Não vou mais fingir que sou a pessoa perfeita que você quer que eu seja

Resiliência Humana
nao-vou-mais-fingir-que-sou-a-pessoa-perfeita-que-voce-quer-que-eu-seja

Não vou mais fingir que sou a pessoa perfeita que você quer que eu seja

Por Presley Townsend

“Onze meses se passaram e não estou nem perto da mesma pessoa que costumava ser”, ri para minha terapeuta. Não é um segredo – você pode ver as diferenças olhando para mim. Esteticamente mudei, mas as diferenças reais são um pouco mais profundas.

Cresci com a compreensão de que precisava ser morno, agradável. Eu precisava ficar quieta, ficar bonita, tirar boas notas e não fazer barulho. Não falamos sobre sexo; não falamos sobre política.

Certamente não lavávamos nossa roupa suja. Eu devia estar limpa e arrumada, perfeita para o mundo exterior.

Os estereótipos nos retratam com paisagens pitorescas e casas limpas. Esqueletos de sombras no armário que levaria anos para trazê-los para a luz.

Você não fala sobre seus próprios problemas, mas pode sussurrar sobre os de todo mundo, desde que comece com “abençoe seus corações”.

Já ouvi pessoas falarem sobre “momentos decisivos” antes. Eu não tinha certeza se realmente tinha experimentado algum até que vi que havia lados de mim que não eram aceitos ou reconhecidos por algumas pessoas em meu círculo.

Foi nessa época que percebi que queria exibir meus próprios esqueletos por uma questão de autenticidade. Vulnerabilidade. Porque acredito no poder da honestidade e do relacionamento com as pessoas.

Eu acredito na conexão e na arte de compartilhar as partes pessoais do seu coração.

Então, comecei a escrever, despejando páginas de histórias sobre minha vida e minhas lutas. Compartilhando as coisas difíceis, mas também compartilhando as coisas boas.

Foi então que aconteceu.

Percebi quão facilmente poderia ser aplaudida por uma foto bonita ou um novo emprego chique.

Mas a sala ficou em silêncio quando escrevi para a garota que pode ter lutas semelhantes às minhas.

Não houve público para testemunhar quando escrevi as coisas que precisava ouvir quando era mais jovem, as coisas que as pessoas não diziam quando eu era a garota que precisava tanto ouvir as palavras.

Eu não vou mentir – isso dói mais.

Que as pessoas que me viram crescer, me viram lutar, protegeram seus olhos de qualquer coisa que pudesse me derrubar do pedestal em suas mentes.

Doeu e me deixou com raiva. Mas eis uma coisa que percebi: não é bonito sentir raiva. Essa é uma emoção que foi desprezada em minha vida. Não é educado nem mesmo admitir que você sente aquele fogo nos ossos.

Senti raiva até este ano. Eu nem sabia como colocar a emoção em palavras.

Eu estava com raiva porque doía ser aceita apenas pelos pedaços de mim que eram fáceis de ver; Eu ainda estou com raiva. Mas o personagem zangado é apenas outro lado de mim que será protegido dos olhos daqueles que escolherão falar sobre mim pelas minhas costas.

“Abençoe seu coração,” eles vão começar. “Ela perdeu completamente a cabeça, não é?”

O momento decisivo veio quando percebi que posso ficar com raiva e lutar contra isso, ao mesmo tempo que aceito os pedaços de mim mesma que uma parte inteira da minha vida opta por ignorar.

Posso lamentar os comentários “abençoe o coração dela” enquanto concordo que sim, eu perdi totalmente a cabeça; e foi a coisa mais libertadora e autêntica que já fiz.

Onze meses se passaram e estou viva. Fico com raiva, fico triste, cometo erros. Mas eu não quero e nunca mais vou escolher ficar quieta com um batom perfeito e uma mala de bagagem para parecer perfeita. Porque as partes difíceis da vida são normais e a vergonha só existe no escuro.

Cansei de ter que ser perfeita para ser aceita.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações Thought Catalog. *Foto de Ilona Panych no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia