O abençoado fundo do poço: “no fundo do meu poço tem uma mola”!

Andrea Pavlovitsch
o-abencoado-fundo-do-poco-no-fundo-do-meu-poco-tem-uma-mola

O abençoado fundo do poço!

Uma das coisas que mais tenho escutado esses dias de crise, ou pré-grande crise é o medo das pessoas de “morar debaixo da ponte”. É incrível como eu escuto isso e como esse medo tem deixado as pessoas presas em zonas de conforto, pouco, pequenas, para sempre. E como as pessoas que não conseguem ter um perfil mais conformista e transformador só serão reconhecidas depois que tudo der certo. Legal, mas o que faz dar certo?

Em 1994 morria Airton Sena, grande piloto de Fórmula Um brasileiro. Lembro-me daquele dia como se fosse hoje. Eu estava na chácara da minha tia e vi o acidente na TV. Os brasileiros pararam atônitos, pensando “será que ele sai dessa”? Pois bem, não saiu.

Foi uma comoção nacional, dias e dias de homenagens ao piloto que quebrou todas as regras e foi o maior – ouso dizer – do mundo. Na hora começou uma fofoca sobre a namorada dele, Adriane Galisteu, uma modelo com pouco mais de 20 anos.

Adriane namorava com ele, mas os jornais e revistas consideravam a ex apresentadora Xuxa como a viúva. Adriane não tinha espaço, não era considerada pela família e viu seu mundo ruir do dia para a noite.

Em poucos meses ela estava morando em um apartamento alugado com a mãe. Tinha engordado muito depois dos acontecimentos, depois de ter passado por uma depressão severa. Ninguém queria saber dela, ela era só a “namorada da vez” do piloto.

Esse foi o fundo do poço dela, conforme ela mesma relata.

Um dia acordou – não sabemos as circunstâncias – olhou em volta e disse “eu vou sair dessa”.

Em poucos meses tinha emagrecido o que engordou e voltado a ser modelo comercial. Escreveu um livro – fraco é bem verdade – sobre a sua vida com o piloto e começou a vender um kit de sopas – a sopa que fez a Adriane Galisteu perder 20 quilos. Logo ficou famosa, ganhou fãs, notoriedade e começou a namorar os bonitões da TV.

Adriane é uma história conhecida daquele ditado “no fundo do meu poço tem uma mola” e a pergunta que fica é: se toda essa desgraça não tivesse acontecido com ela, ela seria quem ela é hoje? Apresentadora, bem casada, com um filho, financeiramente bem e lindíssima. Talvez não, né?

As adversidades nos constroem e muitas vezes nos colocam no caminho certo. Sair da zona de conforto espontaneamente ou ser atirado para fora dela a 300 km por hora é indiferente. O que vale é o que eu vou fazer com isso.

Vou sentar-me e chorar para sempre?

Vou tentar um bico num programa da tarde para dizer que não tenho dinheiro nem para comer ou vou lutar, ir atrás do que eu acredito ser o melhor para mim?

Desculpas para ficar parado temos muitas e sim, isso é uma escolha. Mas saiba que, se você está passando por um fundo de poço é porque seu espírito está pronto para coisas realmente grandes, independente da sua idade, profissão ou qualquer outra coisa.

Renunciar ao passado e recomeçar, mesmo que seja assustador, é sempre a melhor alternativa para o futuro que você realmente merece.

*Foto: Reprodução/@galisteuoficial

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Andrea Pavlovitsch
Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto, fotografia e toda forma de arte. Adora pão de queijo e café com leite e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele. Espaço Terapêutico Andrea Pavlovitsch Av Dr. Eduardo Cothing, 2448A Vila Formosa - São Paulo - SP +55 (11) 3530 4856 +55 (11) 9.9343 9985 (Whatsapp) contato@andreapavlovitsch.com