O maior alucinógeno que existe é a carência! Ela te faz ver qualidades onde não existem! às vezes, queremos tanto que seja amor que não enxergamos que é só teimosia!

A carência afetiva pode ser mais ou menos intensa e pode durar um período curto ou longo. O que ocorre na maior parte das vezes é que acreditamos que esse “suprimento afetivo” só pode ocorrer se estivermos com um parceiro/a, como se isso fosse garantia de plenitude afetiva.

Não é, e pelo contrário, muitas vezes é apenas um convite para relações abusivas ou desgastantes.

Nos vemos envolvidos com pessoas difíceis, insensíveis, desrespeitosas, com uma personalidade muito distante daquilo que pretendíamos ter ao nosso lado.

E por medo da solidão, na ilusão de que estando com alguém estamos a salvo da carência, não nos damos conta de que continuamos nos esvaziando de afetos.

Os pares que escolhemos para partilhar a vida estarão muito mais próximos de nos satisfazer afetivamente quando somos movidos pelo desejo, e não pela necessidade de suprir nossas carências.

É muito importante reconhecer-se em você mesmo, para assim reconhecer o tanto de afeto que o cerca. E antes de sair desenfreadamente buscando do lado de fora preencher os vazios “de dentro”, faça por você mesmo o que gostaria que alguém fizesse.

Partindo da ideia de que cada um determina o que é saudável ou não, não pretendo aqui descrever o que seria uma relação abusiva. Mas, de antemão, gostaria de frisar:

ATENTE-SE AOS SEUS PRÓPRIOS LIMITES.

Pergunte-se como você deseja ser tratada.

É uma pergunta fácil e muitas vezes encontramos ali, naquele velho “ponto cego”, um monte de comportamentos abusivos, fantasiados de amor.

Com isso não quero dizer que a sua relação está fadada ao fim: desde que você não seja vítima de nenhuma forma de violência psicológica, física ou sexual, o diálogo é o primeiro caminho.

Recupere a sua autonomia (que não deve ser abandonada nunca) e pontue quais são os seus limites.

Muitas vezes, a pessoa nem sabe que tal comportamento é abusivo.

Costumo dizer que isto torna-se um problema mais grave quando, mesmo depois de conversado, os comportamentos se repetem.

Recupere a sua autonomia (que não deve ser abandonada nunca) e pontue quais são os seus limites. Procure desenvolver o amor-próprio porque é ele que vai te curar da carência afetiva.

Se você está sentindo que a carência está atrapalhando os relacionamentos afetivos, procure ajuda de um profissional, envie uma mensagem para o direct @rhamuche, eu sei que posso te ajudar a superar a carência e a dependência afetiva, para que você comece a viver com autonomia.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar. *Foto divulgação da retratista: Stefania Dimitra

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.