Não se morre de sofrimento, mas de querer evitá-lo.

Quando uma pessoa sofre, geralmente investe toda a sua energia e esforços para acabar com a fonte de dor. Esse esforço geralmente o afasta do que é importante em sua vida. Ele então começa a sobreviver, deixando, ao mesmo tempo, de viver.

O sofrimento emocional intenso, junto com a sensação de não ser compreendido pelos outros, é uma das experiências psicologicamente mais dolorosas que uma pessoa pode experimentar.

Este sofrimento pode ter vários nomes: ansiedade, depressão, saudade, dor física, obsessão, impulso incontrolável, medo …

Embora os nomes da dor mudem, o fundo é semelhante. São experiências emocionais desagradáveis ​​que invadem e paralisam a pessoa em todas as esferas de sua vida.

Quando a emoção entra na vida de alguém dessa maneira, ela ocupa tanto espaço que não deixa espaço para mais nada.

O que é valioso para a pessoa, como um tempo sozinho, lendo um livro, tomando um café com um amigo ou estar em contato com a natureza, começa a esmaecer até desaparecer.

Sem perceber, a pessoa começa a despender todos os seus esforços tentando evitar aquele sofrimento à custa de perder o que é valioso para ela na vida.

A cultura do bem-estar

Os seres humanos vivem conectados uns aos outros. Compartilhamos uma cultura comum que é diferente dependendo de onde vivemos ou com quem nos associamos.

A experiência de dor e bem-estar é influenciada pela cultura. É assim que entendemos o que é “viver bem” ou a ideia que temos sobre qual é a maneira “correta” de viver uma vida.

A cultura em que vivemos nos manda constantemente mensagens que nos dizem: “passe o que passe, sorria”, “pensa positivo para que te aconteçam coisas boas,”, “evita sentir-se mal”, “elimina de tua vida aquilo que você não gosta”.

Vivemos com um bombardeio de mensagens que nos pedem para sermos felizes e evitarmos desconfortos.

Às vezes, olhando ao nosso redor, parece que socialmente estamos numa dinâmica de “todos a um contra a dor”.

Uma luta constante para vencer o sofrimento e bani-lo para sempre. As pessoas querem se sentir bem e também querem fazer isso imediatamente, e se possível, sem fazer muito esforço.

Menos sofrimento pode significar menos vida

Se é o sofrimento que não o deixa viver: como pode menos sofrimento significar menos vida? Não deveria ser o contrário, menos sofrimento, mais vida? Esse efeito paradoxal aprisiona a pessoa, faz com que ela se concentre apenas na dor e a afasta do que é importante para ela.

Pense nisso, lembre-se de uma época em sua própria vida em que você sofreu muito. Algum momento sombrio de profunda dor. Você tem isso em mente?

Agora pergunte-se: o que você teria feito naquele momento para se livrar dessa dor? O que você faria agora para nunca mais sentir essa dor novamente?

A resposta a esta pergunta é geralmente: “qualquer coisa!”, “Custe o que custar”, “Eu nunca mais quero experimentar isso de novo”.

Agora reflita sobre a seguinte questão: o que você estaria disposto a sacrificar em troca de tirar esse sofrimento? E se você tivesse que abrir mão da sua própria vida e o que realmente te fizesse feliz? Então valeria a pena?

Concentre-se no que é importante

Essa armadilha de buscar constantemente a felicidade como objetivo prioritário, de evitar a dor ou mesmo de tentar controlá-la, aprisiona a pessoa em um círculo vicioso.

O círculo vicioso de tentar controlar o incontrolável é uma luta cansativa e sem fim.

Vida e sofrimento andam no mesmo pacote. Aceitar que viver tem o custo do sofrimento, às vezes sofrer intensamente, é abrir espaço para a dor.

Permitir que a dor compartilhe espaço com o que é valioso é a chave para reconstruir uma vida que valha a pena ser vivida. Concentrando-se apenas na dor, afasta-se do que é importante. Sobreviva, em vez de viver. Ele hipoteca sua vida ao custo de não estar presente nela.

O sofrimento dói, dói muito, mas não mata. Com uma certa perspectiva, perceberemos que ninguém morreu de sofrimento, mas apenas de tentar evitá-lo.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LLM. Foto de Brooke Cagle no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia