O perigo da falsa positividade e do desvio espiritual! Emoções negativas e experiências duras nos permitem crescer!

Resiliência Humana
Woman in 20's Holding Smile Mask in Front of Face

O perigo da falsa positividade e do desvio espiritual! Emoções negativas e experiências duras nos permitem crescer!

Por Vanessa Smith Bennett

Tem dias que o reino da espiritualidade (e às vezes psicologia) pode parecer falso.

O Instagram e outras mídias sociais estão repletas de postagens de influenciadores sobre vibrações positivas, sobre não permitir que pensamentos ou energias negativas cheguem até você, sobre cercar-se de pessoas positivas e apoiadoras.

A menos que você viva em uma bolha ou em Marte, isso não é apenas irreal, mas também uma receita para nunca crescer ou realmente aprender quem você é.

Se você tentar transcender ou evitar experiências difíceis, poderá permanecer emocionalmente atrofiado.

Psicólogos e professores espiritualmente conscientes referem-se a isso como desvio espiritual.

Goste ou não, as partes feias da nossa humanidade são onde o crescimento ocorre.

Nas palavras da professora budista, autora e freira Pema Chödrön:

Sentimentos como desapontamento, vergonha, irritação, ressentimento, raiva, ciúme e medo … são na verdade momentos muito claros que nos ensinam onde estamos errando.

Eles são como mensageiros que nos dizem, com uma clareza terrível, exatamente onde estamos presos.

Muitas emoções servem como bandeiras, indicando uma oportunidade para aprendermos.

Desafio, tristeza, mudança, desconforto, conflito, ódio, depressão e ansiedade são caminhos para o crescimento e a mudança.

Podemos explorar e aceitar as partes de nós mesmos que a sociedade nos incita a manter escondidos.

Experiências dolorosas ou desconfortáveis ​​nos permitem superar nossos atuais estados emocionais e espirituais.

A positividade falsa pode perpetuar muito o estigma em torno da doença mental. Incentivar alguém que tem depressão clínica a se concentrar no positivo não é útil e pode realmente causar mais danos.

Este conselho pode reforçar a sensação de que eles estão em falta, porque eles não podem simplesmente “forçar a barra”.

Eu digo às pessoas que estão sofrendo com a depressão que elas estão mais sintonizadas com a experiência e emoção humanas reais do que aquelas que impulsionam a agenda de vibrações positivas.

Os clientes não vêm à terapia ou procuram coaching de vida porque tudo em suas vidas está indo maravilhosamente bem.

Eles estão presos em um padrão repleto de emoções negativas e não conseguem se libertar.

Às vezes precisamos de um terceiro imparcial para nos ajudar a ver do que estamos fugindo ou nos desafiar a encarar o que não estamos dispostos a sentir.

Amigos e entes queridos não podem fazer isso por nós; nós temos muitos laços emocionais.

Fazer esse trabalho difícil pode levar a mudanças duradouras.

É preciso coragem para parar de fingir que você tem tudo isso junto e apertar a própria mão com tristeza profunda para tentar superar um trauma de infância. (Sim, esta é um motivo para ir à terapia. Não posso evitar. Sou terapeuta.)

O caminho da individuação pede integração total de todas as facetas do eu: bom, mau e feio.

Às vezes não há nada a ver com ou sobre essas emoções. Às vezes, precisamos simplesmente reconhecer esses sentimentos – sentar-se com tristeza, ressentimento ou ciúme sem tentar mudar a experiência ou separá-la.

Temos que nos permitir desdobrar, testemunhar emoções inundando nosso sistema, respirar nos lugares em nossos corpos onde estamos presos.

Vivenciamos um amolecimento quando permitimos espaço para todas as emoções, não apenas para aquelas que se sentem bem.

Se pudermos permitir que o espaço e a aceitação sejam multifacetados, sentiremos a vida ao máximo.

Ser humano significa enfrentar o sofrimento.

Não há luz sem escuridão, sem alegria sem tristeza.

Se não sentimos todos os sentimentos, não temos base para comparação.

Se fugimos de certas emoções nos mantendo ocupados, expressando uma falsa positividade ou abusando de substâncias que alteram o humor, estamos cortando metade da nossa existência.

Quando paramos e honram emoções difíceis, temos a oportunidade de viver plenamente e integrar todas as partes de nós mesmos.

Esses sentimentos nos atormentarão até que paremos de fugir deles – e da verdade de quem somos.

Da próxima vez que sentir uma sensação de raiva, medo ou tristeza, eu desafio você a fazer uma pausa, ficar quieto e permanecer quieto.

Observe o sentimento em seu corpo e respire fundo nesse espaço.

Você pode até colocar a mão no lugar – no peito, no estômago, na garganta – onde a emoção parece residir.

Quando você reconhece esses sentimentos, você realmente honra sua humanidade.

Você pode sentir um afrouxamento ou uma emoção desafiadora passando por você. Mas vai desaparecer, como uma onda que cai na costa antes de recuar para o oceano.

Também é importante tomar posse dos seus sentimentos.

Ninguém pode fazer alguém se sentir de maneira particular.

Pode parecer que alguém está nos provocando, mas a fonte de desconforto está sempre por dentro.

Culpar sua raiva ou ressentimento em outra pessoa é uma maneira muito fácil de contornar o trabalho interior.

O caminho da individuação pede integração total de todas as facetas do eu: bom, mau e feio.

Não desanime com os momentos e emoções difíceis, e não os afaste ou diminua a experiência de outra pessoa, encorajando uma falsa positividade.

Descobrir e compreender a si mesmo é uma jornada vitalícia que exige a rejeição de atitudes convencionais e a máscara de positividade.

June Singer, psicólogo americano, coloca desta forma:

É fácil dizer “seja você mesmo”, mas outra coisa é saber quem você realmente é.

Como você pode ser você mesmo se não conhece esse eu?

Portanto, o processo de individuação torna-se uma busca pelo autoconhecimento.

*Via Human Parts. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia