O esquecimento nos ajuda a tomar decisões mais inteligentes, de acordo com um estudo

Resiliência Humana

Você é uma daquelas pessoas que apenas entende o essencial e esquece os detalhes? A ciência revela que o que tem sido popularmente considerado uma “memória ruim” pode na verdade ser um mecanismo muito útil para nos ajudar a tomar decisões mais inteligentes e adaptativas.

” No uso prático de nosso intelecto, esquecer é tão importante quanto lembrar ” , escreveu o psicólogo William James séculos atrás. Agora, pesquisadores da Universidade de Toronto adotaram essa ideia para desenvolver uma nova teoria sobre a importância do esquecimento.

Mais nem sempre é melhor

As dificuldades para lembrar certas coisas sempre foram consideradas como uma falha de memória, um erro no sistema de armazenamento e recuperação de informações.

Isso porque pensamos na memória como um repositório estático de informações e memórias em que perder algo equivale a uma deficiência.

Nas últimas décadas, descobriu-se que a memória é uma função cognitiva muito mais complexa, não é um simples reservatório de informação.

Na verdade, a principal função da memória é nos ajudar a otimizar a tomada de decisões. Isso nos permite usar nossas experiências e as informações que armazenamos para avaliar as consequências das diferentes alternativas e escolher a mais conveniente.

No entanto, acumular muita informação não garante que tomemos as melhores decisões. De fato, em alguns casos, pode ser contraproducente.

Os pesquisadores indicam que ” a persistência da memória aplicada a aspectos transitórios ou incomuns do mundo transitório é prejudicial, pois pode levar a um comportamento inflexível e / ou fazer previsões incorretas.

A persistência só é útil quando mantém os aspectos da experiência relativamente estáveis ​​e / ou que predizem novas experiências “.

Isso significa que precisamos “limpar” nossa loja de todas as informações irrelevantes que possam afetar a tomada de decisões, trazendo detalhes inúteis.

Ao se livrar de informações que não são importantes, o cérebro pode alocar mais recursos cognitivos para tomar decisões e o fará mais rapidamente.

Como lembrar e esquecer o trabalho?

Para trazer uma memória ou informação, há uma reativação dos neurônios que estavam ativos no momento em que a codificação ocorreu.

Em outras palavras, nosso cérebro reativa essas conexões sinápticas. Isso é conhecido como persistência.

Pelo contrário, o esquecimento implica uma alteração, modificação ou desestabilização dessas conexões sinápticas.

É o que é conhecido como transitoriedade. E é nesse momento que ocorre o esquecimento ou que as lembranças estão “contaminadas”.

O interessante é que um ambiente rico em estímulos promove a neurogênese no hipocampo, também em adultos.

À medida que esses novos neurônios amadurecem, eles começam a fazer conexões e remodelam continuamente os circuitos do hipocampo.

Esse processo de remodelação é competitivo, o que significa que as novas conexões substituem as antigas, aquelas que não são mais significativas.

O equilíbrio entre esse processo de persistência e transitoriedade é precisamente o que nos permite tomar decisões mais inteligentes.

Como esquecer nos ajuda a tomar decisões mais inteligentes?

Por que nosso cérebro gasta tanta energia armazenando memórias e depois apagando-as? Como é possível que o esquecimento nos permita tomar melhores decisões?

Por um lado, é preciso ter em mente que, em um mundo que muda continuamente muitos dos dados que armazenamos tornam-se obsoletos, é importante substituí-los por um conteúdo mais atual.

Se respondermos aos desafios do ambiente atual com informações desatualizadas, nossa resposta não será adaptativa, mas provavelmente se tornará uma fonte de problemas.

Para evitá-lo e criar espaço em nossa memória, devemos ser capazes de “apagar” informações desnecessárias que se tornaram obsoletas.

Por outro lado, o esquecimento facilita o que é conhecido como “regularização”, um processo pelo qual limitamos o armazenamento de detalhes irrelevantes, priorizando generalizações que nos permitem tomar decisões rapidamente.

Ou seja, nossa memória funciona assim: primeiro coletamos muitas informações, o que é útil para tirar conclusões, mas uma vez que fizemos essa generalização, não precisamos dos detalhes e os excluímos.

Dessa forma, quando precisamos tomar uma decisão, não precisamos acessar todos esses detalhes, mas apenas a generalização que alcançamos.

Essa economia de recursos nos permite ativar outro tipo de informação relevante para a tomada de decisões e, é claro, nos ajuda a decidir mais rapidamente, já que estamos indo direto ao ponto e não nos perdemos nas filiais.

Fontes:
Richards, BA & Frankland, PW (2017) A Persistência e Transitoriedade da Memória. Neurônio ; 94 (6): 1071-1084.
Gonçalves, JT, et. Al. (2016) Neurogênese do adulto no hipocampo: das células-tronco ao comportamento. Célula ; 167: 897-914.
McAvoy, KM et. Al. (2016) Modulando a dinâmica de competição neuronal no giro dentado para rejuvenescer circuitos de memória de envelhecimento. Neurônio ; 91: 1356-1373.
Toni, N. et. Al. (2008) Neurônios nascidos no giro dentado adulto formam sinapses funcionais com células-alvo. Nat. Neurosci ; 11: 901-907.

**Com informações de https://www.rinconpsicologia.com/2019/02/olvidar-tomar-decisiones-inteligentes.html livremente adaptado e traduzido pela equipe Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia