O orgulhoso sofre e faz sofrer por pura teimosia!

Iara Fonseca

O orgulhoso é um ótimo articulador! Sabe manipular pessoas e palavras como ninguém!

Sua melhor estratégia é encenar o papel de vítima para não precisar perdoar ninguém!

Aliás, “perdão” é um assunto difícil para tratar com um ser orgulhoso!

Ele nunca vai achar que existe necessidade de pedir perdão ou de dizer que perdoa o outro!

Não porque apenas não sente necessidade e acredita não precisar perdoar ou pedir perdão, sabe que precisa, mas não consegue!

Atua tão bem, ou acredita que atua bem, que acaba, realmente, mergulhando de cabeça na própria mentira, mentira essa que, mascara a tristeza que o orgulho impregnado nele, gera.

Por isso, internamente, acaba sofrendo as consequências da sua consciência pesada!

Esse peso é tão massacrante que o leva a cair em contradição, o forçando a se isolar, e a se sentir preso em sua própria armadilha!

O orgulhoso acaba sôfrego, impaciente em seu fingimento que mascara o seu orgulho ferido!

Seu ego efervescente não o deixa analisar as questões com o viés da bondade, porque a falsidade impregnada nele, o faz imaginar maldades em uma escala monstruosa!

O orgulhoso não consegue canalizar a raiva de forma positiva.

Ele passa os dias arquitetando artimanhas para que ninguém descubra as suas verdadeiras intenções, que alega serem as intenções dos outros!

“O fulano está querendo me derrubar”, ou, “O ciclano tá pensando que eu sou bobo e que não estou vendo o que ele está querendo fazer”.

Mas a verdade é que ele está querendo derrubar o fulano! Ele está imaginando que o ciclano é uma ameaça! Mas não confessa que suas razões são infundadas, fruto de sua mania de perseguição ou de sua vaidade! Então, busca motivos em sua imaginação para poder arquitetar um plano de ação contra esses, dando a desculpa de que estará apenas se defendendo!

Todos estão errados, mas o orgulhoso nunca erra!

Aqueles que ele não consegue perdoar nem pedir perdão estão sempre errados! São repletos de defeitos! E ele sente uma profunda necessidade em os difamar ou maldizer!

O orgulho ferido provoca estrados internos graves e é sempre fruto da vaidade e da inveja venenosa! Ele teme que o outro seja melhor, não suporta que o outro tenha mais poder, melhor posição, ou esteja certo em suas convicções!

A depressão o visita constantemente, e a vida sempre parece andar em dívida com ele!

O orgulhoso é um “reclamão” de mão cheia!

Gente, mas como gosta de reclamar esse orgulhoso! Se não existe motivo algum, se tudo está em paz, se todos estão felizes, ele vai arrumar uma maneira de causar uma intriga aqui e outra ali, até que o assunto comece a feder por todos os lados! Porque ele adora botar defeito em tudo e criticar a vida alheia!

Mas anda por aí se gabando do quanto é o melhor em tudo!

Gosta tanto do seu orgulho que busca motivos diários para se orgulhar das suas qualidades ou das qualidades daqueles que, são para ele, como troféus a serem expostos!

Suas postagens nas redes são sempre um anúncio da motivação que o guia: inveje-me!

Ele adora mostrar o status da sua vida perfeita!

Gosta de causar indisposições e fingir que nada fez de errado! Vive a mandar indiretas que denotam que ele estava certo!

Mas a vida não é nada fácil para o orgulhoso!

Nem para aqueles que convivem com ele!

Porque os orgulhosos de verdade concordarão: Nada é mais importante do que o que sente um orgulhoso! Nada é mais importante do que é importante para o orgulhoso!

Porque ele finge se importar com os outros, mas o que importa mesmo pra ele é como ele se sentirá e como ele se sente!

O resto que se dane!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!