Novo dispositivo possibilita que pais amamentem seus filhos na ausência das mães!

Resiliência Humana

Novo dispositivo possibilita que pais amamentem seus filhos na ausência das mães!

Mesmo quando os parceiros desejam dividir os deveres igualmente, a amamentação pode tornar tudo bem complicado. Simplesmente não é possível que os pais assumam esse serviço – mas e se fosse?

No festival SXSW em Austin, Texas, a Dentsu (uma empresa de tecnologia do Japão) apresentou seu novo sistema de amamentação conhecido como Assistente de Enfermagem do Pai.

O dispositivo vestível permite que os pais alimentem o bebê como a mãe faria e promove o contato pele a pele entre pais e bebês. Um dos “peitos” falsos segura o leite ou a fórmula e o outro contém o sistema de mamilos, para que o bebê possa mamar apenas de um lado.

O dispositivo não apenas alimenta o bebê, mas também rastreia dados sobre o bebê e transmite as informações para o telefone inteligente do pai.

Segundo Dentsu, o dispositivo foi criado com “conselhos de pediatras e babás, que afirmam que os bebês tendem a tocar o peito com as mãos durante a mamada e que a suavidade parece acalmá-los, o produto foi modelado para se parecer com o de uma mulher.”

View this post on Instagram

#fathersnursingassistant #sxsw2019

A post shared by Carlos Lowry (@carlitoslow) on

Ainda não está à venda, mas será interessante ver se a aparência do dispositivo no SXSW promove mais inovação em sistemas pele a pele para pais.

Enquanto isso, uma estudante de design no Reino Unido, Marie-Claire Springham, inventou um kit de “amamentação” que poderia ajudar os pais a induzir a lactação e amamentar seus bebês. A invenção ganhou o prêmio Grand Trophy no Meaning Centered Design Awards 2018, e Springham espera disponibilizá-lo aos consumidores em cinco anos.

O kit contém uma bomba e um colete de compressão, além de hormônios. Os futuros pais começarão a tomar progestina assim que souberem que serão pai e, seis semanas antes da data de vencimento, começarão a tomar domperidona, o que desencadeará hormônios para iniciar a produção de leite.

Quando o bebê chega, mamãe e papai podem se revezar amamentando e bombeando.

Durante uma recente aparição na televisão no Good Morning Britain, Springham explicou que ela projetou o kit como uma ferramenta de empatia. “Eu estava olhando para a depressão pós-natal e aprendi muito, principalmente que ocorre em homens e a principal causa disso é a sensação de ficar de fora”, explicou ela.

“Eu li muitas depoimentos, o pai chega em casa pronto para ser o super pai e o bebê não está interessado porque o bebê é atraído pelo cheiro do leite materno e é assim que a mãe cheira”, continuou ela.

Springham recebeu muita reação em relação a sua invenção, com personalidades da mídia, incluindo Piers Morgan ( que também é muito famoso contra pais que usam Baby Bjorns ) ridicularizando.

Mas Julie Jenson Bennett, CEO da Precipice Design e presidente do júri do Meaning Centered Design Awards ficou impressionada com o kit de Springham e vê potencial.

“Isso desafia os significados fundamentais de homem e mulher, pai e mãe, pai e filho. Numa época em que usamos cada vez mais hormônios, medicamentos e tecnologia para mudar as opções de vida disponíveis, o conceito de design de Marie-Claire vai direto ao coração de nossos tabus”, diz Bennett.

A ideia de pais que tomam hormônios para estimular a produção de leite pode ser nova, mas os benefícios de pais que se alimentam e se conectam com seus bebês através do contato pele a pele não são.

Os pais estão hackeando seus próprios kits de amamentação usando mamadeiras (portanto sem hormônios) há muito tempo, e alguns pais até conseguiram “amamentar” seus bebês usando sistemas de alimentação suplementares (basicamente um tubo e ventosa presos ao mamilo).

Springham estima que demorará cerca de cinco anos para que seu kit esteja nas mãos dos consumidores, mas pode ser um divisor de águas para as famílias que lutam com a alimentação infantil.

Não vai agradar a todos os pais, mas seria legal que eles tivessem a escolha se quisessem.

Enquanto isso, os pais podem ajudar seus parceiros de amamentação, apoiando-os. Apenas sentar com eles, pegar um copo de água ou lavar a roupa que ela não pode lavar porque está amamentando são todas formas de apoio.

Os pesquisadores observam que “os apoios emocionais, práticos e físicos paternos [foram] identificados como fatores importantes para promover o sucesso da amamentação e enriquecer a experiência da mãe e, posteriormente, do pai”.

A parteira registrada CJ Blennerhassett disse anteriormente à Motherly que, embora os casais muitas vezes imaginem compartilhar os deveres do bebê da mesma forma, na realidade, os pais de enfermagem farão a maioria do trabalho envolvido na alimentação. “Parceiros e membros podem encontrar outras maneiras de apoiar essa carga de trabalho”, diz Blennerhasset. “Tudo bem.”

*Via Mother.ly. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia