“Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira”.

“Não me deem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre”.

O pensamento acima costuma ser atribuído a Clarice Lispector, mas não há fontes confiáveis que confirmem a autoria. Mas o texto me fez pensar que, muitas vezes, aquilo que você tanto procura ou critica está bem à sua frente.

Somos reflexos daquilo que mais amamos e também tememos.

Se quiser enxergar o outro, olhe primeiro pra dentro de você.

Basta olhar atentamente pro seu próprio reflexo no espelho.

Logo passará a ter uma visão completamente diferente sob o prisma de olhos que não são os seus.

Muitas vezes, as pessoas não querem saber a verdade por medo de suas ilusões serem destruídas. Eu até me considero uma pessoa otimista, mas com o realismo necessário de Nietschze.

Simplesmente não dá pra ser “good vibes” o tempo todo, postar foto plena tomando café da manhã em hotel, falar “A vida é bela”, enquanto a gente é testemunha ocular do dilúvio de informações catastróficas à nossa volta.

Não vamos mascarar a realidade e amenizar a dor alheia.

Às vezes, por mais dilacerante que seja, tudo o que você pode dizer para abraçar alguém com uma palavra é: Não sei se vai ficar tudo bem. Mas eu vou estar lá com você.

Há palavras que curam com o tempo as feridas que só um ouvido e um ombro amigos podem verdadeiramente ofertar. Portanto…

“Não me deem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração”. E o meu coração não sabe viver de mentira.

*DA REDAÇÃO RH. Foto de Ionut Comanici no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Sou jornalista de espírito vintage, que ama compor músicas ,pintar, e escrever sobre assuntos voltados à compreensão das relações humanas e da profundidade da alma. Acredito que as duas maiores forças que possuem o poder de mudar o nosso dia a dia são o Amor e a Empatia. Grata por compartilhar com vocês esta jornada.