O autismo não é uma desgraça, a ignorância sim, é!

Resiliência Humana
o-autismo-nao-e-uma-desgraca-a-ignorancia-e

O autismo não é uma desgraça, a ignorância sim, é!

O autismo é considerado um transtorno do desenvolvimento que afeta a comunicação e as relações sociais. O repertório de interesses e atividades da criança com transtorno do espectro do autismo é mais limitado e restritivo, com tendência à repetição e estereótipos.

Dada a grande variabilidade dos sintomas, tanto a American Psychiatric Association quanto o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) expandiram a classificação para uma denominação mais ampla: transtornos do espectro do autismo.

Menino de 3 anos que não brinca com outras pessoas e que também possui um repertório comportamental limitado e estereotipado.

Uma estudante de 10 anos com uma fala monótona, que não consegue verbalizar suas emoções, mas é muito boa em matemática ou tem uma memória extraordinária.

Levando em consideração as diferenças individuais nos perguntamos: o que é o autismo e o que ele acarreta? Como é a intervenção?

Mudanças na definição de autismo e diagnóstico diferencial

No DSM-IV, a categoria de transtornos invasivos do desenvolvimento inclui cinco subtipos de autismo: transtorno autista, síndrome de Asperger, transtorno desintegrativo da infância, transtorno invasivo do desenvolvimento não especificado (TID não especificado) e síndrome de Rett.

Por outro lado, no DSM-5, quatro desses subtipos (transtorno autista, síndrome de Asperger, transtorno desintegrativo da infância e TID não especificado) foram substituídos pela categoria geral “transtornos do espectro do autismo” (TEA).

A síndrome de Rett não faz mais parte deste sistema de classificação. Em vez de distinguir entre esses subtipos, a definição de diagnóstico do DSM-5 especifica três níveis de gravidade dos sintomas, bem como o nível de suporte necessário.

“Uma pessoa com autismo vive em seu próprio mundo, enquanto uma pessoa com Asperger vive em nosso mundo, de uma forma única que ele escolher.” -Nicholas Sparks-

O autismo é um distúrbio neurológico que afeta muitas crianças, mas como você identifica que seu filho pode ter isso? Descubra alguns sinais para saber.

Investigações em autismo

Desde 2000, houve vários avanços nas pesquisas, de modo que foi possível distinguir variantes de algumas cadeias genéticas que estão envolvidas na gênese do autismo, portanto, há claramente uma causa associada ao neurodesenvolvimento.

Assim, muitos desses genes estão envolvidos na comunicação entre os neurônios , levando a algumas das anormalidades funcionais que reconhecemos no autismo.

Embora esta pesquisa ajude em grande medida a compreender algumas das causas do autismo, deve ficar claro que o autismo não é determinado por uma “falha genética”.

Essa falha de alguma forma predisporia a pessoa, aumentaria o risco, mas não seria uma condição suficiente para a pessoa desenvolver autismo . Por outro lado, toda essa multicausalidade possibilita a variabilidade dos sintomas que reconhecemos nas pessoas com autismo.

Portanto, temos que deixar claro que:

Na prática clínica educacional fica evidente que desde muito cedo, por volta dos 12 meses, esses meninos e meninas rejeitam o contato com o outro, sem se beneficiarem das pistas sensoriais auditivas e táteis, tão importantes para o desenvolvimento socioafetivo.

Essa falta de apego à estimulação, principalmente aquela relacionada à comunicação e interação, faz com que cada vez mais a criança se envolva em sua autoestimulação, não consiga ser orientada pelos pais e professores e atrase seu desenvolvimento.

A explicação de por que eles nascem com essa rejeição do social e preferem comportamentos autoestimulados está na neurologia, mas a chave não foi encontrada.

A pesquisa de várias perspectivas, de Kanner a Lovaas e Bijou et al., Nos ajuda por meio da observação a inferir diferenças neurológicas nessas crianças.

As “manifestações autistas” de uma menina com síndrome de Rett não são as mesmas de outra menina com síndrome de Asperguer.

É preciso saber diferenciar claramente o diagnóstico de autismo de outros transtornos que podem ser baseados no desinteresse pelo social: déficits auditivos, hábitos nervosos ou tiques ou a ausência de níveis mínimos de estimulação precoce.

Conceitos claros e simples para avaliar e intervir no autismo

Como profissionais, quando nos preparamos para fazer uma avaliação, temos que lidar muito bem com as questões éticas: cuidar do impacto nos pais , fazer prognósticos realistas, comunicar que as manifestações do transtorno não obedecem a um padrão fixo e evitar a estigmatização.

Como é avaliado?

Reconhecimento físico, afecção de sistemas sensoriais e sistemas de resposta, exames neurológicos.

Entrevista com os pais: de forma desestruturada, para cobrar informações sobre o andamento da gravidez, a saúde da criança e a relação pais-filhos.

Medir déficits, principalmente no que diz respeito à autonomia social e pessoal e excessos comportamentais, como comportamentos autoestimulados.

Não adianta fazer um teste de inteligência em casos de autismo moderado porque seus resultados podem nos confundir.

O fundamental é intervir em:

(1) A baixa sensibilidade ao social: temos que conseguir aumentar as interações sociais.

Carícias, nosso toque podem prevenir o início de comportamentos autoestimulantes, sem que isso signifique que tenhamos que tratá-los como bebês.

Fale muito com eles: trate-os como pessoas que falam, não parta de preconceitos. Se falamos muito, a imitação é mais natural e espontânea neles.

Encontrando o que gostam, seus estereótipos podem nos dar uma pista , saber o que lhes chama a atenção para apresentá-los a uma tarefa social em que é necessária a colaboração de outras crianças para fazê-lo.

Se você tem uma habilidade especial, introduza-a na atividade de grupo: assim cuidaremos da sua autoestima. Se você costuma ter um bom domínio de quebra-cabeças ou jogos de construção, torne esta atividade presente.

A terapia animal tem dado bons resultados a este respeito: hipoterapia, terapia com golfinhos , cuidados com cães dóceis, etc.

(2) Altos níveis de autoestimulação: devemos cortar comportamentos autoestimulados e conectá-los ao social, envolvê-los no meio ambiente.

Envolva todas as pessoas que podem encorajar ou permitir comportamentos estereotipados e perturbadores de alguma forma para melhorar os outros. Nesse sentido, devemos ter cuidado, pois comportamentos estereotipados podem ser mantidos com o objetivo de chamar a atenção ou obter um estímulo agradável que ainda não obtiveram de outras pessoas.

Mudar estados biológicos, padrões e horários de alimentação ou descanso para que as demandas feitas pela criança tenham conotações menos aversivas e sejam mais funcionais. Reforce os comportamentos que são incompatíveis com a autoestimulação.

Nunca perca a calma e NUNCA use qualquer forma de força ou punição física , nem para dissuadi-los, nem para acabar com o comportamento destrutivo.

Em conclusão, devemos ter claro que qualquer tipo de intervenção requer uma programação exaustiva onde a criança com autismo é reforçada por aqueles comportamentos que queremos repetir. Por outro lado, as instruções que lhes damos devem ser claras e devemos ser sistemáticos e pacientes.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações La Mente es Maravillosa. *Foto de Jonathan Borba no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia