter sido uma respiração, o pássaro voou direto em direção a um pinheiro jovem.

Nunca esquecerei a sensação de libertação. E as quatro penas laranja e preto que encontrei caídas no chão da cozinha.

Foi Suficiente. Mais que o suficiente. Ele não precisava de camisa nenhuma para se aquecer, ele só precisava recobrir as forças em suas asas para poder voar, porque a única coisa que poderia lhe trazer felicidade, eu nunca poderia lhe dar, a única coisa que realmente importava pra ele e que o tornava realmente feliz… era a sua liberdade.

Moral da história: O que te fará feliz não serão as coisas que você comprar, nem ter o poder aquisitivo para comprá-las, mas sim, a liberdade que você sente em poder fazer aquilo que você deseja, na hora que você desejar e poder viver de acordo com as suas próprias vontades!

A verdadeira felicidade está em poder bater as asas e sentir-se forte e confiante para voar em direção aos seus sonhos, e isso, definitivamente, não tem preço!

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH
*Fonte Yoga Journal
*Imagem: Dan Kitwood / Getty Images

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia