O amor nos torna mais inteligentes, confirma a neurociência

Resiliência Humana

Durante séculos, o amor foi pensado como uma espécie de droga no nível do cérebro, uma loucura que nubla o motivo, um impulso primitivo e visceral que nos atrapalha. Acreditamos que o amor nos torna mais distraídos e nos desconecta do mundo, nos aprisionando em uma bolha de felicidade.

No entanto, a neurociência agora nos oferece uma perspectiva diferente. Na verdade, os neurocientistas da Universidade de Chicago acreditam que o amor provoca mudanças no cérebro que nos tornam melhores pessoas, em todos os sentidos, inclusive o intelectual.

Esses pesquisadores escanearam o cérebro das pessoas apaixonadas e descobriram que o amor não só ativa o cérebro emocional, como se pensava no passado, mas também as áreas relacionadas às funções cognitivas. Isso significa que o amor não só nos permite se conectar emocionalmente, mas também poderia ter uma influência positiva sobre nossas decisões e comportamentos racionais.

Segundo esses pesquisadores, estar apaixonado não só provoca mariposas no estômago e a sensação de estar voando, mas também pode nos ajudar a pensar mais rápido, antecipar melhor as idéias e o comportamento dos outros e até mesmo ser mais criativo. Além disso, o amor é uma excelente ferramenta para combater o estresse e os sentimentos negativos.

O amor atua como um “ginásio cerebral”

Em alguns experimentos, eles mostraram fotos de participantes e nomes de pessoas desconhecidas, amigos e seus parceiros, enquanto usavam eletrodos para medir a rapidez com que a “rede neural de amor” era ativada. Eles descobriram que foi ativado em menos de meio segundo, o que indica processamento em um nível inconsciente; isto é, nosso cérebro reage à pessoa amada muito antes de conhecê-la em um nível consciente.

Graças às técnicas de ressonância magnética, eles descobriram que o amor apaixonado e romântico ativa até 12 áreas cerebrais diferentes. Uma das áreas mais sensíveis ao amor é a curva angular. Na verdade, quanto mais a pessoa está apaixonada, mais essa área será ativada. É engraçado porque o giro angular é encontrado apenas em macacos e pessoas, e tem sido tradicionalmente relacionado ao pensamento abstrato e à criatividade.

Esses pesquisadores classificam-no como um “pequeno robô dentro do cérebro” porque também nos ajuda a processar idiomas e números, além de gerenciar dados autobiográficos complexos, como autopercepção e “teoria da mente”, que se refere a nossa capacidade de reconhecer e atribuir certos estados mentais a outros.

Portanto, apaixonar não significa apenas “perder a cabeça para alguém”, também pode ser uma espécie de “ginásio cerebral”, uma vez que o giro angular é uma área muito conectada a outras partes do cérebro. É por isso que os pesquisadores acreditam que se apaixonar permite que você seja uma pessoa melhor.

Essa idéia foi corroborada por neurocientistas na Universidade de Amsterdã, que acreditam que o amor realmente muda nossa maneira de pensar, ativando um pensamento mais global, que está na base de processos criativos.

No experimento, as pessoas tiveram que imaginar que caminhassem muito com seu parceiro, que tivessem feito sexo com alguém ou que andassem sozinhos. Então eles tiveram que resolver uma série de problemas, algumas soluções criativas exigidas e outras simplesmente eram lógicas. Eles descobriram que quando a idéia de amor foi ativada, as pessoas chegaram a soluções mais criativas.

Esses pesquisadores pensam que o amor romântico nos encoraja a assumir uma perspectiva de longo prazo, pois geralmente eles têm objetivos em comum com essa pessoa. Essa capacidade de ver as coisas como um todo, projetando para o futuro, estimula um pensamento global que nos ajuda a criar associações mais remotas e incomuns, que são a base da criatividade.

O amor não tem data de vencimento

O mais interessante é que o amor não tem data de validade. Embora os primeiros estágios vertiginosos matizados pelo romantismo possam parecer diferentes do amor alimentado ao longo dos anos, a verdade é que o nosso cérebro não detecta as diferenças.

Os neurocientistas da Universidade da Califórnia analisaram casais casados ​​por uma média de 21,4 anos e relataram continuar experimentando amor apaixonado. Eles descobriram que seu cérebro reagiu de forma semelhante a isso durante os primeiros momentos de amor, produzindo uma grande quantidade de dopamina.

Este neurotransmissor está relacionado à sensação de prazer, alegria e motivação, mas possui outras funções menos conhecidas cognitivamente. Na verdade, também é responsável por controlar o fluxo de informações aos lobos frontais, de modo que sua diminuição pode causar problemas de memória, atenção e dificuldades para resolver problemas.

Agora você sabe: o amor também pode ajudá-lo a ser mais criativo, pensar mais rápido e manter seu cérebro em forma.

Fontes:
Cacioppo, S. et. Al. (2014) Você está em sincronia comigo: correlatos neurais de sincronia interpessoal com um parceiro. Neurociência ; 277: 842-858.
Cacioppo, S. et. Al. (2012) A velocidade do amor apaixonado, como um subliminal Prime: um estudo de neuroimagem elétrica de alta densidade. NeuroQuantology ; 10 (4): 715-724.
Cacioppo, S. & Cacioppo, JT (2015) Desmistificando a Neurociência do Amor. Revisão da emoção ; 8 (2): 108-109.
Acevedo, BP et. Al. (2012) Correlações neurais de amor romântico intenso a longo prazo. Neurociência cognitiva e afetiva social ; 7 (2): 145-159.
Cacioppo, S. et. Al. (2012) As bases neurais comuns entre o desejo e o amor sexual: uma análise multidimensional da fMRI da densidade do núcleo. O Jornal de Medicina Sexual ; 9 (4): 1048-1054.
Förster, J. et. Al. (2009) Por que o amor tem asas e o sexo não tem: como lembrete do amor e do sexo influenciam o pensamento criativo e analítico. Pers Soc Psychol Bull ; 35 (11): 1479-1491.

fonte: Rincon Psicologia

FONTERincon psicologia
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia