Não grite com seu filho

Não grite com seu filho, não cometa esse grande erro em busca de uma boa educação. Ao contrário do que se acredita, elevar sua voz só gera violência nas crianças. Nem pense em apelar para essa ferramenta ineficiente, uma vez que também aumenta as chances de sofrer de depressão infantil.

Resiliência Humana

Por: Eres Mamá

Não grite com seu filho, não cometa esse grande erro em busca de uma boa educação. Ao contrário do que se acredita, elevar sua voz só gera violência nas crianças. Nem pense em apelar para essa ferramenta ineficiente, uma vez que também aumenta as chances de sofrer de depressão infantil.

Estes são alguns resultados que a Universidade de Pittsburgh chegou. Este estudo foi realizado em conjunto com a prestigiada Universidade de Michigan. A conclusão foi esmagadora. Os gritos formam crianças agressivas, com baixa auto-estima e deprimidas.

Não grite com seus filhos, fale com eles

Um grupo de cientistas estudou os efeitos de um dos métodos que as mães costumam usar para educar os mais jovens. Assim, a técnica de levantar a voz e apelar para insultos e desqualificações foi colocada sob a lupa. Qual foi o resultado obtido?

Os envolvidos na pesquisa publicada na revista “Child Development” analisaram 976 famílias compostas por pai, mãe e filhos entre 13 e 14 anos. 45% das mães e pais admitiram apelar para a “disciplina verbal”, o que foi verificado quando descobriram que essas crianças desenvolviam mais problemas comportamentais do que as demais.

No primeiro caso, os especialistas em investigação concluíram que gritar com menores desperta comportamentos destrutivos. Desta forma, sustenta-se que gritar não disciplina a criatura. Em vez disso, o que eles acordam são manifestações agressivas e depressivas.

Em linhas paralelas, os especialistas são a favor desse avanço. Bem, especialistas dizem que a agressão verbal mata. Não é por menos, se considerarmos que provoca as mesmas consequências emocionais que a agressão física. É por isso que, mãe, não grite com seu filho.

Indo um pouco mais longe, elevar a voz da criança em público pode ter consequências terríveis. Nesse caso, o garoto se sente envergonhado, por isso sua auto-estima é prejudicada. Assim, o relacionamento do menor com seus pais é modificado. Ele não mais os percebe como figuras de autoridade, mas apenas desperta medo ou raiva.

Por esse motivo, especialistas na área são reiterativos nas dicas para controlar a raiva e as emoções dos pais. Respirar profundamente e repreender a criança uma vez que a calma é essencial. Agora, no caso de ter gritado com o bebê, peça perdão e explique que ele o ama e que apenas agiu como sua raiva.

Como a disciplina verbal afeta a criança?

Lutas na escola, baixo desempenho escolar, mentiras constantes para os pais, tristeza repentina e depressão são algumas conseqüências da gritaria dos pais. No entanto, a pessoa responsável pelo estudo ressalta que, uma vez que o insulto tenha sido pronunciado ou a voz levantada, “o dano já foi feito”. Bem, não há como voltar atrás.

Não grite com seus filhos porque você inevitavelmente os condena a apresentar problemas emocionais e comportamentais. Em paralelo, como uma reação fisiológica aumenta o hormônio do estresse, negativo para o desenvolvimento de cérebros.

Segundo os autores do artigo, crianças e adolescentes estão em processo de construção de sua própria personalidade. Então, sejam eles gritos como insultos ou insultos, eles não apenas os machucam, mas os fazem sentir-se inúteis. Deste modo, a auto-estima da criança sofre e a rejeição pelo adulto aumenta.

Isso não é tudo. Você grita com os meninos, você não faz nada além de dar um mau exemplo. Sob nenhuma circunstância você espera que uma criança seja educada em tolerância e autocontrole. Portanto, recomenda-se agir de forma assertiva antes das chamadas “inundações emocionais” que fazem com que você perca o controle.

Certamente, este método pouco eficaz tradicional não deixa sequelas físicas. No entanto, lança os piores efeitos psíquicos e emocionais. Esse tipo de prática não apenas rotula seu filho, mas também o torna inseguro e retraído. É por isso que é fundamental pensar duas vezes como agimos quando estamos sobrecarregados.

A anestesia contra o que dizemos, os assusta e não contribui para o desenvolvimento de sua inteligência emocional. Por isso mesmo, não grite com o seu filho. Evite de todos os meios cometer este erro capaz de marcar uma impressão psicológica irrevogável.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia