O amor na era do Tinder é cheio de dúvidas e angústias.

Resiliência Humana
o-amor-na-era-do-tinder-e-cheio-de-duvidas-e-angustias

O amor na era do Tinder é cheio de dúvidas e angústias. Ele é a pessoa certa? Porque não me responde? Você está pensando em desistir?

O TOC relacional, definido por pensamentos intrusivos, ansiedade e insegurança, está se tornando mais comum.

Amor ou TOC relacional: afeto preso na dúvida obsessiva

Meu parceiro está atraído por mim? Ele é a pessoa certa ou eu estou errado?

Meu comentário incomodou você?

Você está pensando em desistir?

Poucas condições trazem tanto sofrimento e divergências no casal quanto o amor ou TOC relacional.

É um tipo de quadro psicológico apreciado com mais frequência e que exige maior visibilidade.

Deve-se notar que embora não seja (por enquanto) incluído como uma categoria nos manuais de diagnóstico, é considerado um subtipo de transtorno obsessivo-compulsivo.

O mais impressionante é que, nos últimos anos, com o surgimento dos aplicativos de namoro, as mudanças sociais e uma geração talvez menos madura na questão emocional, vemos esse fenômeno cada vez mais.

Fatores como o imediatismo, o desespero para receber uma resposta rápida à nossa mensagem, uma adequação ao nosso perfil ou aquele reforço diário por meio de emoticons afetuosos, fazem com que os relacionamentos sejam transmitidos em outra frequência.

A ansiedade antecipatória e o ” Eu quero tudo e quero agora ” abundam na ligação da era Tinder.

Se você não conseguir essa atenção e esse reforço no segundo, a mente começa a vagar até criar uma armadilha dolorosa de pensamentos prejudiciais e obsessivos. Vamos conhecer um pouco mais sobre esse assunto.

Amor ou TOC relacional: o que é e quais os sintomas que apresenta

Podemos definir o amor ou TOC relacional como um subtipo de transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), no qual as pessoas que sofrem desse distúrbio sofrem dúvidas constantes sobre seu relacionamento.

Essas preocupações estão focadas em diferentes aspectos do vínculo com a pessoa amada: atração , compatibilidade, amor, projeção futura, etc.

Os estudos a respeito dessa condição são relativamente recentes.

Começaram a surgir na primeira década do novo milênio e, hoje, a comunidade psicológica sabe muito bem que estamos diante de um fenômeno com maior incidência.

Assim, pesquisas como as conduzidas na Universidade de Herzliya (Israel) e na Universidade de Minnesota (Estados Unidos) indicam que estamos diante de uma manifestação claramente incapacitante do transtorno obsessivo-compulsivo.

Embora essa realidade esteja recebendo mais atenção clínica, teórica e empírica, precisamos torná-la socialmente visível.

Devemos entender que a preocupação obsessiva , as dúvidas constantes e os comportamentos compulsivos não são normais em um relacionamento.

Eles não só trazem sofrimento e problemas, mas podemos chegar a situações extremas muito perigosas. Vamos cavar um pouco mais fundo.

Que sintomas apresenta?

Sabemos que o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é um transtorno de ansiedade definido por ideias recorrentes e persistentes que causam inquietação e que são acompanhadas por comportamentos repetitivos (compulsivos) com os quais se tenta suprimir a própria ansiedade.

Agora, como o amor ou TOC relacional se manifesta?

A pessoa se preocupa obsessivamente com o que pode acontecer no futuro ou o que pode estar acontecendo agora.

Ele se pergunta se essa é a pessoa certa, duvida de seus sentimentos. Há dias em que você acha que seria melhor deixar o relacionamento, mas logo essa ideia o apavora e você desiste.

Dúvida sobre a outra pessoa: “Será que ele realmente me ama? E se eles tiverem outra pessoa em mente?

Antes de cada pensamento intrusivo, preocupação ou dúvida, a pessoa precisa de algumas evidências para apaziguar esses medos. É comum que necessitem de evidências constantes do carinho do parceiro. Algo sem dúvida exaustivo.

Eles têm pouca resistência à frustração. Portanto, eles precisam, por exemplo, que as mensagens sejam respondidas rapidamente.

Eles podem passar horas na Internet pesquisando como é um relacionamento perfeito ou “como saber que meu parceiro está me traindo”.

Reflexões sem fim: estão sempre questionando as qualidades do casal, o que acaba criando problemas e distâncias.

Como esse tipo de TOC relacional é tratado?

O mais complexo sobre o amor ou o TOC relacional é que nem todas as pessoas sabem que essa forma de viver um relacionamento não é saudável.

Quase sem saber como se acostumam com as dúvidas, obsessões e como nenhum casal atende às suas expectativas e necessidades.

É uma forma de nadar em desconforto constante, na incapacidade de enfrentar suas obsessões e a raiz do problema: a ansiedade.

Exposição com prevenção de resposta (RPE)

A estratégia desse tipo de terapia é enfrentar cada pensamento, imagem ou ideia que a pessoa vivencia e que causa ansiedade.

Depois de tomar consciência deles, você deve aprender a lidar com eles para evitar a obsessão e o aparecimento de ideias irracionais.

O objetivo não é outro senão expô-los voluntariamente à fonte de preocupação, a fim de neutralizá-la e racionalizá-la.

Terapia cognitiva comportamental

Outra estratégia ideal para o amor ou TOC relacional é ensinar as pessoas a identificar e mudar seus padrões de pensamento intrusivo, negativo e obsessivo.

Essa abordagem também é acompanhada por iniciá-los em habilidades como resolução de problemas, gerenciamento emocional e a necessidade de estabelecer gradualmente hábitos mais positivos em suas vidas.

Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT)

A terapia de aceitação e compromisso (ACT) está ganhando força nos últimos anos por diversos motivos.

Ela nos ensina que às vezes o sofrimento não pode ser totalmente evitado ou reduzido, mas podemos aprender a conviver com ele.

Assim, um fato óbvio no campo das relações afetivas é que nada é certo, não podemos saber se esse amor é o ideal ou se vai durar para sempre.

No entanto, podemos e devemos aprender a conviver com essa incerteza. Aceitar certos pensamentos sem ansiedade é a melhor estratégia em todos os casos.

Para finalizar, o amor ou TOC relacional é uma semente que cresce com mais força em nossa sociedade e gera muitas dúvidas.

Medos e incertezas também permeiam a esfera afetiva.

Não hesite em pedir ajuda especializada se precisar.

*Com informações LMM. *Foto de Patrik Velich no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia