“O amor cura e o ódio mata”, aconselhou um dos maiores gênios da medicina

Resiliência Humana

“O amor cura e o ódio mata”, aconselhou um gênio da medicina, o venezuelano Jacinto Convit, que enfrentou uma doença bíblica. Ele contou o que ele praticava … e viveu 100 anos!

A lepra na Venezuela teve seu momento mais trágico nos anos 30 do século passado. Ele tirou vidas tão valiosas quanto a de Cruz Salmerón Acosta, um jovem talentoso que inovou na poesia e chegou a escrever versos tão lindos que eram como estandartes para seu povo, tanto que seu povo humilde, uma salina nas margens do belo estado Sucre, a leste do país, ainda recita de cor.

Mas outro jovem, desta vez um cientista cuja família teve sua origem em terras catalãs, lutou para erradicar o flagelo e, independentemente de riscos e dificuldades, se instalou nos focos de infecção até encontrar a vacina que conseguiu deter as mortes.

Em 1937, o lendário médico venezuelano Martín Vegas, conhecido pioneiro em estudos sobre a lepra, convidou Convit para visitar a antiga residência de lazareto em Cabo Blanco, no estado de Vargas, onde centenas de pacientes afetados pela lepra ou laceria estavam alojados.

Naquela época, essa doença ainda era uma causa de preconceitos socialmente entrincheirados; os leprosos eram acorrentados e guardados pelas autoridades policiais, uma imagem que definiria o caráter humano de Convit que, em face de tal abuso, exigia que os guardas procedessem melhor com os doentes para que eles pudessem obter a cura que buscavam.

Jacinto Convit (1913-2014), também conhecido como “José Gregorio Hernández de La Pastora”, era um médico venezuelano, um pesquisador cuidadoso e um dermatologista que compareceu nos escritórios ligados ao famoso Hospital Vargas em Caracas, o mesmo onde ele entregou seu melhor Dr. José Gregorio Hernández horas de trabalho de pesquisa.

Convit lembrou-se do muito querido médico venezuelano – e santo de todo esse povo que está a caminho dos altares de hoje – porque era um homem entregue aos seus pacientes, sem intenção de ganhar dinheiro, além de um cientista admirado cujas realizações transcendentais no campo da A medicina deu conta de uma carreira profissional focada em uma vocação inequívoca para a cura.

Afinal de contas, essa não é a motivação fundamental de um médico para oferecer alívio ao próximo aflito?

Lá, até quase cem anos de idade, trabalhou intensamente e diariamente, com uma entrega admirável, nos laboratórios adjacentes, ansiosamente buscando a cura do câncer de mama, a segunda causa de morte na Venezuela.

Em uma ocasião nós o entrevistamos e passamos uma manhã inteira com ele. Naquela época eu tinha 92 anos e estava dirigindo com agilidade e lucidez de uma pessoa de 50 anos. “Só peço a Deus que me conceda mais alguns anos para obter a vacina contra o câncer de mama”, disse ele obcecado.

Eles não eram suficientes.

Ele morreu aos 100 anos de idade sem completar seu nobre propósito, mas deixando avanços muito importantes que seus sucessores continuam a desenvolver.

Este famoso médico e cientista, conhecido basicamente pelo desenvolvimento da vacina contra a lepra, recebeu o Prêmio Príncipe das Astúrias de Pesquisa Científica e Técnica em 1987 e foi indicado ao Prêmio Nobel de Medicina em 1988 por inocular o bacilo da lepra em tatus de a família Dasypodidae; Ele obteve o Mycobacterium leprae, que misturado com o BCG (vacina contra tuberculose), produziu a imunização.

O trabalho do Dr. Convit foi incansável e suas horas passaram entre o laboratório e os cuidados de seus pacientes, que ele nunca abandonou.

Eles vieram de todos os lugares, alinhados nos corredores que levavam à sua porta e ele, de vez em quando, saía para encorajá-los e assegurar-lhes que logo seriam atendidos. Ele lhes deu um tratamento decente, sem reparar seu status social.

Pessoas muito humildes vieram, velhinhas com seus sacos de papel pardo debaixo dos braços, quem sabe o quê; jovens com receitas enrugadas de tanto tatear; senhores com mãos calejadas que traíam o trabalho inclemente, todos compareceram, envoltos em seu impecável casaco branco, seus confortáveis ​​mocassins com uma sola antiderrapante e uma expressão gentil, iluminados por olhos de azul brilhante que pareciam compassivos de quase dois metros. de estatura.

Na sua idade avançada, ele ainda atendia cerca de vinte pacientes por dia, além de liderar uma equipe de pesquisa da linha de frente que ele havia integrado, treinado e mantido com experiência.

Eu fui infundido com misticismo, assim como sangue fresco é transferido para um organismo exausto.

Como se isso não bastasse, ele teve tempo para os jovens que vieram consultar sua opinião e ouvir sua orientação como professor emérito.

Depois de várias horas de trabalho para colocar sua vida na tela da televisão e preservar seu esforço, seus princípios, valores e méritos para as gerações vindouras, mesmo correndo o risco de ele proferir um discurso sofisticado na linguagem de um renomado cientista, pedimos com curiosidade, qual era o segredo de sua vitalidade e lucidez invejável, como ele atingia sua idade nessas condições. E, sem hesitação por um momento, ele disse solenemente:

“O amor cura, o ódio mata … nunca odeie, ame e você verá que a vida flui como água limpa”.

É assim que esse ser humano extraordinário falou que passou um século curando a Venezuela.

Um conselho que, mesmo em situações como as dos venezuelanos, que pressionam o contrário, tomamos o cuidado de observar.

** Com informações de Aleteia. Livremente traduzido e adaptado pela redação RESILIÊNCIA HUMANA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia