No momento, fazer festa pode ser um atestado de óbito.

Resiliência Humana
no-momento-fazer-festa-pode-ser-um-atestado-de-obito

No momento, fazer festa pode ser um atestado de óbito.

Estamos no momento mais crítico da pandemia, muitas pessoas estão sofrendo a perda de entes queridos, e sobretudo, milhares de vidas foram ceifadas, retiradas de uma hora para outra de dentro dos corações daqueles que as amavam.

Infelizmente, mesmo vivendo o pior cenário, estamos vendo acontecer um show de irresponsabilidades, milhares de festas e aglomerações, sendo realizadas por pessoas que não acreditam na gravidade da situação, e no potencial de mortalidade do vírus.

Um acontecimento recente, retrata essa situação com nuances de tragédia já esperada. Uma mãe em desespero, confessou que não concordava com as atitudes do filho de 31 anos, que fazia festas durante a pandemia, mas segundo ela, é muito complicado segurar um homem que já tem o próprio dinheiro, e ela tem razão, mães geralmente não conseguem convencer um filho adulto a fazer o que elas acham certo, ou a não fazer o que elas acham errado.

Maria de Lourdes, de 56 anos, classificou como “suicídio” a festa que seu filho fez recentemente, no momento mais alto da pandemia.

“Era uma festa, mas virou um suicídio”, afirmou.

Uma tragédia antecipada por ela veio se confirmar, o rapaz está intubado com covid-19 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Municipal da Brasilândia, Zona Norte de São Paulo.

De acordo com a entrevista que essa mãe deu para o site UOL, ela não tem orgulho em dizer que seu filho fazia e frequentava festas durante a pandemia, mas ela não tinha poder sobre ele, já que ele é um adulto independente. Ela se sente muito envergonhada e por isso pediu sigilo quanto ao nome do filho.

Ela contou ainda que seu filho é frentista em um posto de gasolina e por ser um serviço essencial, ele foi ao trabalho durante toda a pandemia. Ainda segundo Maria, o jovem dizia, antes da internação, que havia contraído a covid no trabalho, mas que ela tinha ‘certeza’ de que ele contraiu em uma das festas que ele frequentava.

“A gente avisa. Eu falava dos casos na televisão, mas não tinha jeito. Ele ia para essas festas no final de semana. E tem de tudo, né? Bebida, mulheres, muita gente. Os moradores da comunidade odeiam. A gente já tinha medo antes, com esse vírus ficou pior. Era uma festa, mas virou suicídio”, afirmou, também ao UOL, a mãe do jovem.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, na última quarta-feira(10), só o estado de São Paulo registrou 517 novas mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, além de 16.058 novos casos confirmados da doença. O numero de pacientes que morreram na fila de espera por leitos de UTI subiu para 38 em um dia.

É preciso que haja consciência nesse momento delicado. Muitas pessoas estão se colocando em perigo, em uma espécie de “roleta russa”, onde não se espera morrer, mas existem enormes chances disso de fato acontecer.

Pode ser que a sua vida não se perca de uma hora para outra, mas você poderá ser o responsável por contaminar alguém que é muito importante pra você e que pode, de um dia para o outro, não estar mais aqui. Conviver com essa culpa, não será nada fácil pra você.

Fique em casa!

*DA REDAÇÃO RH. Com informações Uol e Hypeness.* Imagem meramente ilustrativa.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia