” O peso da ansiedade é maior do que o mal que causa” – Daniel Defoe

Quando você finalmente passa pelo episódio, é provável que você tenha medo: e se acontecer comigo de novo?

Resiliência Humana

 

 

Se as angústias da ansiedade geram mais ansiedade para você, se você sentir pânico quando sentir que seu coração dispara e tem cada vez mais medo de sintomas ansiosos, provavelmente está sofrendo do que é conhecido como “ansiedade secundária”. Isto é, sua ansiedade está gerando mais ansiedade.

Todos nós sentimos ansiedade em algum momento de nossas vidas, mas geralmente podemos lidar com esse sentimento de apreensão e tensão. No entanto, quando não conseguimos administrar essas reações e começamos a temê-las, corremos o risco de desenvolver um distúrbio de ansiedade que se alimenta de si mesmo, gerando uma alça na qual a ansiedade se torna causa e consequência.

O que é ansiedade secundária?

O termo “secundário” é usado para descrever um problema que surge como resultado de uma condição primária. No caso da ansiedade secundária, ela se origina do medo da ansiedade, especificamente devido ao manejo inadequado da meta de ansiedade, que é tudo o que pensamos sobre nossa ansiedade e o que sentimos sobre esses sentimentos.

De fato, em muitos casos, o transtorno de ansiedade não é o principal problema, mas secundário. Um estudo realizado na Harvard Medical School revelou que 40% dos casos de transtornos de ansiedade generalizada correspondem à ansiedade secundária.

Na prática clínica, o gabinete do PsicoAbreu, formado por um grupo de psicólogos de Málaga especializado no tratamento de transtornos de ansiedade, confirma que em muitos dos casos de ansiedade que chegam à clínica, a ansiedade secundária tem papel preponderante na clínica. estabelecimento e manutenção do distúrbio.

Os 5 perigos da ansiedade secundária

Como Daniel Defoe apontou, ” o peso da ansiedade é maior do que o mal que causa”. Ansiedade secundária pode se tornar muito incapacitante, afetando a qualidade de vida do doente.

  1. A ansiedade secundária intensifica emoções desagradáveis. Tudo o que você resiste persiste. A resistência à ansiedade também agrava o problema em sua base. Quanto mais você se preocupa em se sentir ansioso e quanto mais tem medo dos sintomas, mais combustível você acrescentará a essas emoções desagradáveis, gerando maior desconforto.
  2. A ansiedade secundária leva a outros transtornos. A ansiedade do objetivo pode causar outros problemas psicológicos. De fato, a ansiedade secundária tem maior comorbidade do que a ansiedade primária. Verificou-se que pessoas que sofrem de ansiedade secundária são mais propensas a sofrer de agorafobia, estresse pós-traumático, depressão maior e abuso de substâncias.
  3. A ansiedade secundária delineia um futuro cinzento. Se você acredita que não consegue controlar suas emoções, estará alimentando uma profecia autorrealizável, já que a ansiedade existe no futuro, no mundo das possibilidades, ancorar-se à crença de que você não pode fazer nada para melhorar a ansiedade. Entre em um beco sem saída que irá alimentar um estado de desamparo no qual a ansiedade cresce.
  4. Ansiedade secundária corrói a autoconfiança. Temer suas emoções e pensar que elas escapam do seu controle acabará afetando a imagem que você formou de si mesmo. É provável que você comece a pensar que não é capaz de se recuperar e, portanto, nem tentará fechar um círculo vicioso no qual se sente cada vez mais preso e com menos alternativas.
  5. A ansiedade secundária impede que você entenda a mensagem principal. O objetivo da ansiedade faz com que você se concentre demais no medo, desviando sua atenção da situação que gerou a imagem principal. Isso significa que será mais difícil descobrir sua causa. Considere que a ansiedade é um sinal que diz que você tem um problema que você deve resolver. O objetivo da ansiedade fará você passar pelos galhos, impedindo que você chegue à raiz do problema.

Como a ansiedade secundária é estabelecida?

A ansiedade secundária é o resultado do medo e da preocupação com os sintomas ansiosos e a consequente resistência a eles. Se você sofreu um ataque de pânico, por exemplo, você saberá que não é uma experiência agradável.

De repente o coração enlouquece, a respiração se acelera e se torna mais agitado, você experimenta suores frios, pode sentir-se tonto e sofrer um medo tão intenso que o cérebro é “desligado”. Para estes sintomas extremamente desagradáveis ​​é adicionado a incerteza para não saber o que está acontecendo.

