O importante é não parar de questionar. A curiosidade tem sua própria razão de existir. Einstein

Karen Padilha

Estou sempre buscando a cada dia que passa mais e mais conhecimento em áreas que me agradam, às vezes são tantas informações que penso que minha mente vai travar.

Gosto muito de filosofia, leio muito sobre filósofos e suas teorias, são tantas , uma mais interessante que a outra e chego a pensar que essas pessoas não eram seres humanos, me pergunto de onde todo esse conhecimento, teorias sobre a vida e tudo o mais vieram.

Eu paro de ler e fico por horas estagnada me fazendo milhões de perguntas.

O que percebo em todos esses filósofos que leio sobre e pesquiso é que sempre estão em busca de uma única resposta para a seguinte pergunta : porque existimos? .

Garanto que não são só eles que questionam isso, todos nós também, embora nunca ninguém tenha achado uma resposta plausível .

São sempre teorias em cima de teorias, todas bem elaboradas e inteligentes, mas nunca uma que confirme o que está sendo dito.

Mas porque essa nossa busca incessante por saber qual o propósito de estarmos vivos? Estar vivo já não é o bastante?

Para algumas pessoas pode ser que sim, para outras como eu, não .

Eu me questiono todos os dias qual é a razão de tudo isso, tudo o que existe, o universo, de onde viemos, do que somos feitos, porque temos sentimentos , porque precisamos comer, trabalhar, tomar banho, ter amigos, família, ter uma imagem legal perante a sociedade e muitas outras coisas.

Ninguém me entende, todos acham que sou louca ou que estou drogada, mas não.

Einstein disse: ”O importante é não parar de questionar. A curiosidade tem sua própria razão de existir.”

Se existe nesse mundo qualquer razão para existir, a minha é nunca parar de questionar.

Certas vezes paro para pensar em como estou vivendo e como outras pessoas também vivem e pode ser loucura, mas sinto como se fossemos marionetes nesse vasto e lindo mundo.

Temos hábitos que são quase todos iguais, saímos de manhã para trabalhar e voltamos a noite, nos sentamos na mesa com nossas famílias e jantamos, depois tomamos banho e vamos dormir ou fazemos sexo para aliviar o stress para no próximo dia repetir tudo novamente.

Não quero dizer que a vida seja só isso, quero dizer que inconscientemente somos treinados pela sociedade para seguir um padrão e muitas vezes não é isso que queremos.

Quando temos coragem de expor nossas idéias e nossas crenças somos chamados de loucos, assim como aconteceu com o brilhante Friedrich Nietzsche, George Berkeley e tantos outros que tiveram coragem de falar o que queriam e compartilhar seu pensamento com o mundo.

A princípio suas ideias e teorias não foram aceitas, no entanto, no mundo atual contribui muito para nossa sabedoria e eles são reconhecidos como gênios.

Afinal, o mundo é uma ilusão mas aprendemos a viver nessa ilusão ?

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Karen Padilha
Sou Karen Padilha natural de Cotia-sp , formada em Introdução a Filosofia ( University of Edinburg – Londres), Introdução a Psicologia ( University of Toronto), Origens da vida no contexto cósmico (USP) e Inglês ( Mayfair School of English- Londres). Áreas como filosofia, psicologia e astronomia são fontes de inspiração para meus projetos. Recentemente acabo de publicar meu primeiro livro , ‘’ O que fizeram de mim? Reflexões sobre traumas e transformações” , pela editora novo século , na categoria de Talentos Da literatura Brasileira. Escrevo para o site ‘’ O Segredo’’, ‘’Kacosmic.com’’, ‘'Entrelinhas literárias’’ e ‘’ Academia do Aprendiz’’. Minha Página no facebook chama ‘’ YOUNIVERSE’’ , meu facebook pessoal ‘’ Karen Padilha’’ e meu instagram ‘’Karenppadilha’'.