Não, você nem sempre precisa perdoar

Resiliência Humana

Não, você nem sempre precisa perdoar! Esse conselho comum pode prejudicar mais do que ajudar.

Entre as postagens do blog que escrevi, uma das mais populares permanece “Por que precisamos de fechar ciclos?”

Se um relacionamento terminou, sem conhecer com certeza ou clareza nossa culpa nele nem a culpa talvez intrinsecamente em nós mesmos que o causou, ou, talvez o pior de tudo, sem saber pegar as peças, apesar de ver nelas alguns lampejos de esperança.

De maneira semelhante, quando sentimos dores causadas por circunstâncias fora do nosso controle, românticas ou não, muitas vezes nos dizem para “perdoar”.

O perdão, de acordo com Webster, é “deixar de sentir ressentimento contra (um ofensor)” ou “desistir de ressentir-se ou reivindicar a recitação por perdoar um insulto”.

Como verbo, é um conceito carregado, envolvendo alguns componentes principais que moldam nossa auto-imagem, como responsabilidade, caráter e moralidade.

Ser instruído a perdoar, então, é ser instruído a agir de uma certa maneira, como se, ao fazê-lo, não apenas absolvêssemos o malfeitor em nossas vidas, mas também a nós mesmos.

De acordo com os conselhos populares, somos instruídos a perdoar qualquer traição que tenhamos mantido a promessa de nos libertar do passado, de nossa dor e de todas as lembranças que nos pertencem.

Na minha opinião, no entanto, quando nos encontramos nas trincheiras de emoções profundas e confusas derivadas de quem ou o que nos traiu, acreditando que a única absolvição possível é perdoar, abre um caminho perigoso: se sentimos que não podemos perdoar de todo o coração, estamos depois marcado por culpa e vergonha, sentindo-se errado por não saber ou ser capaz de perdoar, afundando-nos ainda mais em um estado de desespero.

A verdade é que, em algumas situações, você não precisa perdoar, principalmente porque o perdão é um fenômeno psicológico complexo, envolvendo fatores situacionais e individuais.

Por exemplo, de acordo com dois estudos de McCullough que exploraram perdão, vingança e outros fatores, a baixa aceitação e o neuroticismo alto foram associados à vingança, que também estava relacionada a (a) ser menos perdoadora; (b) maior reflexão sobre a ofensa; (c) maior afetividade negativa; e (d) menor satisfação com a vida. Algumas pessoas parecem ser simplesmente mais capazes de perdoar com base em sua personalidade .

De uma perspectiva menos determinística, o perdão também pode ser baseado na situação.

Um bom exemplo disso é como é mais fácil perdoar quando o verdadeiro remorso de um transgressor é mostrado.

A razão, eu suponho, pode ser evolucionária: o remorso sugere que uma pessoa reconhece seus erros.

O reconhecimento em si é mera evidência de salvação: ao reconhecer cognitivamente a ação prejudicial e se desculpar por isso, o transgressor reconhece seu papel e responsabilidade por ferir outra pessoa.

A crença de que o malfeitor trairia novamente é baixa, dado o reconhecimento ou a ação e a dor que eles também sofreram, sendo, portanto, improvável que não coloque apenas mais um, mas eles mesmos nessa situação novamente.

Mas e se não houver remorso demonstrado ou reconhecimento dos erros cometidos? “Perdoe-os, pois não sabem o que fizeram”, são as palavras supostamente proferidas por Jesus antes de sua crucificação.

Este exemplo compassivo mostra que o perdão é possível por meio da empatia , sugerindo que se alguém não tem conhecimento das consequências de suas ações ou da dor resultante, o perdão é justificado.

O que não garante perdão, no entanto, é a verdadeira malevolência: quando não há remorso, nem ignorância, mas uma pessoa se satisfaz com a dor de outra pessoa, o perdão é desnecessário.

Aceitação, no entanto, é. (No caso de abuso infantil, esse conceito é bem descrito no livro de Susan Forward, Toxic Parents .)

Para muitos, pode ser difícil reconhecer que alguém próximo a nós poderia ter agido malévola conosco, desfrutado de nossa dor e continuado sendo ofensivo, apesar de não ter nada a ganhar, exceto a satisfação própria.

Quando os clientes me falam de farsas que sofreram e com que crueldade foram tratados, particularmente em casos de abuso infantil, a ideia de perdão surge com frequência, geralmente de forma independente:

“Eu sei que preciso perdoar …” ou “Eu não sei como posso perdoar. ” Essas palavras são poderosas porque, dentro delas, existe um conceito que ataca a vontade do indivíduo ferido, incluindo seu autoconceito, autoestima e compreensão do mundo, das pessoas e, de fato, de si mesmos. Há necessidade de perdoar?

Não, é preciso entender e aceitar, e é preciso responsabilizar o malfeitor, mesmo colocando a culpa onde deveria estar em conversa com um terapeuta ou amigo; É preciso lamentar a ideia do que poderia ou deveria ter sido; é preciso amar o eu mais jovem que suportou as dificuldades; e é preciso fazer um plano para avançar.

O perdão é um fenômeno emocional e psicológico que provavelmente carrega peso evolutivo, permitindo-nos funcionar em uma sociedade construída com base na confiança.

Na maioria dos casos, o perdão é saudável, necessário e recomendado. Às vezes, no entanto, há mais poder em não perdoar, mas aprendendo com encontros de malevolência, crescimento e mudança.

Referências

McCullough, ME, Worthington Jr, EL, e Rachal, KC (1997). Perdão interpessoal em relacionamentos íntimos. Jornal da personalidade e psicologia social, 73 (2), 321.

*Via Psychology Today. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia