O Natal, depois dos 40, chega com mais gratidão, pois já descobrimos os valores da vida que realmente importam

O Natal numa percepção adulta…

Carolina Vila Nova
Happy family with two children with Santa hats lying down on the floor, looking at camera.

Para as crianças, esse momento deve ser um dos mais felizes do ano: época de ganhar presentes, férias, festas e o tempo em que, milagrosamente, muitas pessoas se tornam mais generosas, gentis e alegres.

E para nós, adultos, o que isso significa?

Arrisco afirmar a partir de minha percepção. O Natal, depois dos quarenta anos, torna-se a época em que já descobrimos os valores da vida que realmente importam: o reencontro com a família, principalmente nossos pais, sem nenhum peso do passado, julgamentos ou mágoas, mas apenas com o momento presente, a vontade de estar ali e demonstrar a gratidão por tudo o que foi e aproveitar ao máximo o que ainda pode ser.

O Natal, depois de certa idade, vem com lembranças de todos os Natais passados, a partir de uma nova percepção, que chega com mais gratidão, nostalgia e vontade de vivenciá-lo.

Não nos preocupamos mais com presentes, festas, comes e bebes; os amigos já se tornaram poucos. E não no sentido de quantidade, mas já percebemos quem são os amigos de verdade e quais eram os de mentira. Encaramos naturalmente que poucos são os que ficam e que valem a pena.

Nesse momento da vida, já aprendemos a amar de maneira mais leve, sem cobranças e expectativas. Compreendemos que a vida é mais gostosa sem exigências, esforços ou forçação de barra.

Amamos nosso filhos, e tal como nossos pais e nós mesmos, no passado, aguentamos suas fases de revolta e “aborrescência” com a mesma paciência e perseverança que outrora recebemos.

Os sonhos já se tornaram outros e valorizamos menos o ter e mais o ser: ser mais feliz, mais leve, mais gentil e mais útil. Fazer o bem.

O Natal se torna reencontro, reencontro com nós mesmos e com quem amamos, reencontro com tudo o que há de bom: família, os poucos amigos e todas as lembranças boas da vida.

É uma única noite; pode ser cheia de presentes, guloseimas e risos, mas a comunhão deste dia é o que realmente fica.

É um dos poucos dias em nossa vida que ficam para sempre e que temos a felicidade e o privilégio de repetir por uma noite, todos os anos.

Feliz Natal a todos!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Carolina Vila Nova
Brasileira, 41 anos, formada em Tecnologia em Processamento de Dados, pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas. Atua numa multinacional na área administrativa como profissão. Escritora, colunista e roteirista por paixão. Poliglota. Autora de doze livros publicados de forma independente pelo Amazon, além de quatro roteiros para filme registrados na Biblioteca Nacional. Colunista no próprio site www.carolinavilanova.com e vários outros. Youtuber no canal Carolina Vila Nova, que tem como objetivo divulgar e falar sobre as matérias do próprio site.