Não permita que as dores do mundo te deixem cego para o amor!

O amor – o companheirismo, a parceria, a lealdade, o carinho e o afeto – não só são raros dentro de uma relação romântica, como também se tornam um desafio para muitas pessoas que já sofreram demais o aceitarem, em verdade, como de fato ele é.

Conheço muitas pessoas que reagem negativamente quando recebem demonstrações de carinho e afeto. Elas parecem estar fechadas para o amor e, quando se permitem, acabam vivendo um amor cego, praticamente, doentio.

Outras pessoas ficam extremamente sem graças quando são elogiadas. Outras, fogem quando sentem que alguém se preocupa com elas.

O fato é que, muitas pessoas não sabem que ser amadas ou especialmente valorizadas. Essas reações incoerentes, são, em sua maioria, inconscientes, as pessoas nem percebem que fazem isso, que se tornaram cegas para o amor.

Existe um motivo, muitas vezes, irracional, que leva as pessoas a agirem dessa forma. E o motivo, sempre está relacionado a sua família de origem.

1. A pessoa se sente vulnerável

Basicamente, o amor é assustador quando contrasta com o trauma da infância. Acontece que, muitos de nós, vivemos experiencias de desamor e de desaprovação enquanto crianças e, depois de adultos, se sentem incomodados sempre que recebem uma demonstração de afeto, visto que isso, é uma coisa de que não se sentem familiarizados.

2. Ser amado desperta tristeza e sentimentos dolorosos do passado.

Ser tratado com amor e ternura desperta uma espécie de tristeza que traz a tona memórias de dor do passado. Mesmo que a pessoa não se recorde de todos os eventos do passado, uma sensação de medo de abandono e sentimentos de solidão afloram, sem que ela perceba. As pessoas têm medo de ser magoadas da mesma forma que foram magoadas quando crianças.

3. Crise de identidade

O primeiro amor que sentimos é, sem dúvidas, pelos nossos pais, ou por aqueles que cuidaram de nós quando não tinhamos condições de suprir as nossas necessidades básicas. Se não fomos cuidados com amor, ou se sofremos algum tipo de abuso, sejam físicos ou psicológicos, os guardamos em um compartimento interno para conseguir continuar vivendo, porém, essa dor de amor, nos leva a pensar que todo amor dói, todo amor fere, machuca e leva a um trauma profundo.

Ser valorizado ou visto sob uma luz positiva é confuso para essas pessoas porque elas entram em conflito com o autoconceito negativo que receberam de sua família de origem.

Isso tudo, leva essas pessoas a criarem um conceito negativo a respeito do amor e, para que elas possam conhecer o amor em sua essência, depois de adultos, necessariamente, elas precisarão passar por uma cura terapêutica, seja com um profissional da psicologia, ou em terapias alternativas como, constelações familiares, renascimento, entre tantos outros. Mas a verdade é que, enquanto a pessoa não se tornar consciente de que é cega para o amor e que precisa de ajuda, ela não vai conseguir aceitar receber o amor de ninguém.

Se você se identificou com o texto e percebeu que está cego para o amor, me mande um direct no @rhamuche, eu posso te ajudar a sentir o amor verdadeiro e a se libertar desses traumas da infância.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar.

*foto: ♚ PrInCe Af DaNmArK ♚

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.