Quando você finalmente passa pelo episódio, é provável que você tenha medo: e se acontecer comigo de novo?

Esse medo desencadeia um mecanismo de hipervigilância. Na prática, desencadeia-se uma espécie de “paranoia” que leva você a prestar mais atenção às pequenas mudanças que podem avisá-lo de que sofrerá outro ataque de ansiedade. Isso pode fazer você entender mal sinais fisiológicos pequenos e totalmente normais, que desencadearão outro ataque de pânico, dessa vez auto evocado.

Este estado de escrutínio constante também aumenta a ansiedade basal; ou seja, você começa a viver com os nervos cheios de pele, tensos, esperando que algo negativo aconteça de um momento para outro. Esse estado acaba complicando e agravando significativamente o quadro ansioso, agindo como um catalisador para a ansiedade crônica.

Como eliminar a ansiedade secundária?

O medo da ansiedade não é útil. Esse medo não só agrava a experiência de ansiedade, mas também gera grande fraqueza. É claro que ninguém conscientemente pretende se auto sabotar, a ansiedade secundária é uma reação normal a situações que nos assustam. Isso significa que você não precisa se sentir culpado, mas devemos entender que o medo só piora a experiência.

Para eliminar a ansiedade secundária, devemos agir em três níveis: físico, emocional e racional.

  • Em um nível físico. Os sintomas da ansiedade causam reações intensas no nível fisiológico, mas se você detectar rapidamente os primeiros sinais, poderá controlá-los antes que eles piorem. Aprender exercícios de respiração, por exemplo, ajudará você a se acalmar rapidamente.

Diferentes estudos, incluindo um realizado na Universidade de Warwick, mostraram que as oscilações respiratórias levam à modulação e / ou sincronização da frequência cardíaca e ondas cerebrais através de um mecanismo que envolve o sistema nervoso autônomo. A prática de yoga, meditação e mindfulness também irá ajudá-lo a reduzir a ansiedade basal, então você terá que se preocupar menos com ansiedade a cada vez.

  • Emocionalmente ” Nossa ansiedade não vem de pensar no futuro, mas de querer controlá-lo “, disse Kahlil Gibran. É importante que você esteja ciente de que a resistência alimenta conflitos e emoções desagradáveis. Aceitar a ansiedade, pelo contrário, diminuirá essas emoções.

Você não deve ver a ansiedade como um inimigo a ser batido, mas como um aviso de um problema ou conflito que você precisa resolver. A ansiedade faz parte da vida, nem sempre é possível evitá-la e, embora às vezes possa ser uma experiência desagradável, sua maneira de lidar com ela determina o quanto ela pode ser prejudicial.

  • Em um nível racional. William James disse: ” A melhor arma contra o estresse é a nossa capacidade de escolher um pensamento em vez de outro.” Assim como os pensamentos disfuncionais alimentam a ansiedade, os pensamentos adaptativos diminuem. Estar ciente de sua narrativa irá ajudá-lo a entender como seus pensamentos estão perpetuando a ansiedade.

Análise uma recente experiência de ansiedade e lembre-se dos pensamentos que passaram pela sua mente um pouco antes, durante e depois desse episódio. Se esses pensamentos alimentavam o medo, a ansiedade e a evitação, eles eram disfuncionais. Uma estratégia para mudá-las e colocar em seu lugar mais funcionais é desafiá-las, analisando sua racionalidade. Por exemplo, se o seu coração acelera, em vez de pensar que você está prestes a morrer, você pode se acalmar pensando que é um sintoma de ansiedade que você pode controlar.

Às vezes, gerenciar a ansiedade pode ser complicado, por isso é necessário pedir a ajuda profissional de um psicólogo. Tenha em mente que quanto mais cedo você receber tratamento, mais fácil será eliminar ou até mesmo prevenir a ansiedade secundária. Não espere que o problema seja resolvido.

Fontes:

Perry, S. et. Al. (2019) Controle da frequência cardíaca através da respiração guiada de alta taxa. Relatórios Científicos; 9: 1545.

Rogers, MP et. Al. (1999) Comparando transtorno de ansiedade generalizada primária e secundária em um estudo naturalista de longo prazo de transtornos de ansiedade. Deprime a ansiedade; 10 (1): 1-7.

Texto originalmente publicado no Ricón de la Psicología, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia