O barato muitas vezes sai caro demais. Tudo que vem fácil, vai fácil.

Idelma da Costa
o-barato-muitas-vezes-sai-caro-demais-tudo-que-vem-facil-vai-facil

Tudo que vem fácil, vai fácil. É dito e certo. Tudo tem o seu preço. O barato muitas vezes sai caro demais. É sempre bom ponderar antes de fazer qualquer escolha na vida.

Tem determinadas sabedorias de vida, que não se aprende em livros, nem em escolas e geralmente são transmitidas de geração em geração, sendo de senso comum.

Nada é à toa.

Existem e servem de alerta.

Não se precisa errar para aprender determinados valores.

Eles estão por toda parte, embutidos na educação que vem de berço.

Referem-se aos princípios morais que norteiam a sociedade e servem como parâmetros de justiça e ordem.

O conto clássico da literatura infantil, Chapeuzinho Vermelho, deixa isso bem claro.

Publicado pelo primeira vez por Charles Perrault, tendo sido publicado pelos irmãos Grimm em sua versão mais conhecida.

Ao longo dos anos espalhou-se por vários países, tornando-se uma das fábulas mais conhecidas do mundo.

Nele, Chapeuzinho Vermelho é alertada por sua mãe para escolher o caminho mais longo, pois o caminho mais curto apesar de ser o mais rápido e fácil seria o mais perigoso.

Na Bíblia Sagrada também podemos ler sobre a escolha do caminho em um de seus versículos:

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição…”.

Sempre é bom refletir antes de qualquer atitude, principalmente quando se corre o risco de afetar o outro, causando-lhe dor ou prejuízo.

Sabe aquela história de atirar lama no ventilador?

Pois é!

Tudo que vai, volta.

Quando tiveres alguma grande chance pela frente, pense antes, análise bem os pós e os contra antes de tomar qualquer decisão.

Está fácil demais?

Pode ter certeza que irá vir acompanhada de um brinde: consciência pesada, insegurança, medo, julgamentos, falta de paz, alguma doença, infelicidade, alguma perda… E quando essa escolha trás dor ao próximo, é certeiro o ditado popular:

“Tudo o que se planta, colhe”.

Pode até demorar, mas a lei da semeadura vai acontecer de um jeito ou de outro.

Se plantar coisas ruins, vais colher coisas ruins. E daí a pergunta?

Será que posição e dinheiro podem trazer coisas que o dinheiro não é capaz de comprar?

Será que vale a pena qualquer coisa para poder subir na vida, sem ser por mérito?

Pode até ser por mérito, mas vale a pena ser de maneira suja e desonesta?

Será que “aqui se fez e aqui se paga?

Só o tempo irá responder.

A vida é feita de escolhas.

Quais escolhas valem a pena e quais você tem feito?

Pense nisso.

Antes prevenir do que remediar.

Corrigir um erro nem sempre é possível.

Águas passadas não movem o moinha.

Refazer é pior que fazer.

Escolha sempre o caminho do bem e daquilo que é justo, pois este com certeza fará toda a diferença em sua vida.

*Foto de engin akyurt no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Idelma da Costa
Idelma da Costa, Bacharel em Direito, Pós Graduada em Direito Processual, Gerente Judicial (TJMG), escritora dos livros Apagão, o passo para a superação e O mundo não gira, capota. Tem sido classificada em concursos literários a nível nacional e internacional com suas poesias e contos. Participou como autora convidada do FliAraxá 2018 e 2019 e da Flid 2018.