Novo estudo conclui que as mulheres são mais propensas a sofrer de ansiedade

Resiliência Humana

Novo estudo conclui que as mulheres são mais propensas a sofrer de ansiedade! “As mulheres têm quase duas vezes mais chances de serem afetadas que os homens, com as diferenças entre os sexos persistindo ao longo do tempo e em ambientes com recursos altos e baixos”, observaram os pesquisadores.

Por Alicia Holliday

Um estudo descobriu que as mulheres têm maior probabilidade de sofrer de ansiedade do que os homens.

Você sente como se você e suas amigas fossem as únicas a lidar com ataques ocasionais de pânico?

Bem, então você pode estar interessada no que os cientistas recentemente. Eles conduziram pesquisas para descobrir exatamente por que as mulheres parecem mais suscetíveis ao estresse em suas vidas do que os homens.

Pesquisadores da Universidade de Cambridge e do Conselho da Cidade de Westminster publicaram um estudo na revista Brain and Behavior que analisou 48 revisões anteriores da prevalência de transtornos de ansiedade entre diferentes grupos. O que eles descobriram foi chocante.

Segundo o Lema, não apenas os transtornos de ansiedade são comuns – com estimativas de que afetam entre 3,8 e 25% da população mundial -, mas também freqüentemente afetam mais as mulheres. Estima-se que 5,2 a 8,7% das mulheres no mundo sofrem de ansiedade.

“As mulheres têm quase duas vezes mais chances de serem afetadas que os homens, com as diferenças entre os sexos persistindo ao longo do tempo e em ambientes com recursos altos e baixos”, observaram os pesquisadores.

Verificou-se também que os que mais sofreram foram jovens adultos, homens e mulheres com doenças crônicas e indivíduos de origem Euro / Anglo.

Mas a verdadeira questão permanece: por que as mulheres tendem a sofrer de uma ansiedade avassaladora, enquanto muitos homens permanecem relativamente imperturbáveis?

A pesquisa revelou que as mulheres têm o dobro do que se preocupar. O New York Times observou que “os cuidados infantis e outras formas de trabalho não remunerado certamente podem estressar uma garota, além do pouco fato de termos recebido menos do que homens pelo mesmo trabalho.

Também navegamos nessas águas desagradáveis ​​com um cérebro que alguns neurocientistas acreditam que é otimizado para o pensamento analítico e intuitivo , permitindo-nos antecipar (e nos preocupar com) riscos futuros.”

E isso nem é o fim. Outros especialistas acreditam que, porque as mulheres têm uma tendência a realizar várias tarefas ao mesmo tempo, além de “usar mais o cérebro real do que os homens”, o que significa que as mulheres precisam fisicamente mais sono do que os homens. Mas, graças a essas tensões adicionais e à química cerebral inerente, as mulheres não dormem tão bem quanto os homens.

Além disso, especialistas da Harvard Health Publications descobriram que as mulheres são mais propensas a sofrer de depressão maior, transtorno afetivo da estação, transtorno bipolar e depressão crônica. Os autores deste estudo concluíram que esses fatores geralmente incentivam as mulheres a recorrer ao álcool .

Embora cada vez mais mulheres estejam optando por “ter tudo” com uma carreira e uma família, parece que elas ainda são afetadas pelas diferenças salariais e parentais que existem entre homens e mulheres. Com tensões adicionais, como cuidados infantis inacessíveis, falta de sono e propensão a doenças mentais, não é de admirar que as mulheres estejam experimentando ansiedade a uma taxa muito maior do que os homens.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH
*FONTE: ENTITY

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia