Nomofobia: o medo irracional de ficar sem o celular!

Resiliência Humana

Nomofobia: o medo irracional de ficar sem o celular!

Por Francisco Pérez

O termo nomofobia vem de “fobia de ficar longe do celular” e refere-se ao medo irracional de não ter acesso ao telefone.

Quantos de nós sentimos ansiedade quando, por qualquer motivo, não conseguimos usar nosso telefone celular? Às vezes, o telefone fica sem bateria e não podemos recarregá-lo. Outras vezes, esquecemos em casa ou no carro. Em casos mais extremos, foi roubado ou danificado.

Quando isso acontece, não sentimos o mesmo quando esquecemos um notebook, relógio ou casaco.

Vamos ser sinceros, vivemos viciados no celular. Talvez porque os smartphones mudaram radicalmente a maneira como vivemos.

As tarefas que antes só podíamos executar com até três dispositivos diferentes, agora podemos executá-las com um único dispositivo.

Com o nosso celular, agora podemos tirar fotos, gravar vídeos em alta qualidade, fazer anotações, enviar mensagens de texto etc. São pequenas ações que marcam o nosso dia a dia. E sim, eles nos mantêm colados ao smartphone como se estivéssemos morando nele.

Internacionalmente, existem mais de 7 bilhões de pessoas no mundo que usam um dispositivo eletrônico para se comunicar. E esse número está aumentando.

As estatísticas internacionais indicam que a nomofobia pode ser mais frequente em jovens usuários de smartphones, que são os dispositivos que geram maior dependência devido às amplas possibilidades que oferecem.

Nem todas as pessoas sofrem de sintomas de ansiedade quando se separam do telefone celular, mas se isso está começando a acontecer no seu caso, você pode estar desenvolvendo esse problema: nomofobia ou medo irracional de ficar sem telefone celular.

Nomofobia, a doença do século XXI?

Redes sociais, como Instagram, Facebook, Twitter, etc. já fazem parte de nossas vidas. Se não carregarmos a foto de nossa última aquisição no Facebook ou não compartilharmos nossa melhor foto na praia, parece que estamos “fora de jogo”.

Redes sociais e aplicativos de fotografia podem ser a causa desse distúrbio, principalmente. Isso me faz pensar que vivemos em uma sociedade onde os valores mudaram.

Agora, o que prevalece é a “postura”, ou o que é o mesmo, para mostrar a “melhor versão” de nós mesmos para dizer ao mundo quão bem vivemos ou quão atraentes somos. O problema não é que fazemos esporadicamente. É a necessidade imperativa de fazê-lo.

A nomofobia também pode ser entendida como um vício.

Assim como há pessoas que não conseguem passar sem a dose diária de tabaco, álcool ou outras drogas, há quem não pode passar sem o celular.

Ter um vício não é ruim “por si só”. Os psicólogos costumam dizer que há um problema quando esse comportamento tem consequências negativas ou interfere significativamente na vida da pessoa.

Assim, ficar viciado no celular não é ruim, desde que não produza consequências negativas. O problema é quando está tendo, principalmente para os jovens.

Ligado permanentemente ao smartphone

Infelizmente, não é incomum ver casais caminhando ou tomando um café olhando ao celular. Seus olhos estão fixos em seus telefones celulares. Eles estão presentes no sentido físico, mas sua atenção está em outro lugar. E isso é extensível a grupos de amigos ou pessoas que passam tempo sozinhos.

Mesmo no trabalho, o uso do telefone móvel é problemático. Isso causa problemas de produtividade, concentração e até esses dispositivos podem se tornar um enorme buraco negro por um tempo. Mas o mais alarmante é o uso que fazemos do celular enquanto dirigimos . Isso é muito sério. Nosso trabalho não está mais em jogo aqui, mas nossa vida e a dos outros.

A dependência que pode ser criada para esses tipos de dispositivos é maior, em alguns casos, do que poderíamos ter com nosso parceiro ou nossa família.

Infelizmente, não é incomum ver casais caminhando ou tomando café sem se olharem. Seus olhos estão fixos em seus telefones celulares. Eles estão presentes no corpo, mas suas mentes estão em outro lugar.

Sintomas de nomofobia

Os sintomas da nomofobia são semelhantes aos de qualquer outro vício, embora desta vez nos deparemos com um vício sem substâncias.
Assim, os sintomas mais comuns gerados pela nomofobia são os seguintes:

Palpitações

Tremor

Agitação

Taquicardia

Desorientação

Sensação de asfixia ou falta de ar

Sentimento subjetivo de angústia

Desespero

Distúrbios do sono

Sudorese

Verifique o telefone inúmeras vezes

Perda de atenção

Baixa auto-estima

Depressão

Sensação de solidão

*Via La Mente es Maravillosa. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia